O que esperar dos Leões Indomáveis diante do Brasil

A história mostra que o último adversário do Brasil na fase de grupos da Copa do Mundo do Qatar-2022 não costuma ser um desafio dos mais complicados. A seleção de Camarões, que os comandados de Tite enfrentam nesta sexta-feira (2), 16h, em Lusail, no encerramento do Grupo G, levou sete gols em apenas dois jogos da equipe canarinho em confrontos anteriores no torneio de futebol mais importante do planeta.

Os dois confrontos diretos também aconteceram na etapa classificatória, assim como agora. Em 1994, na campanha do tetra, os brasileiros ganharam por 3 a 0. Vinte anos depois, no Mundial em que foram anfitriões, aplicaram uma goleada por 4 a 1. Desta vez, a expectativa também é por um placar elástico. Afinal, Camarões está longe de poder dizer que tem uma defesa sólida.

Com uma retaguarda formada por jogadores de pouco destaque no cenário internacional, levou três gols da Sérvia e só não foi ainda mais vazado por causa da falta de mira de Aleksandar Mitrovic e cia. – houve pelo menos uns três lances claros de gol que foram desperdiçados.

Por outro lado, os africanos mandam bem no ataque. Eric Maxim Choupo-Moting, o nome mais conhecido da seleção, vive a melhor fase da carreira e já marcou 11 gols pelo Bayern de Munique nesta temporada, mesmo sendo reserva em parte considerável dos jogos. Contra a seleção de Tite, ele provavelmente ganhará um companheiro de características parecidas no comando de ataque, Vincent Aboubakar, do Al-Nassr, que é simplesmente o maior artilheiro do elenco atual de Camarões (34 gols).

O Brasil é uma das três seleções que passaram com 100% de aproveitamento pelas duas primeiras rodadas da Copa e que, por isso, asseguraram com uma partida de antecipação a vaga nas oitavas de final – França e Portugal foram as outras. Com isso, Tite ganhou a possibilidade de aproveitar a despedida da fase de grupos para rodar um pouco o elenco e dar oportunidade a jogadores que ainda não foram utilizados, como o lateral direito Daniel Alves, o lateral esquerdo Alex Telles, o zagueiro Bremer e o meia Everton Ribeiro.

A partida contra Camarões vale para o Brasil “apenas” o primeiro lugar da chave, que será assegurado mesmo com um empate contra os africanos. Caso termine na dianteira, a seleção enfrentará na próxima fase o segundo colocado do Grupo H (Gana, por enquanto). Se perder a primeira posição, terá de medir forças contra o campeão da mesma chave (Portugal, até o momento).

Essa é a última edição da competição da Fifa com o formato que vem sendo utilizado há 24 anos, desde a França-1998. A partir do Mundial seguinte, organizado por Estados Unidos, Canadá e México, serão 48 participantes na disputa pelo título.

Deixe uma resposta