À espera de um milagre

POR GERSON NOGUEIRA

É uma batalha decisiva para o PSC. A pífia campanha no quadrangular, duas derrotas em dois jogos, força o time de Márcio Fernandes a buscar a vitória a qualquer preço diante do Figueirense, hoje à tarde, em Florianópolis (SC). Conquistar os três pontos configuraria uma espécie de milagre a essa altura, não pelo que o time catarinense representa, mas pela inconsistência técnica da equipe paraense.

O PSC passou a semana se preparando para enfrentar um time que teve sua mesma quantidade de pontos (33) na primeira fase da Série C, mas que entrou mais focado, ligado na tomada, no quadrangular decisivo. Perdeu na estreia para o ABC, fora de casa, mas se recuperou gloriosamente na 2ª rodada aplicando uma goleada de 5 a 1 no Vitória.

A força ofensiva é justamente o que o Papão não tem mostrado a essa altura. As atuações desleixadas têm como principal consequência a redução do número de chances de gol. Antes, na boa fase, o time criava até cinco oportunidades claras ao longo dos jogos. Nas três últimas apresentações, as chances foram poucas, não passando de três na derrota para o ABC.

O dado preocupante é que antes, quando não atuava bem e construía poucos lances de área, o ataque funcionava e as vitórias aconteciam. Contra o Confiança e o Volta Redonda, lances fortuitos resultaram em gol. Não se viu mais essa eficiência em campo.

Ao mesmo tempo, jogadores fundamentais ao longo da campanha começaram a acusar uma queda acentuada de rendimento. José Aldo, encarregado da organização e da transição do meio para o ataque, tornou-se improdutivo, sem o brilho das rodadas iniciais.

Marlon, um dos goleadores da Série C, nem parece o mesmo jogador do turno passado. Não aparece junto à área ou em jogadas de infiltração, preferindo a zona inofensiva na intermediária adversária, preso à marcação e sem oferecer alternativas de jogadas.

Contra o ABC, a produção do atacante foi uma das mais fracas da temporada. Deu apenas um chute, fraco, a gol. A recuperação técnica de Marlon tem potencial para reposicionar o PSC no quadrangular. Sem ele envolvido nas ações ofensivas, o time perde muito em agressividade.

O anunciado retorno do volante Mikael fará com que o PSC tenha de volta o meio-campo titular, com mais força de marcação. Mikael foi expulso logo aos 8 minutos da partida contra o Vitória, provocando uma sobrecarga física que comprometeu os planos do time no jogo.

Sob ameaça até de dispensa, o jogador sofreu pressão da torcida e acabou multado pela diretoria. Havia dúvida quanto ao seu aproveitamento como titular, mas o técnico Márcio Fernandes deixou claro nos treinos da semana que ele será o primeiro volante contra o Figueira, atuando ao lado de João Vieira e José Aldo.

Defender com eficácia é uma das preocupações de Márcio Fernandes, daí a presença de Mikael à frente dos zagueiros, mas a cautela não pode se confundir com medo e recuo, pois o gol é a prioridade e o PSC terá que apresentar alternativas para pressionar a defensiva catarinense.

Aos que duvidam de milagres, é bom lembrar que o futebol vive cheio de exemplos de times que conseguiram ir buscar resultados que pareciam impossíveis. É com essa confiança que o Papão deve pisar no gramado do Orlando Scarpelli, disposto a superar os desafios à sua frente.

Presença de Ricardinho surpreende e gera polêmica

Marcelo Toscano, atacante polivalente, ficou em Belém, descartado por opção técnica. Ricardinho, volante/meia em recuperação de cirurgia, viajou com a delegação. A comissão técnica do PSC entendeu que a presença do veterano é importante no sentido de orientar os jogadores para o embate decisivo de hoje à tarde.

A decisão inusitada surpreendeu a torcida e gerou polêmica nas redes sociais. Afinal, não deixa de ser temerário abrir mão de um jogador que poderia ser útil em campo para prestigiar um “líder de vestiário” no grupo.

Esse papel de liderança motivacional de Ricardinho começou a ser valorizado a partir de relatos de sua importância na campanha do Botafogo, campeão da Série B 2021. Seria essa a razão de sua inclusão na lista de passageiros do Papão para a viagem a Santa Catarina.

Há controvérsias quanto a esse decantado talento para orientar companheiros de time. No Botafogo, Ricardinho passou mais tempo afastado do elenco e dos treinos, devido às seguidas lesões. Raras vezes entrou em campo durante o campeonato e não se tem notícia de que tenha viajado com a delegação quando estava contundido.

Como o futebol sempre se adapta às circunstâncias, a opção de Márcio Fernandes será aplaudida por muita gente em caso de uma retumbante vitória. Todos irão se juntar em louvação à ideia genial do comandante. Obviamente, a reação será inteiramente oposta (e implacável) se o resultado for desfavorável.

A conferir.

Barão de Arapixuna lança brasão do 80º aniversário

O Barão do Norte Atlético Clube, da vila de Arapixuna, em Santarém, está lançando seu brasão oficial em comemoração ao 80º aniversário de fundação, que será comemorado no dia 27 de setembro. O ato de apresentação do brasão aconteceu nesta semana, na presença de desportistas, associados e torcedores da tradicional agremiação.

O símbolo foi pensado para retratar a força e a história do alvinegro arapixunenese, como um herói que sobrevive ao tempo. A peça foi concebida para destacar o papel do Barão do Norte como um dos mais antigos clubes do interior santareno e de todo o Pará.

A frase “Salve o teu presente e a tua história”, escrita no Brasão, foi pinçada da letra do hino oficial do Barão, composto por Miguel Pinto da Silva, um dos fundadores do clube.

O brasão preserva as cores oficiais da agremiação, com o fundo na cor branca em referência à paz, que é um conceito defendido pelo clube desde os primórdios e traduz a essência da alma baronista através dos tempos. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste sábado, 03)