O mudo Nero Bolsonaro ateia fogo à sua Roma

Por Rudolfo Lago, no Congresso em Foco

Ninguém busque atribuir dotes artísticos à versão tupiniquim do imperador romano. Diz a lenda que Nero, enlouquecido, ateou fogo a Roma para, com sua lira, compor, a partir do fogo, uma ode comparável à de Homero, que narrou em seus versos o incêndio de Troia, na Grécia.

Nosso Nero, o presidente Jair Bolsonaro, mal sabe tocar campainha. Sua ode, portanto, é muda, de um silêncio ensurdecedor. Bolsonaro, porém, sabe tocar fogo. E é isso o que faz com seu silêncio ensurdecedor.

Enquanto Bolsonaro não faz o que a cartilha recomenda a qualquer democrata – reconhecer sua derrota -, ele autoriza sua trupe enlouquecida a riscar fósforos pelo país, com as estradas bloqueadas por caminhoneiros e os bolsonaristas repetindo o mantra amalucado do golpe militar que suavizam chamando de “intervenção”.

Como há malucos de plantão do outro lado da cerca, parte do Movimento Sem Terra  (MST) arrisca dar uma de paladinos para tirar na mão os caminhoneiros que bloqueiam as estradas. Irresponsabilidade respondida com irresponsabilidade. Gasolina para tentar apagar a fogueira acesa por Bolsonaro. Tudo o que ele deseja.

Felizmente, a essa altura, não há qualquer apoio institucional para nenhuma dessas maluquices. As Forças Armadas não deram qualquer guarida a essa ideia estapafúrdia de “intervenção”. A única força armada que hoje falha em seu papel é a Polícia Rodoviária Federal, que demora em tomar providências para liberar as estradas. Mas, diante da ordem do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já começou a agir.

À revelia do silêncio de Bolsonaro, o mundo político à sua volta trabalha para seguir no caminho da normalidade. Para além das Zambellis ensandecidas, o Centrão já avisou a Bolsonaro que não tem disposição para embarcar na aventura golpista. E, pelo contrário, já sinalizou a ele que há um caminho institucional que ele pode seguir caso queira, e que faz todo o sentido.

Nas conversas que aconteceram na segunda-feira (31), representantes do Centrão, incluindo o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, procuraram convencer Bolsonaro de que ele sai das eleições maior do que entrou, caso ele queira. A primeira constatação óbvia vem do fato de que, mesmo derrotado, Bolsonaro teve agora 400 mil votos a mais do que obtivera em 2018, quando foi eleito presidente. Mas o raciocínio do Centrão é que, além dos 58 milhões de voto que Bolsonaro teve agora, há mais de 30 milhões de brasileiros que não votaram nem nele nem em Luiz Inácio Lula da Silva, do PT. Essas pessoas fazem parte também da oposição ao governo eleito. Fazem parte, portanto, da massa da sociedade que Bolsonaro pode liderar. Porque não há ninguém nem próximo de ter a maior parte dessa massa.

Caso queira, e é isso o que o Centrão tenta convencer Bolsonaro, ele pode ser o líder de metade do país, cacifando-se para 2026.

Mas ele também pode ficar com o seu hospício e tentar tocar fogo em Roma. Não deu certo com Nero. Provavelmente, também não dará certo com ele. Até porque agora nem há quem saiba tocar lira para ele dançar.

———————————

RUDOLFO LAGO Diretor do Congresso em Foco Análise. Formado pela UnB, passou pelas principais redações do país. Responsável por furos como o dos anões do orçamento e o que levou à cassação de Luiz Estevão. Ganhador do Prêmio Esso.

Estreia em ritmo de treino

POR GERSON NOGUEIRA

O PSC não precisou jogar tudo que podia para superar o Humaitá (AC) com total tranquilidade. Fez 3 a 0, poderia ter feito pelo menos mais dois ou três gols e quase não sofreu sustos, a não ser a bola na trave logo no início da segunda etapa. Uma vitória com direito a golaço de Marlon, fechando o placar em grande estilo.  

Foi uma estreia inteiramente dentro das perspectivas. Ninguém imaginava qualquer surpresa na Curuzu, no sábado à noite. A pequena torcida presente sabia que o Papão era favorito absoluto, não só pelo histórico recente, mas pela própria qualidade de seu elenco.

O PSC começou em ritmo ágil e buscando explorar as fragilidades defensivas do adversário. Marlon, Robinho e Danrlei, principalmente este, incomodavam muito o sistema de marcação do Humaitá, criando situações de perigo. E foi através do centroavante que o placar foi inaugurado.

Logo aos 23 minutos, Danrlei aproveitou bem um erro do goleiro Tião na reposição da bola e avançou em direção à área. Aplicou uma finta no zagueiro, que desabou no chão, e bateu na saída do goleiro. Um gol bonito e revelador da boa forma do atacante, que teve sua participação na Série C bastante prejudicada por questões físicas.

O PSC foi absoluto a partir daí e isso se traduz na presença ofensiva massacrante. No total, os atacantes bicolores finalizaram 14 vezes em direção ao gol.

A toada continuou igual no segundo tempo. O Humaitá não encontrava saídas e nem articulava jogadas, limitando-se a rechaçar as investidas bicolores. Na única escapada ao ataque, um lance assustou a defensiva do Papão.

Aos 4 minutos, o atacante Ancelmo recebeu um bom lançamento e teve liberdade para finalizar. Acertou um disparo forte no travessão. Seria o empate acreano, de maneira absolutamente injusta para o que os times apresentavam em campo.

A justiça se estabeleceria através de Marlon, logo aos 8’. O segundo gol do PSC reabilitou o atacante, que estava sem marcar desde a fase de classificação da Série C. Marlon mandou a bola para as redes após brilhante jogada de José Aldo, que fintou dois marcadores e deu uma assistência açucarada para o atacante finalizar.

Para coroar a atuação, Marlon ainda encontrou espaço para marcar o terceiro gol do Papão. Aos 14’, ele se aproximou pelo lado esquerdo do ataque, aprumou o chute e bateu de curva. A bola entrou no ângulo esquerdo da trave de Tião. Um golaço.

A torcida ainda teve tempo de ver as estreias de Tiago Ennes na lateral direita e de Mateus Batista no ataque. Tiago entrou no 1º tempo e não comprometeu. Precisa de entrosamento com os companheiros. Batista teve menos tempo, mas fez um gol (anulado) e deixou boa impressão.

Apesar do ritmo mais cadenciado na metade do 2º tempo, com desperdício de chances, o PSC não teve problemas para controlar a partida até o fim. O resultado categórico confirma a equipe como uma das cotadas para disputar o título da Copa Verde. Na próxima fase, o time receberá o Tocantinópolis em Belém.

Águia Guerreira supera Rio Branco e avança na Copa

Cercada de expectativas, a estreia da Tuna foi satisfatória na Copa Verde. O time sofreu alguns sustos diante do Rio Branco, na sexta-feira à noite, na capital acreana, mas acabou se classificando para a próxima fase da Copa Verde após levar a melhor na cobrança de penalidades.

Nos 90 minutos, muito equilíbrio e predomínio da marcação sobre a inspiração. A Águia Guerreira abriu o placar aos 44 minutos do 1º tempo, após MM, de 17 anos, apanhar rebote do goleiro Ramon. Três minutos depois, Bebê pulou sozinho e cabeceou para empatar.

Com a partida terminando com o placar de 1 a 1, a vaga foi decidida na cobrança de penalidades. As duas equipes acertaram suas quatro primeiras cobranças. Na última da série, Bebê acertou a trave e o atacante Fabinho converteu o pênalti que classificou a Tuna.

Na próxima etapa, o adversário tunante será o São Raimundo (AM), em Belém. Pelo regulamento, como ambos não possuem posição no Ranking Nacional de Clubes (RNC), o mando de campo fica com a federação melhor posicionada no Ranking de Federações (RNF), que é a paraense.

Fla é tri e Furacão morre nos pés de um beque da roça

A partida realizada em horário terrível para os times, com sol a pino em Guayaquil (Equador), não foi particularmente bonita de ver. Muita falta, trombadas em excesso e raros lances de qualidade. O Flamengo sentiu muito a marcação dura e implacável imposta pelo Atlético.

Felipão determinou marcação individual sobre Arrascaeta, Everton Ribeiro e Pedro, principalmente. Deu certo na primeira meia hora. O Furacão teve um certo controle das ações e duas excelentes chances para marcar, mas errou feio nas finalizações.

O equilíbrio parecia indicar um jogo a ser decidido nos penais, pois o Flamengo, mesmo tecnicamente melhor, não conseguia se distribuir bem em campo. Perdeu Filipe Luís logo no início, mexendo nas ações de vaivém no lado esquerdo da zaga.

Tudo mudou quando o estabanado zagueiro Pedro Henrique cometeu duas faltas absolutamente desnecessárias e foi excluído do jogo. A primeira foi uma pernada em Gabigol à frente da área e a outra, que lhe custou o segundo cartão amarelo, foi uma sarrafada em Airton Douglas (que havia substituído a Filipe Luís).

Logo depois da saída de Pedro Henrique, o Flamengo pressionou pela direita com Everton Ribeiro e o cruzamento perfeito encontrou Gabriel Barbosa no segundo pau, livre para apenas desviar para as redes.

Com um a menos, o Atlético tentou fazer um jogo de superação no 2º tempo, mas esbarrou nas próprias limitações criativas. O Flamengo fez o tempo escoar esperando a hora de levantar a taça da Libertadores pela terceira vez. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 31)

Lula, um Mandela ninja deu nó nos adversários raivosos

O analista Gustavo Conde faz comentários bastante certeiros sobre este novo momento da vida nacional, a partir da eleição de Lula para um inédito terceiro mandato. “Será difícil… O bolsonarismo está forte… o Congresso é reacionário… As fake news continuarão…”. Há um saudável pessimismo no enquadramento do day after da vitória de Lula – e isso é uma excelente notícia, diz o comentarista do Brasil247 ainda no calor da emoção pela dramática e gigantesca vitória de Lula.

Conde defende que o pessimismo é decorrente das seguidas frustrações dos setores democráticos deste país. Acrescenta que, friamente, o cenário é profundamente positivo. A vitória foi apertada mas incontestável, o mundo já a reconheceu, os bolsonaristas enfiaram a viola no saco e os diversos setores políticos estão interessados em sobreviver (não em prosseguir com a tensão permanente).

Lula fará diferença no mundo e dará surpresas positivas aos céticos no Brasil, assegura Conde. Não podemos discordar dele. O blogueiro pensa exatamente assim.

———————————————

• Apoie o novo documentário de Joaquim de Carvalho sobre a volta de Lula e sua posse em https://catarse.me/lula3