MPF apura denúncia de ataque de pistoleiros contra indígenas; empresa nega ligação com o caso

O Ministério Público Federal (MPF) anunciou que a instituição vai apurar as circunstâncias em que ocorreu o episódio divulgado nas redes sociais e na imprensa como um ataque de pistoleiros que deixou três indígenas mortos e um ferido neste sábado (24), na região do limite dos municípios de Acará e Tomé-Açu, no nordeste do Pará.

Moradores atribuem o crime a seguranças de uma empresa exploradora de dendê que está envolvida em disputas de terras na região. Uma outra testemunha afirmou que as vítimas são do movimento de indígenas, quilombolas e ribeirinhos e que os criminosos “chegaram para matar”, noticiou o site.

O ataque atingiu indígenas da Comunidade Braço Grande, da etnia Turiwara de Tomé-Açu. A emboscada aconteceu no Km 1 da estrada para o Acará, próximo a Vila Socorro. Os seguranças armados chegaram num carro vermelho com quatro pessoas fardadas e foram logo atirando em direção às pessoas.

Há suspeita de serem agentes de segurança da empresa Brasil BioFuels BBF que desenvolve duas atividades agroindustriais na Vale do Acará e no Baixo Tocantins, na região do nordeste do Pará. O IML fez a remoção de um corpo e vários feridos ainda estão sendo socorridos.

O indígena Adernilson, ferido a bala, foi transportado para o Hospital Metropolitano. Há policiais na área, mas o clima é de muita tensão e circulam rumores de que alguns militares estariam a serviço da BBF.

EMPRESA NEGA LIGAÇÃO COM O OCORRIDO

Em nota enviada ao blog, a assessoria de comunicação da empresa BBF nega ligação com o episódio e informa que acionará a Justiça contra caluniadores:

“A BBF lamenta os atos de violência noticiados e esclarece de forma veemente que não tem nenhuma ligação com o ocorrido. No veículo alvejado, segundo consta, a Polícia encontrou grande soma em dinheiro e arma de fogo. Um dos alvejados é criminoso e possui diversas rixas com gangues locais e com outras comunidades, sendo recentemente preso com munições de arma de fogo.

A empresa reforça que entrará com medidas judiciais contra Parate Tembé, que vem tentando associar de forma caluniosa o nome da BBF a esses fatos trágicos ocorridos nesta manhã, objetivando ações de terrorismo e vandalismo contra a empresa e seus funcionários.

Por fim, a BBF esclarece que não possui em sua frota veículos de cor vermelha, conforme mencionado”.

3 comentários em “MPF apura denúncia de ataque de pistoleiros contra indígenas; empresa nega ligação com o caso

  1. Estamos no século 21, aqui nos EUA são mais de 200 anos,.que não existe briga por terra. No Brasil infelizmente parece que ainda estamos no tempo de colonização, pobre povo, pobre Brasil desgovernardo e sem rumo. Triste, muito triste mesmo.

Deixe uma resposta