Dependência ou morte

Por Frei Betto

Com a exposição de um coração atribuído a D. Pedro I, importação cara e necrófila feita pelos atuais ocupantes do Planalto, o Brasil comemora 200 anos de independência de Portugal. Deixamos Portugal para cair nos braços da Inglaterra, da União Europeia e, sobretudo, dos EUA. 
As narrativas sobre o episódio “às margens do Ipiranga” são quase todas elitistas. Afonso Taunay (1876-1958), ao encomendar pinturas para o Museu Paulista, fez questão de excluir as lutas populares pela Independência e favorecer uma versão oligárquica e pacifista.
A participação dos indígenas em nossa Independência é ignorada ainda hoje. Na estátua de D. Pedro I na Praça Tiradentes, no Rio, o pedestal retrata indígenas e animais de nossas selvas. Ao ser  inaugurada, em 1862, o historiador Mello Morais chegou a indagar: “Que parte tiveram esses índios e aqueles jacarés na Independência do Brasil?” 
Quase todas as narrativas sobre nossos povos originários anterior a 1980 soam como “crônicas de mor te anunciada”, como se estivessem condenados ao extermínio ou a serem assimilados pela população em geral. Só em 1988 a Constituição assegurou a eles direito à terra e às suas tradições e culturas. Pela primeira vez, o Estado brasileiro se reconheceu multiétnico.
Criou-se o mito de que a Independência assegurou a unidade territorial do Brasil. Ora, D. Pedro I se interessava apenas por Rio de Janeiro, São Paulo e Minas. Não dava ouvidos às outras províncias. Por isso, teve que enfrentar várias revoltas regionais contra o governo imperial, como Farroupilha (1835-1845), no Rio Grande do Sul; Cabanagem (1835-1840), no Pará; e a Sabinada (1837-1838), na Bahia. Maranhão e Pará eram províncias apartadas do Brasil até 1820. O Acre pertencia ao Peru e à Bolívia, e só foi anexado ao Brasil em 1903. 
D. Pedro I chegou a contratar o lorde inglês Thomas Cochrane (1775-1860) para reprimir rebeliões populares. No Pará, o cônego Batista Campos (1782-1834), que se opunha ao trabalho escravo, sofreu tortura em praça pública, enquanto 256 aliados dele eram asfixiados no porão de um navio. É considerado o autor intelectual da Cabanagem, que teve importante participação indígena. Na versão da elite, “cabano” significa aquele que vivia em cabanas à beira dos rios. Na versão dos ribeirinhos, o termo é associado aos brancos repressores que se vangloriavam da sanha repressora: “Acabamos com tudo”. 
Se D. Pedro I tinha pouco interesse pelo resto do Brasil, por que o nosso país, então integrado por 18 províncias, não se fragmentou, como ocorreu em tantas regiões da América Latina? Entre várias hipóteses fico com a mais vergonhosa: a unidade territorial se manteve por força do projeto escravagista voltado à exploração mineral. O regime escravocrata uniu as elites provincianas e alicerçou a formação do Estado brasileiro. 
Outro fator que influiu em nossa coesão territorial foi a vinda da Corte portuguesa para o Brasil em 1808. A frase atribuída ao governador de Minas, Antônio Carlos de Andrada, em 1930 – “façamos a revolução antes que o povo a faça” -, poderia ter sido dita no período colonial. D. Pedro I, filho de D. João VI, proclamou a Independência antes que as rebeliões populares, como a Conjuração Mineira, lograssem devolver a Corte a Portugal. 
Não eram só as revoltas populares, pipocando Brasil afora e agravadas pelos quilombos, habitados por escravos libertos, que tiravam o sono do imperador. Ele sabia que os nossos vizinhos na América do Sul se independentizavam da Coroa espanhola: Bolívar comandou as independências de Colômbia (1810); Venezuela (1811); Equador (maio de 1822); e, em 1825, Bolívia. San Martin liderou as da Argentina (1816) e Peru (1821), e deu apoio à libertação do Chile (1818).
“Façamos a Independência antes que o povo a faça.” Aqui ela foi consumada “por cima”, a ponto de adotar uma bandeira que não traz o azul dos nossos céus, como aprendi na escola, e sim a cor símbolo da nobreza (“sangue azul”); o amarelo do ouro; e o verde que não retrata as nossas matas, e sim a cor da Casa Real de Bragança. Já a iconografia das bandeiras dos países hispânicos alude a movimentos de libertação e processos revolucionários.
O senso de brasilidade é tardio. Até final do século 18 os habitantes daqui se consideravam “portugueses da América” e muitos reivindicavam igualdade de direitos com os portugueses de Portugal. Isso incomodava a elite de Lisboa, que se arvorava em centro do Império. D. Pedro então foi pressionado a estabelecer uma Assembleia Legislativa no Brasil que adotasse leis próprias. Só então se popularizou a ideia de ser brasileiro.
Concordo com Caio Prado Junior e Florestan Fernandes: ao lograr a emancipação política do Brasil, a Independência criou um Estado capaz de preservar as estruturas econômicas e sociais do período colonial. 
Ainda resta muito a conquistar. E as eleições estão à porta. Votemos pela independência do povo brasileiro!
 
Frei Betto é escritor, autor de “Tom vermelho do verde” (Rocco), entre outros livros. Livraria virtual: freibetto.org

Ecos do Dia da Independência sequestrado pelo Inominável

“No discurso de Copacabana Bolsonaro prometeu ‘extirpar’ adversários. Ele não foi ameno, apenas não xingou ministros do STF. Como em Brasília, convocou vaias dos seus seguidores aos outros poderes e repetiu a ameaça “espere a reeleição para vocês verem”.

Miriam Leitão, jornalista

“No dia em que o ‘imbrochável’ transforma o bicentenário da independência numa ode à vergonha nacional, nunca é demais relembrar Simone de Beauvoir: ‘Ninguém é mais arrogante, violento, agressivo e desdenhoso contra as mulheres, que um homem inseguro de sua própria virilidade'”.

Maria Cristina Fernandes, colunista

“Bolsonaro não ganhou um voto hoje. Falou apenas para sua base de extrema-direita. O sequestro da data nacional, o crime eleitoral explícito, a ameaça de golpe e a fala machista de homem fraco só o isolam mais política e eleitoralmente. Bolsonaro perdeu de novo no 7 de Setembro.”

Kennedy Alencar, colunista

“Achei que o coração de Dom Pedro seria o destaque das comemorações. Mas o presidente preferiu exaltar o próprio pênis.”

Octavio Guedes, analista

“Colegas, o presidente celebrou hoje todos os atos de ruptura no Brasil, atos autoritários. Incentiva manifestações antidemocráticas de seus seguidores. Diz que é preciso “extirpar” seu principal adversário. Ataca poderes. Não dá para dizer que é um ‘tom mais ameno'”.

Carolina Trevisan, jornalista

“Pelo que as pesquisas mostram, a eleitora, a mulher que é chefe de família, que carrega famílias nas costas está preocupada com: comida na mesa, economia, desemprego, educação, saúde, segurança. Não vi questões de disfunção erétil citadas em nenhuma pesquisa- até aqui pelo menos.”

Andréa Sadi, jornalista

Bolsonaro se irrita com pergunta e leva invertida de jornalista na Jovem Pan

O presidente Jair Bolsonaro (PL) mencionou a vida pessoal da jornalista da Jovem Pan Amanda Klein e a acusou de ser “leviana”, ao ser questionado sobre a compra de imóveis em dinheiro vivo por ele e seus familiares. A discussão aconteceu durante entrevista ao vivo no canal da Jovem Pan, na manhã de hoje. Na pergunta, Klein citou reportagem do UOL que mostrou que Bolsonaro e familiares negociaram 107 imóveis desde 1990, dos quais ao menos 51 foram adquiridos total ou parcialmente com uso de dinheiro em espécie.

Amanda Klein: É importante enfatizar que isso acontece no contexto de investigação da prática de “rachadinha” nos gabinetes de dois dos seus filhos, o vereador Carlos e o senador Flávio Bolsonaro. O senhor também é suspeito de ter mantido funcionários fantasmas quando era deputado federal em Brasília. O seu filho Flávio negociou 20 imóveis nos últimos 16 anos, sendo que o último deles foi uma mansão de R$ 6 milhões em Brasília. Sua ex-mulher Ana Cristina Siqueira Valle mora em outra mansão, avaliada em R$ 3 milhões, em bairro nobre em Brasília, com seu filho Jair Renan, e ela é investigada por ter supostamente usado um laranja para adquirir esse imóvel. É importante esclarecer qual origem desses recursos, presidente. Jair Bolsonaro: Amanda, você é casada com uma pessoa que vota em mim. Não sei como é o teu convívio com ele na sua casa…

Amanda Klein: Minha vida particular não está em pauta aqui.

Jair Bolsonaro: E a minha [vida] particular está em pauta por quê?

Amanda Klein: Porque o senhor é uma pessoa pública, o senhor é Presidente da República.