Comitê de Segurança e Desenvolvimento do Marajó contesta declarações de Damares Alves

Texto, na íntegra, da manifestação do Comitê de Segurança e Desenvolvimento do Marajó a respeito das declarações da ex-ministra Damares Alves:

MARAJÓ É NOSSA TERRA, E PORTANTO É PATRIMÔNIO DOS MARAJOARAS

A pervertida Damares e o Governo da Mentira

O “Comitê de Segurança e Desenvolvimento do Marajó – Todos Juntos na Mesma Canoa” é uma organização fundada nos anos 1990 por marajoaras de raiz e seu principal objetivo é defender a população do Marajó contra toda e qualquer vulnerabilidade.
O Comitê teve posição marcante quando da criação no primeiro governo Lula, na elaboração do Plano de Desenvolvimento do Marajó. E em 16 de fevereiro de 2017, este Comitê realizou, na Câmara Municipal de Ponta de Pedras, o seminário “Política de Desenvolvimento e Segurança Pública do Marajó”, oportunidade em que foi aprovada a “Carta de Ponta de Pedras”. Entre várias propostas ali apresentadas, uma mereceu destaque e por isso o apoio do senador Paulo Rocha, que com a aprovação da bancada parlamentar do Pará no Congresso Nacional, disponibilizou emenda parlamentar para a construção e implantação da Base Flutuante de Segurança Pública do Marajó, que também contou com recursos de contrapartida do Governo do Pará. Ali está em funcionamento um consórcio de instituições que visam a ordem pública no território paraense. Aportada na Comunidade de Antônio Lemos, no rio Tajapuru, município de Breves, no estado do Pará.
Em respeito a todos os cidadãos marajoaras o “Comitê de Segurança e Desenvolvimento do Marajó – Todos Juntos na Mesma Canoa” vem a público contestar as informações, divulgadas em vídeo, no qual a ex-ministra da Mulher e senadora eleita Damares Alves, fez afirmações falsas envolvendo a população do Arquipélago do Marajó e seu povo.
A presente contestação busca contrapor as inverídicas narrativas de Damares Alves, pelos seguintes motivos:
1- O Arquipélago do Marajó é uma ilha 100% Paraense. Nunca fez e não faz fronteira com outro país. Seus limites territoriais confinam apenas com o Estado do Amapá. Recebe influência dos rios Amazonas, Tocantins, Pará e do Oceano Atlântico, costa norte do Brasil.
2- Contestar o fato de que o governo Bolsonaro empreendeu e está executando ações que busquem o desenvolvimento regional para eliminar as condições de miserabilidade (o menor IDH do Brasil) em que se encontram os nativos marajoaras e por conseguinte o enfrentamento ao tráfico de mulheres, a prostituição infantil, tráfico de drogas, pirataria entre outras mazelas.
3- Ressalta-se que existem sim, fatos delituosos no Marajó, tais como a prostituição infantil, fato este que ocorre no interior dos grandes comboios de balsas, que sobem e descem os rios com destino a Manaus, Macapá, Santarém, Itaituba e Belém. Assim como existe o tráfico de mulheres no Marajó, verifica-se também esse crime contra mulheres traficadas ao exterior, principalmente através do Estado do Amapá, já que os rios do Marajó são grandes corredores do transporte fluvial e marítimo de passageiros e cargas. Mas, muitas das mulheres traficadas são de outras regiões e que são apenas passageiras das embarcações que navegam nos rios da região.
4- Quanto ao tráfico de crianças de 3 e 4 anos, assim como a mutilações de seus órgãos, e por seguinte o estupro de recém-nascidos de oito meses de vida, isso é uma estupidez, uma maldade, um imaginário criminoso, um invencionismo que não merece nenhum grau de respeito.
Entendemos que isso tudo é fruto das fantasias que brotam no cérebro infértil de Damares Alves, pessoa desqualificada e contumaz nesse tipo de narrativa, como foi a sua hilária história do “Aparecimento de Jesus numa Goiabeira”; o mirabolante relato do “hotel-fazenda em que os turistas fazem sexo com animais”; que “a causa de estupro em crianças do Marajó está na falta de calcinha”; ou a outra aberração em que os “holandeses fazem massagens nos órgãos genitais de crianças”.
5- Tudo isso serve para revelar o comportamento desta senhora, que tem uma mente fértil e doentia para provocar escândalos. Ela cria esses factoides com a intenção de projetar a imagem de seu ídolo, que teria o condão de resolver esses problemas. Mas todos sabem que as ações do Governo Bolsonaro foram (e são) pífias na região. Nenhuma ação estruturante aponta para reverter o pior IDH do Brasil.
6 – O histórico dos relatos de Damares Alves está recheado de contos recheados de ingredientes extremamente pervertidos. Sua narrativa ficcional sempre envolve sexo e crianças. O que nos permite especular sobre a sanidade mental da senadora eleita por Brasília, que revela ter um desejo sexual aberrante e fora de controle.
7 – O que é triste e lamentável é tudo isso faz parte de uma engrenagem, gestada no Gabinete do Ódio que defende que os meios justificam os fins. E que por isso mesmo, faz da notícia falsa o combustível para movimentar esse governo de mentira, de enganação, de manipulação, que é o Governo Bolsonaro.

Coordenador.
João Arlindo Ribeiro

Deixe uma resposta