O coletivo como trunfo

POR GERSON NOGUEIRA

Palmeiras campeão brasileiro de 2022. Zero surpresa – há semanas esperava-se esse desfecho. A rigor, ninguém tem nada a questionar sobre a conquista. Campanha impecável, vitórias sobre praticamente todos os demais concorrentes e uma segurança inabalável para conduzir a trajetória sempre em alta, mesmo depois de contratempos em competições paralelas.

Com um técnico acima da média, a dar as diretrizes certas a um elenco de qualidade, embora não excepcional – o do Flamengo, numa comparação direta, é muito superior tecnicamente, o Palmeiras tem sido dominante na maioria dos campeonatos que disputa.

Impressiona a forma quase mecânica como o Palmeiras massacra seus oponentes, a partir de jogadas sempre rápidas no ataque. Roni e Dudu são os homens da definição, mas há muito tempo que o time de Abel Ferreira pode lançar mão de outros definidores. Scarpa e o próprio zagueiro Gustavo Gómez cumprem esse papel muitas vezes.

Mais ainda: é um time que esticou a um nível obsessivo a exploração do jogo aéreo, fazendo dessa jogada básica um trunfo importantíssimo. Cerca de um terço dos gols da equipe nascem de bolas cruzadas na área inimiga. Os homens de ataque jogam bem abertos, à moda antiga, fechando em direção à área quando têm total segurança para a estocada final.

Pode parecer um jogo repetitivo e chato (muitas vezes é), mas ninguém pode lhe negar eficácia. Abel Ferreira conseguiu fazer desse modelo e das ações coletivas as suas principais armas de combate. E ainda ganhou um toque extra de qualidade com a entrada em cena do jovem Endrick.

Com esse formato bem definido, é provável que não encontre tão cedo adversários nos campeonatos nacionais. Flamengo, Atlético-MG, Atlético-PR e Internacional são os mais diretos oponentes, mas, com exceção do rubro-negro carioca, os demais não constituem barreira intransponível para o Palmeiras de Abel. Vai triunfar ainda por muito tempo.

Um destaque inesperado no Papão da Copa Verde

Depois da inesperada eliminação da Tuna, anteontem, o PSC se torna o único representante do Pará na Copa Verde e tem já na terça-feira (8) a primeira missão a cumprir na disputa das semifinais. Vai encarar o surpreendente São Raimundo amazonense, jogando inicialmente na capital baré. O segundo jogo será no sábado, 12, na Curuzu.

É um cruzamento que mantém o favoritismo do PSC, mas que precisa ser bem ponderado pela comissão técnica alviceleste, levando em conta o nível do adversário, teoricamente superior a Humaitá e Tocantinópolis, a quem o PSC superou com relativa facilidade nas fases anteriores.

O São Raimundo é um ‘catadão’ de jogadores regionais, muitos dos quais com história no futebol paraense – o atacante Quadrado, por exemplo. Não tem um elenco homogêneo e nem o entrosamento do PSC, que vem da disputa do Brasileiro da Série C.

Há também um outro ponto a favorecer o time paraense nas semifinais: a experiência dentro da competição. Como vencedor de duas edições e finalista em outras duas, o PSC sabe exatamente como se comportar na Copa Verde e faz disso uma alavanca para sustentar o sonho do tri.

Nos dois primeiros confrontos deste ano, o PSC não tomou conhecimento do Humaitá e passou com tranquilidade pelo Tocantinópolis. Um jogador se destacou nessas partidas. João Vieira, meia de origem e volante titular, mostra-se mais presente nas ações ofensivas e acabou fazendo um gol importante na partida de terça-feira contra o Tocantinópolis.

Vive um momento inteiramente diferente de José Aldo, que tem sofrido algumas críticas pela baixa movimentação. Como é sempre um jogador de grande dinamismo, o torcedor estranha quando fica abaixo da média. Não tem sido protagonista, mas é uma peça fundamental para que o PSC alcance seus objetivos na Copa Verde.

Todo dia é dia de homenagear o Nordeste

A data nacional em homenagem ao povo nordestino já passou – é celebrada a 28 de outubro. Mas não passou a hora de registrar um preito de gratidão ao povo mais guerreiro do país, que através dos séculos tem se manifestado sempre de forma independente e altiva.

Ao Nordeste – assim como aos irmãos paraenses e mineiros também importantes e decisivos na atual situação brasileira – devemos a reabertura das portas da esperança. Não é pouca coisa.

Rebeca conquista o mundo e é aplaudida por Lula

A ginasta Rebeca Andrade conquistou ontem a medalha do ouro da categoria individual geral do Campeonato Mundial de Ginástica Artística de Liverpool, na Inglaterra. Após a façanha, ela foi parabenizada pelo presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula escreveu “Parabéns! Orgulho do Brasil”, dirigindo-se a Rebeca através de suas redes sociais. A ginasta dominou o mundial, confirmando o favoritismo na apresentação final impecável, sem queda. Na Olimpíada de Tóquio, realizada em 2021, ela havia sido prata.

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 04)

Deixe uma resposta