Estudantes sofrem ataque de manifestantes bolsonaristas em passarela da avenida Almirante Barroso

Um homem, identificado como Alan Patrick de Farias, comandou uma grupo de ataque bolsonarista de intimidação e agressão a jovens estudantes do Colégio Pedro Amazonas Pedroso, localizado na avenida Almirante Barroso. da Polícia. O nome dele foi encaminhado às forças de segurança pública para as medidas cabíveis. De boné militar, camiseta branca e calças de camuflagem, ele era apoiado por vários outros manifestantes, todos vestidos de verde e amarelo.

Aos gritos, com truculência e muita agressividade, Alan expulsou os estudantes que tentavam atravessar a passarela. Crime de impedimento do direito de ir e vir. Ameaçou com agressão, empurrou os meninos e disparou palavrões dizendo que ninguém passaria por ali. Um trabalho de investigação desenvolvido pelas forças policiais permitiram rapidamente levantar dados (foto acima) e folha corrida do principal agressor à frente da horda de manifestantes.

Estudante quer avacalhar o nosso movimento”, Alan berra na passarela. Em seguida, se abaixa como fosse pegar algo no calcanhar e depois o vídeo é encerrado. Alan Patrick de Farias respondeu a um processo judicial de número 0806585-97.2021.8.14.0401, oriundo de inquérito policial instaurado na Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Mulher – Deam em Belém.

O fato é que a mobilização golpista, iniciada logo depois da eleição de domingo passado, quando Lula foi eleito o novo presidente da República, vem se modificando quanto a estratégias de manifestação. Começou com a tentativa de bloqueio da avenida Almirante Barroso, em frente ao quartel do II BIS (Exército).

Com grande estrutura de apoio – logística, alimentação e estrutura de barracas -, fica óbvio que os atos são bancados por empresários, igrejas evangélicas e instituições de direita (Fiepa, Faepa, Centro da Indústria e entidades do setor lojista). Nos últimos dias, os atos têm sido acrescidos de festas ruidosas, que incomodam a vizinhança e o próprio quartel do Exército.

Vídeo mostra a agressão a estudantes na passarela da Almirante Barroso

PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO

A deputada federal Vivi Reis (PSOL-PA) encaminhou ofícios aos Ministérios Públicos Estadual e Federal pedindo a investigação e responsabilização dos golpistas envolvidos em agressões a estudantes e pedestres que vêm ocorrendo na Avenida Almirante Barroso, onde estão concentrados os atos anti-democráticos em Belém.

Na segunda- feira, 7, começaram a circular vídeos nas redes mostrando a ação covarde de bolsonaristas contra estudantes e trabalhadores que circulam na região. “As imagens mostram comportamentos inaceitáveis. É ainda mais recontante porque, às vésperas do Enem, os estudantes do Pedroso não estão conseguindo ter aulas. É uma absurdo toda a violência psicológica a que esses jovens estão sendo submetidos”, afirma Vivi Reis.

A deputada destaca que a ocupação de calçadas e ciclovias na Almirante Barroso expõe os pedestres e ciclistas, em especial idosos e pessoas com deficiência, que são obrigados a transitar entre os carros, correndo o risco de atropelamentos. “Chama a atenção ainda a presença de crianças até altas horas da noite no local, convivendo com consumo de álcool e músicas em altos decibéis, que também prejudicam todas as noites os moradores do Souza em Belém”, aponta o texto do ofício encaminhado ao MPF.

No documento encaminhado ao Ministério Público, Vivi Reis lembra que os agentes das forças policiais têm acompanhado toda a situação sem tomar qualquer atitude no sentido de coibir os bloqueios ou de tomar as devidas providências em relação às violações a direitos fundamentais, às instituições democráticas e à ordem social e pede que tanto o Ministério Público Federal quanto o Estadual investiguem também a possibilidade de financiamento oculto do grupo golpista.

3 comentários em “Estudantes sofrem ataque de manifestantes bolsonaristas em passarela da avenida Almirante Barroso

  1. Vamos combinar. A Avenida Almirante Barroso não é rodovia federal e, portanto, a desobstrução da via e dos seus canteiros e calçadas não é de responsabilidade da PRF. Para acabar com essa pantomima de bolsonaristas, está faltando uma ação enérgica da PM, com a utilização de jatos d’água e, se necessário, do uso de armas não letais que utilizem balas de borracha, por exemplo. Não está ocorrendo apenas truculência de manifestantes e impedimento por eles do direito de ir e vir da população, que são crimes. Está havendo também os crimes de atentado ao estado de direito, da democracia, quando essa horda de arruaceiros empunham faixas pedindo intervenção militar. Ajam rapidamente e com rigor prefeito e governador. Já passou da hora.

  2. Complementando a mensagem acima, é preciso identificar e punir os cabeças desse movimento criminoso. E esse trabalho é feito pelas polícias, no caso da Almirante Barroso, pela PM e pela PC do Pará.

  3. Basta! Tá na hora de o Governo do Estado tomar providências ou as próprias Forças Armadas. Estes fanáticos que se dizem nacionalistas não passsam de vagabundos, anarquistas e desocupados atrapalhando o trânsito e tirando o direito de ir e vir dos estudantes e das pessoas que precisam passar no local. Criminalização e punição aos patrocinadores e aos agressores dos cidadão de bem. Aplicar a lei e manter a paz e a harmonia em nossa cidade. Em 2018 ningém fez nenhum protesto quando o candidato deles foi eleito.

Deixe uma resposta