A frase do dia

“Sou cidadã, sou cidadã paraense, sim, aprovada pela Câmara, não importa que demorou dois, três dias, um mês, um ano, mas eu fui aprovada como cidadã paraense, é um titulo que você que me deu não vai poder me tirar. Tenho muito orgulho de ser cidadã paraense, muito, faço questão de divulgar esse Estado para todos os lugares do Brasil, porque tenho orgulho do Estado que eu moro, orgulho do bairro em que eu moro.”

Gretchen, cantora

Após dispensas de jogadores, Remo se prepara para novas contratações

Nem bem oficializou o desligamento de cinco atletas – Rodrigo Pimpão, Lailson, Jorge Pazetti, Kevem e Fernandinho -, o Remo já se mobiliza para tentar repor as vagas, aproveitando a abertura da janela de transferências das Séries A e B, a partir de 18 de julho. “Em relação ao planejamento, estamos observando algumas situações que possam na abertura da janela. Teremos algumas oportunidades. Estamos acompanhando algumas posições que possam ainda nos ajudar nessa reta final de classificação”, disse o executivo Nei Pandolfo.

A diretoria ainda negocia os termos de rescisão de contrato dos jogadores dispensados. “Esses cinco, inicialmente, já não fazem mais parte. Existem ainda avaliações sendo feitas de alguns atletas. Oportunamente, se definimos também não permanecer com mais algum nome, iremos comunicar isso para a torcida”, observou o presidente Fábio Bentes, durante a entrevista coletiva de terça-feira à tarde.

Os jogadores foram afastados por recomendação da comissão técnica, liderada pelo técnico Gerson Gusmão. Problemas extracampo e baixo rendimento nos jogos estão entre os motivos da decisão. O goleiro Pazetti nem chegou a estrear pelo clube. Kevem e Lailson foram pouco aproveitados na Série C.

As dispensas ocorreram dois dias após a derrota para o Atlético-CE por 3 a 1, no último domingo, em Fortaleza. Com o revés, o Remo chegou ao quinto jogo sem vitória na Série C, complicando a briga por uma vaga na próxima fase da competição – o time está agora na 13ª posição.

O próximo jogo será domingo, 17, contra o ABC, no Baenão, valendo pela 15ª rodada da Série C do Brasileiro.

Hoje é dia do rock! Viva o rock! Todo dia é dia de rock!

O rock é um gênero musical surgido entre os negros norte-americanos entre as décadas de 1940 e 1950. Ganhou o mundo e os corações dos jovens, subdividindo-se em ramificações e estilos que sobrevivem até hoje. Não há juventude sem rock, nem rock sem espírito contestatório. Hoje, quando o mundo celebra o ritmo surgido pela voz/guitarra de Chuck Berry, temos mais uma desculpa para curtir o que o rock tem de mais maravilhoso: sua pulsação rítmica e o trovejar das guitarras.

Bolsonaro liga para a família da vítima de Foz de Iguaçu para tentar “limpar imagem”

A policial civil Pâmela Suellen Silva, viúva do petista assassinado em Foz de Iguaçu (PR), Marcelo Arruda, vê tentativa de uso político da tragédia pelo presidente. Pâmela só tomou conhecimento da visita do deputado bolsonarista Otoni de Paula a dois irmãos de seu marido no início desta noite, ao receber um vídeo da conversa que o presidente teve com eles por telefone. Ela diz que não foi convidada para a agenda e nem recebeu nenhum contato de Bolsonaro ou do governo lhe prestando solidariedade. Marcelo Arruda foi morto por um extremista apoiador de Bolsonaro.

— Acredito que Bolsonaro está preocupado com a repercussão política, porque, tanto no vídeo que fez no cercadinho como no que conversa com os irmãos do Marcelo, Bolsonaro diz que estão tentando colocar a culpa nele — afirmou Pâmela à coluna, referindo-se à declaração dada nesta terça-feira elo presidente, de que o assassino Jorge José da Rocha Guaranho, autor dos disparos contra Marcelo, também foi alvo de agressões. Bolsonaro disse que a vítima jogou uma pedra no carro de Guaranho.

Pâmela classificou a fala de Bolsonaro como “ridícula” e afirmou que o presidente tenta “distorcer o fato real”, de que Guaranho invadiu a festa com uma arma fazendo ameaças. Sobre o motivo de Otoni de Paula ter se encontrado apenas com dois irmãos de Marcelo e não ter convidado a esposa da vítima para que se manifestasse sobre o episódio, ela respondeu:

— Ele os procurou porque esses dois irmãos são apoiadores do Bolsonaro, das ideias de direita. Sempre havia essa debates entre eles, mas eles se respeitavam e cada um seguia sua vida.

Durante a conversa que teve com os dois irmãos, Bolsonaro disse que a imprensa e a esquerda têm procurado jogar a culpa do caso sobre ele.

— Possivelmente, estão preocupados só com a própria imagem — comentou Pâmela.

Ela afirmou à coluna que, se fosse convidada por Bolsonaro para um encontro, só aceitaria com a condição de dar uma coletiva de imprensa relatando os fatos que aconteceram.

— Não aceitaria ir só para fazer foto.

(Por Bela Megale/O Globo)