Uma base de respeito

POR GERSON NOGUEIRA

A vitória do Remo sobre o Real Ariquemes, na segunda-feira à noite, com tintas emocionantes no final, reforçou a imagem de forte competitividade do time sub-20, destacando alguns valores individuais. Vinícius Kanu e PP chamam atenção pela presença na área e boa capacidade de finalização.

PP é o titular, mas ficou fora dos primeiros dois jogos – contra Capital/TO e o próprio Real Ariquemes, em Ariquemes (RO). Kanu supriu bem a ausência do companheiro, marcando gols em todos os jogos do Remo na Copa do Brasil Sub-20.

Alto (1,90m), revela capricho e talento natural para o cabeceio. Foi assim que marcou o gol de empate em Ariquemes e na partida de segunda-feira no Baenão, quando o jogo ameaçava terminar empatado.

A frieza para aproveitar o cruzamento, aos 41 minutos do 2º tempo, foi decisiva para garantir a classificação azulina. Apesar de ter sido superior na maior parte do jogo, o Remo venceu por um apertado placar de 3 a 2.

Auxiliares e dirigentes que acompanham os garotos desde as divisões inferiores asseguram que Kanu e PP são atacantes com envergadura para, em breve, ajudar a reforçar o elenco profissional. PP já pertence ao grupo principal, embora não tenha tido oportunidades na Série C.

Como Kanu, ele sabe sair da área e arrisca dribles em velocidade. O lance do primeiro gol contra o Real surgiu assim. Essas características fazem com que ambos se destaquem na safra de valores azulinos criados em casa.

Além da dupla, Paulo Wilson, um dos diretores das divisões de base, aponta outros atletas que integram o amadurecido time do Sub-20. A defesa tem o goleiro Ruan (que é o terceiro goleiro do elenco de cima), os zagueiros de área Jonilson e Davi e os laterais Eli e Luisinho.

Os meio-campistas Henrique, que se lesionou no jogo de segunda, e o habilidoso canhoto Filipinho. Na frente, Ricardinho – contundido no pé por ter usado uma chuteira nova em Ariquemes –, os centroavantes PP e Kanu, vindo do Apeuense, e os atacantes Pedro Silva e Tiago Mafra, este já bastante conhecido da torcida.  

No fim de semana, o Sub-20 terá seu primeiro teste de fogo na competição, enfrentando o Internacional. Os planos são ambiciosos, como convém a um time tão jovem, mas o que o Remo busca de fato é dar mais experiência e intercâmbio aos garotos contra times mais qualificados.

Após a Copa do Brasil, o time atual vai se preparar para a Copa São Paulo, buscando repetir o êxito de outras equipes do Leão no torneio. (Foto: Samara Miranda/Ascom Remo)

Ameaça de debandada preocupa bicolores

Depois de Marcelo Toscano, que pediu para deixar o clube e dos outros seis atletas que tinham sido liberados anteriormente, o PSC confirmou ontem a saída do lateral direito Igor Carvalho. A nova baixa no elenco para a Copa Verde surpreendeu porque o jogador havia prorrogado o contrato justamente para disputar o torneio regional.

Igor alegou um problema de saúde na família como motivo para pedir desligamento. Marcelo Toscano foi na mesma direção. Não são jogadores imprescindíveis, mas tinham importância na composição do elenco.

Para o lugar de Toscano, Márcio Fernandes conta com outros atacantes – Robinho, Dioguinho e Danrlei. Para a lateral direita, a coisa fica mais complicada. Leandro Silva é a única alternativa. Igor se destacou na temporada como um grande garçom, com assistências precisas em vários momentos da Série C.

O interesse que os campeonatos estaduais das regiões Sul e Sudeste despertam nos atletas é o grande perigo que ronda o planejamento do Papão para a disputa da Copa Verde. Aperreado com as despesas mensais que se avolumam sem receita para contrapor, a diretoria não cogita contratar ninguém para repor as últimas desistências, mas isso pode mudar.

Direto do blog campeão

“O comentário sobre a dureza de realizar contratação de reforços pelos grandes do futebol do Pará é certeiro. Vem ao encontro de minha teoria que todos os envolvidos em nossa seara futebolística têm uma parcela de responsabilidade nos problemas apresentados. Reforço nessa questão a pressão da torcida por contratações e a má vontade desta com os jogadores regionais ou oriundos das divisões de base, para os quais não há perdão para eventuais erros que cometam exercendo a profissão dentro das quatro linhas. Parte da imprensa age da mesma maneira e ainda é recorrente em bajular torcidas e dirigentes, não atuando de forma crítica em relação a estes. (…) Esta dupla deveria voltar seus olhos para a formação de jogadores para suprir necessidades e também vendê-los, auferindo lucros sobre cada transação. Mas o que observamos mesmo, em todo início de temporada, é o mais do mesmo; primeiramente a contratação de um mascate, com o nome pomposo de executivo, encarregado de trazer uma barca de jogadores. Essa prática danosa está enterrando o nosso outrora competitivo futebol do Pará”. Miguel Silva

Coluna errou: Mesquita participou de confraternização

O “Azougue” Mesquita foi um dos organizadores do encontro de ex-jogadores remistas, realizado às vésperas do Círio. A coluna de anteontem, erroneamente, pisou na bola e omitiu sua participação na confraternização dos boleiros do Leão campeão dos anos 70/80.

Ao lado de Aderson, Mego e Dico, o anfitrião da reunião, Mesquita foi uma das figuras mais festejadas e teve seus gols mostrados no vídeo comemorativo daquele Remo considerado um dos melhores da história.

O reparo, providencial, foi feito à coluna pelo amigo Ronaldo Passarinho, um dos homenageados no festivo regabofe leonino.  

(Coluna publicada na edição do Bola desta quarta-feira, 12)

Brava gente nordestina

Por Lira Neto (*)

O Nordeste disse não à política da morte, ao orçamento secreto, ao sigilo de 100 anos sobre malfeitorias. O Nordeste disse não à insensibilidade, à falta de caráter e ao cinismo. O Nordeste disse não à matança de indígenas, ao conluio da bíblia, do boi e da bala. O Nordeste disse não ao ódio de classe, à rachadinha e aos rachadões.

O Nordeste disse não à irresponsabilidade ambiental, ao desmonte de políticas públicas em saúde e educação, à volta do Brasil ao mapa da fome. O Nordeste disse não ao negacionismo, à mentira descarada, ao racismo e ao flagrante despreparo.

O Nordeste disse não à violência no campo, à homofobia, ao sucateamento das universidades federais. O Nordeste disse não aos saudosos da ditadura, aos milicianos, aos adoradores de rifles e fuzis.

O Nordeste disse não à misoginia, à desvalorização do salário mínimo, à perda dos direitos trabalhistas. O Nordeste disse não aos ataques à cultura, ao retrocesso civilizatório, aos cortes na farmácia popular.

O Nordeste disse não à carestia, à agressão contra mulheres, à brutalidade com os vulneráveis, à reforma da Previdência. O Nordeste disse não à falta de compromisso com os direitos humanos, ao relaxamento da cobertura vacinal.

O Nordeste disse não ao desmatamento da floresta, às fake news, à interferência desavergonhada nos órgãos de fiscalização e controle. O Nordeste disse não ao extermínio de jovens pobres e pretos, à subserviência da Procuradoria Geral da República, à apologia da tortura.

O Nordeste disse não aos ataques à imprensa livre, ao garimpo ilegal, à liberação geral dos agrotóxicos. O Nordeste disse não à retórica golpista, às teorias conspiratórias, ao fisiologismo escancarado.

O Nordeste disse não à incompetência, à grosseria, à burrice orgulhosa de si mesma, ao cristianismo da boca pra fora. O Nordeste disse não à falta de vergonha na cara, à compra de mansões com dinheiro vivo.

O Nordeste disse não aos estereótipos e preconceitos. O Nordeste disse não à destruição do país. O Nordeste disse não ao falso messias. Brava gente nordestina.

(*) Escritor cearense

Arcebispo de Aparecida afirma que “precisamos vencer o dragão do ódio e da mentira”

O arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, incentivou os brasileiros a votarem e afirmou que o país precisa vencer muitos “dragões”, em alusão a problemas como fome e desemprego, durante missa do Dia da Padroeira no Santuário Nacional de Aparecida.

As declarações foram feitas na manhã desta quarta-feira (12), durante sermão da principal celebração do feriado em homenagem à santa da igreja católica — relembre aqui o que disse o arcebispo nas missas do Dia da Padroeira em 2021, 2020, 2019 e 2018. Segundo o arcebispo, um dos “dragões”, a pandemia de Covid-19, já foi vencido.

“Maria venceu o dragão. Temos muitos dragões que ela vai vencer. O dragão que é o tentador, o dragão que já foi vencido — a pandemia — , mas temos o dragão do ódio, que faz tanto mal. E o dragão da mentira. […] E o dragão do desemprego, o dragão da fome. O dragão da incredulidade.”

Sobre o voto, o religioso afirmou: “Cidadania que vamos vivendo também votando. É necessário exercer esse direito e poder do povo.” D. Orlando Brandes também disse que está “faltando pão” e que isto é o que o Brasil precisa hoje, juntamente com paz e fraternidade.

“Escutar Deus, mas escutar também o clamor do povo. Porque ela escutou muito bem no Evangelho. Eles não têm mais vinho. No nosso caso, faltando pão, faltando paz, faltando fraternidade. Esses são os vinhos que todos nós precisamos nos dias de hoje.”

D. Orlando Brandes

A missa solene da manhã, a principal das celebrações de 12 de outubro no Santuário, teve a presença de Marcos Pontes, senador eleito por São Paulo, e de Carlos França, ministro das Relações Exteriores. Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta, respondendo a uma pergunta sobre uso político de visita de Bolsonaro à basílica, o arcebispo disse que é preciso ter um identidade religiosa.

“Bom, eu não posso julgar as pessoas. Mas nós precisamos ter uma identidade religiosa. Ou somos evangélicos ou somos católicos. Nós precisamos ser fiéis a nossa identidade católica. Mas seja qual for a intenção, será bem recebido porque é o nosso presidente. E é por isso que nós o acolhemos.”

Um dia antes, nesta terça-feira (11), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota lamentando o que chamou de “intensificação da exploração da fé e da religião como caminho para angariar votos no segundo turno” das eleições deste ano.

O segundo turno das eleições de 2022 acontecerá em 30 de outubro. Além da disputa presidencial entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição, brasileiros de 12 Estados devem votar para governador. Segundo o Santuário Nacional, Bolsonaro deve participar de uma das missas do 12 de outubro durante a tarde (veja programação do dia aqui).

ATAQUES IMPUNES

No ano passado, o arcebispo de Aparecida e a CNBB foram duramente atacados pelo deputado bolsonarista Frederico D’Avila (PSL-SP), na Assembleia Legislativa de São Paulo. D’Ávila (vídeo acima) fez uma série de insultos e xingamentos ao arcebispo de Aparecida, à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e ao papa Francisco em discurso proferido no dia 14 de outubro de 2021.

Até hoje, um ano depois, o parlamentar não foi punido pelo Legislativo paulista pela conduta insultuosa à CNBB, a D. Orlando e à própria Igreja Católica.

(Com informações do UOL e do portal Metrópoles)