Papão atropela S. Raimundo e vai decidir Copa Verde com o Vila Nova

A má impressão deixada no jogo de Manaus ficou para trás. A partida deste sábado, 12, na Curuzu, mostrou um PSC em ritmo de alta intensidade, digno da conquista da vaga para decidir (pela sexta vez) o título da Copa Verde.

Sem dar espaços para o adversário, o Papão empreendeu diversos ataques e, logo os 5 minutos, Marlon cabeceou com grande perigo. O goleiro Jonathan evitou o gol.

Aos 10 minutos, nasce o primeiro gol em lance que envolveu vários jogadores do PSC. Gabriel Davis cruzou bola na área, Naylhor tocou para Marlon. O atacante avançou na área, tocando rasteiro para Genilson, sozinho na pequena área e só empurrar para o fundo da rede.

O segundo gol foi uma pintura. Robinho recebeu um lançamento perfeito de João Vieira na área, aos 30′. Ele livrou-se do goleiro com uma finta de desmontou dois zagueiros. Com ângulo livre, encaixou um chute perfeito à meia altura. Golaço na Curuzu.

Aos 36′, Magnum faz cruzamento fechado e quase surpreendeu o goleiro Thiago Coelho. 

Veio o segundo tempo e o Papão disse logo a que veio. Aos 5′, José Aldo lança na diagonal para Marlon, que domina e bate rasteiro. PSC 3 a 0, para delírio da torcida na Curuzu.

O PSC seguiu pressionando, fazendo mudanças no meio e no ataque. Entraram Dioguinho, Ricardinho e Danrlei. Aos 28′, Dioguinho recebeu passe dentro da área, girou e bateu fraco para a defesa de Jonathan.

Aos 31, foi a vez de Danrlei. Lançado na área, ele perdeu o gol e na sequência o meia Ricardinho, que finalizou no travessão.

O primeiro jogo da final da Copa Verde será na terça-feira, 15, na Curuzu, entre PSC e Vila Nova-GO (que se classificou ontem derrotando o Brasiliense por 2 a 1).

Dia de reverenciar Paulinho da Viola, majestade do samba

O cantor e compositor Paulinho da Viola, um dos mais consagrados sambistas do Brasil, completa 80 anos neste sábado (12). Grande expressão viva da MPB e do samba de alto nívl, Paulinho é violonista, cavaquinista, bandolinista, cantor e compositor de samba e choro brasileiro. Conhecido por suas harmonias sofisticadas e a voz suave e gentil, é um dos baluartes da ala de compositores da Portela, berço de compositores inspiradíssimos. 

No início de sua carreira, em 1963, foi na companhia do compositor Hermínio Bello de Carvalho ao Zicartola, bar e restaurante fundado por Cartola e a Dona Zica na Rua da Carioca que se convertera em um reduto de sambistas, chorões artistas, intelectuais e jornalistas. Lá o jovem Paulinho acompanhava, no cavaquinho ou no violão, compositores e intérpretes e também se apresentando cantando músicas de outros autores e, após um show com o compositor Zé Ketti, foi incentivado pelo mesmo a cantar suas próprias músicas no Zicartola.

Naquele inpicio de carreira, Paulinho da Viola foi parceiro de nomes ilustres do samba carioca, como Cartola, Elton Medeiros e Candeia, entre outros. Ele se tornou um dos maiores compositores de samba, além de choros e se tornou uma das maiores expressões da Música Popular Brasileira. Entre as melhores criações de um repertório imenso e rico, destacam-se Foi um Rio Que Passou Em Minha Vida, Timoneiro, Argumento, Dança da Solidão, Sinal Fechado, Pecado Capital, Sei Lá Mangueira, Meu Mundo é Hoje.

Corregedor nacional do MP manda procuradora do MPPA apagar postagens golpistas

O corregedor nacional do Ministério Público, Oswaldo D’Albuquerque, determinou na quinta-feira (10) que a procuradora Ana Tereza da Silva Abucater, do MP do Pará, exclua todas as postagens de cunho antidemocrático de suas redes sociais e fique impedida de voltar a postar mensagens que possam afrontar a ordem democrática.

A decisão (reprodução abaixo), motivada por reclamação da deputada Lívia Duarte, saiu publicada no do diário eletrônico do CNMP.

Durante os primeiros dias de protestos de bolsonaristas contra o resultado das eleições presidenciais, a procuradora Ana Teresa Abucatar se manifestou nas redes sociais defendendo o golpe de Estado e o descumprimento de decisões do Supremo Tribunal Federal.

A frase do dia

“Onde tava a porra do mercado quando bolsonaro criou estado de emergência pra comprar voto? Onde tava o mercado quando bolsonaro deu o calote nos precatórios e furou o teto de gastos? E quando bolsonaro fez campanha CONTRA vacina? Onda tava a merda do mercado na CPI da covid?”.

Felipe Castanhari, apresentador de TV

Lula e o Mercado

Por Malu Aires

60.345.999 brasileiros derrotaram o Mercado nas urnas.
Ele bem que tentou comprar a eleição, mas não ganhou.
O choro do Mercado é a ressaca da derrota.
Passou 4 anos arreganhando os dentes pro genocídio, pro desemprego, pra fome, pra inflação… alegria do Mercado era arrancar mais de R$ 200 bilhões do caixa da Petrobras, por ano, fazendo “lucro” com preços abusivos.
O Mercado passou com a boiada, enquanto a covid matava. Fez 40 bilionários a cada 600 mil mortos.
O Mercado mandou o dólar pras alturas. Achatou o salário mínimo, com sola de botina.
O Mercado desempregou, sonegou, atacou direitos, humilhou trabalhadores. Viu o “teto de gastos” pegando fogo, tá vendo o rombo de R$400 bilhões e não aceita que a economia gire a roda do povo.
O Mercado derrubou Dilma, elegeu Bolsonaro e não está feliz, mesmo.
O Mercado precisa de um psiquiatra.
É possível gerar lucro sem matar gente. O Mercado não entende isso.
Fachada da psicopatia do ultraneoliberalismo, o Mercado que só gera fome, desemprego, pobreza, discórdia, é nazismo.
Mande esse Mercado mostrar a cara e verás um canalha.