Estadão ilustra com foto de um negro a notícia do ataque de um nazista à escola de Aracruz

O Estado de S. Paulo, o popular Estadão, um dos jornais mais antigos e conservadores do país, não toma jeito. Em postagem nas redes sociais, o perfil do vetusto matutino paulistano se superou: repercutiu o ataque de um jovem neonazista utilizando como ilustração as mãos de um jovem negro. Só que o assassino da escola de Aracruz é branco, tem suástica tatuada no braço e é filho de um PM que recomenda nas redes sociais a leitura do livro “Mein Kampf”, de Adolf Hitler.

Uma absurda, racista e inaceitável distorção de narrativa. Horas depois, pressionado pela repercussão negativa, o jornal trocou a foto da ilustração (abaixo), admitindo que a imagem era inadequada, mas nem se deu ao trabalho de pedir desculpas pela postagem racista.

2 comentários em “Estadão ilustra com foto de um negro a notícia do ataque de um nazista à escola de Aracruz

  1. A mão negra com a arma é pura ilustração do racismo em tudo na matéria. O criminoso não era negro, nem filho de negros. Mas a Edição escolheu uma mão negra para ilustrar. Como não seria, né? Pode até ser branco, filho de policial, mas por dentro deve ser pobre e negro. Virou manchete racista. Parabéns ao blog.

  2. O racismo no Brasil está tão enraizado que até quando o criminoso é branco, a reportagem apresenta a imagem de um negro com a arma em punho.

Deixe uma resposta