Derrota imposta à maquina fascista torna vitória de Lula um acontecimento épico

Por Jeferson Miola, no Brasil247

Bolsonaro não aceitaria a vitória eleitoral do Lula em nenhuma hipótese; ele é, como sempre foi, uma pessoa incompatível com a democracia e com a civilização. Além disso, a deslegitimação do resultado eleitoral é uma estratégia da extrema-direita para a mobilização e engajamento permanente da matilha fascista “contra o sistema”.

O despeito do Bolsonaro com o fracasso é ainda maior porque ele não acredita que não tenha conseguido se reeleger mesmo tendo montado a mais poderosa e corrupta máquina de guerra contra a democracia. Uma estrutura ilegal e criminosa nunca antes vista.

Bolsonaro só foi eleito em 2018 porque Lula foi ilegalmente impedido de concorrer. Naquela eleição, a triangulação envolvendo o Alto Comando do Exército, a gangue da Lava Jato e setores do judiciário entregou de mão beijada a condição ideal para ele ser eleito.

Para a eleição deste ano, contudo, depois da desmoralização da monstruosa farsa da Lava Jato, ficou impossível interditar Lula eleitoralmente por meio de qualquer artifício do estilo.

Bolsonaro e os militares ficaram, então, com duas opções para tentarem continuar o projeto de poder autoritário, reacionário e ultraliberal: ou providenciavam a eliminação física do Lula, o que seria um tiro pela culatra; ou montavam a máquina do crime que efetivamente montaram.

Ainda estamos longe de apreender e contabilizar a dimensão plena do que foi feito pela campanha fascista nos grotões de todo país. O saldo líquido da montanha de dinheiro usado neste esquema criminoso e corrupto, segundo as informações preliminares, indicam um rombo de R$ 400 bilhões nas finanças do país.

A reportagem do jornalista Caco Barcellos, da TV Globo, é uma amostra representativa do método de cabresto e de compra de votos que o governo militar empregou em mais de cinco mil municípios. Este esquema envolveu bilhões em benefícios sociais direcionados de modo clientelístico.

A CODEVASF [Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba] foi um entreposto na região nordeste do esquema bilionário e corrupto do orçamento secreto.

Reportagem do jornal Folha de São Paulo apurou que a Companhia chegou a liberar verbas para corrupção eleitoral e clientelismo a um ritmo alucinante de R$ 100 mil por hora – sim, R$ 100 mil por hora! – em redutos controlados por políticos e militantes da extrema-direita.

Patrões inescrupulosos da escória empresarial [industrial, comercial, do setor de serviços, financeiro e agropecuário], além de financiarem a campanha do Bolsonaro com mais de R$ 100 milhões, coagiram e ameaçavam de demissão trabalhadores caso não votassem no candidato fascista.

Charlatães religiosos se jogaram na guerra religiosa e promoveram terrorismo informacional com imundícies e mentiras sobre Lula, o PT e a esquerda nos templos caça-níquel e nas redes sociais.

Suspeita-se que a articulação internacional da extrema-direita coordenada por Steve Bannon tenha aportado outros 40 milhões de dólares para a campanha do Bolsonaro por vias ilegais e clandestinas, insuscetíveis de controle pela justiça eleitoral.

Foi desenvolvida uma guerra cibernética devastadora e arrasadora com recursos, tecnologias, dispositivos e estratégica militar – financiada pela lúmpem-burguesia e com dinheiro público e comandada desde o Palácio do Planalto, ministérios e órgãos militares, de inteligência e espionagem do governo.

Apesar disso tudo e do poder avassalador desta máquina fascista de guerra contra a democracia, Lula venceu. Só ele, e nenhum outro político brasileiro conseguiria derrotar o fascismo, menos ainda neste contexto de roubo, fraude, manipulação e corrupção eleitoral da extrema-direita.

Lula era a única e, ao mesmo tempo, a última trincheira de resistência da democracia para deter o avanço fascista-militar. Só Lula conseguiria catalisar a gigantesca mobilização do povo brasileiro que lhe permitiu protagonizar esta conquista histórica e decisiva para o Brasil e para todo o planeta.

A vitória do Lula é superlativa e, também, marcada por recordes. Com 60.345.999 votos, ele gravou a maior votação já obtida por um candidato. E Lula é também o primeiro presidente da história republicana a ser eleito democraticamente três vezes para governar o país.

A derrota imposta à máquina de guerra fascista torna a vitória do Lula um acontecimento épico. O mundo inteiro, e não só o Brasil, respira aliviado com esta vitória memorável do Lula. Afinal, ele quebrou um dos principais elos da engrenagem da extrema-direita internacional.

No próximo período, Lula será fundamental para a desfascistização do Brasil e terá uma contribuição fundamental no combate internacional ao fascismo. Seu governo poderá avançar nesta direção por meio de uma diplomacia antifascista e construtora de um mundo plural, democrático, de respeito humano e de preservação das conquistas civilizatórias da humanidade.

Um comentário em “Derrota imposta à maquina fascista torna vitória de Lula um acontecimento épico

  1. O problema ainda é que os movimentos Bolsonariatas continuam ativos, alguém continua alimentando e mobilizando através das redes sociais, os que não aceitam o resultado das eleições, parece que a ordem vindo desses grupos que estão manipulando e fazendo dos eleitores do Bozo massa de manobras, é de que eles se mantenham mobilizados tentando a todo custo provocar, tumultos e precionar o governo eleito, tentando provocar o caos, estão instruídos a não acreditarem nos canais de tvs e seus noticiários, apenas nas notícias falsas que os canais ditos por esses grupos serem o que mostram a verdade, acho que a PF o TSE e STF, precisam desmobilizar e atuar impedidndo esses canais de mídias na internet, de continuar a divulgação de fake news e atentar contra o Estado de Direito.

Deixe uma resposta