Ícone do site Blog do Gerson Nogueira

Mais longevo técnico da Série B, Mazola Jr. completa um ano de sucesso no Ituano

Dois títulos, um acesso e uma personalidade inconfundível com fala firme e direta. Mazola Júnior completa um ano no comando do Ituano com muitas transformações passadas em 365 dias. Esse período faz dele o único técnico há um ano no comando, contando os 20 clubes da Série B. Além do Galo de Itu, apenas quatro clubes da divisão estão com o mesmo treinador que começaram o ano: CSA, Bahia, Criciúma e Cruzeiro.

Em 6 de junho de 2021, o retorno de Mazola foi anunciado, quando o Galo de Itu era o lanterna da Série C com duas derrotas em dois jogos (sendo a última, uma goleada por 4 a 1 contra o Novorizontino). Ele substituiu Vinicius Bergantin, que estava no clube há quatro anos e era o mais longevo do país, na época, considerando as quatro primeiras divisões.

Atualmente, o Ituano enfrenta o primeiro momento de dificuldade, desde que o treinador assumiu o clube. Pela primeira vez, a equipe chegou a uma série de cinco jogos sem ganhar. Antes da atual sequência, o time havia ficado, no máximo, três jogos sem vitória.

A Série C do Brasileiro do ano passado, que começou sem público nos estádios por conta da pandemia, terminou com 6.173 torcedores assistindo o Ituano ser campeão com uma campanha impecável. 70% de aproveitamento e uma competição sem sustos. A tranquilidade predominou nos três momentos chave: a classificação na primeira fase, o acesso no quadrangular e o título com uma vitória por 3 a 0 contra o Tombense. A taça, inclusive, foi a primeira a ser levantada no Novelli em mais de 30 anos. O time de Itu conquistou vários títulos no período, mas todos haviam sido em outras cidades.

“Muito importante essa data. É muito difícil um treinador ficar mais de um ano em um clube no Brasil. No Ituano, nem tanto, pois é uma característica do clube. Para mim, é um motivo de gratidão e de satisfação. Nunca vou esquecer que o Ituano deu a oportunidade de me relançar na carreira em um momento que eu vinha de uma sequência ruim de trabalhos. O Ituano apostou em mim e é uma parceria que está funcionando muito bem. Espero dar sequência nesse trabalho por mais anos ainda”.

O Paulistão de 2022 manteve o padrão de bons resultados do clube que só foi parado pelo Palmeiras, nas quartas de final. Na disputa do Troféu do Interior, mais uma taça para a coleção do Galo e do Mazola. De novo, uma vitória por 3 a 0 na final, desta vez contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto.

Na Série B deste ano, o começo foi alucinante com o Ituano alcançando a vice-liderança nas primeiras rodadas, com vitórias sobre Bahia e Vila Nova. Empates com boas atuações contra Chapecoense e Grêmio ainda mantinham o Ituano na parte de cima da tabela. É aí que entra a sequência atual de cinco jogos sem vencer, com três derrotas e dois empates. As duas últimas derrotas foram de virada, sendo uma delas quando o time vencia o Operário por 2 a 0 até os 35 minutos do segundo tempo.

A história de Ituano e Mazola Júnior, aliás, não se resume ao último ano. O Galo foi o primeiro clube da carreira do treinador em 2009. A passagem durou menos de 9 meses e foi encerrada no ano seguinte. Depois, Mazola passou por diversos clubes do país como Sport, Vitória, Bragantino, Vila Nova, Criciúma, Ponte Preta, Paysandu e CRB.

Números da segunda passagem de Mazola pelo Ituano*:

* Até 06/06/2022

Longevidade dos técnicos brasileiros das duas primeiras divisões:

Série A

Somente três clubes tem técnicos há mais tempo que Mazola: Fortaleza, com Juan Pablo Vojvoda desde maio de 2021, além dos paulistas Palmeiras e Bragantino, com Abel Ferreira e Maurício Barbieri desde 2020 nos clubes.

https://f66af86eac692df51cb761baa5aa3a42.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Série B

Técnicos desde 2021: Mazola Jr (desde junho no Ituano), Mozart (desde agosto no CSA), Guto Ferreira (desde outubro no Bahia) e Claudio Tencati (desde outubro no Criciúma).

Clubes com técnicos que assumiram em 2022: desde janeiro (Cruzeiro), desde fevereiro (Novorizontino, Grêmio e Ponte Preta), desde março (Londrina, Sport, Operário e Sampaio Correa), desde abril (Chapecoense e Náutico), desde maio (Tombense, CRB, Brusque, Vila Nova e Guarani). O Vasco está sem técnico.

(Transcrito do GE)

Sair da versão mobile