“Hoje, 19 de abril, por favor não comemore o Dia do Índio”

A modificação etimológica já foi feita pelo Senado Federal em 2021 à pedido da Deputada Federal Joenia Wapichana, para “Dia dos povos indígenas do Brasil”, uma luta de nossos parentes que por muitas décadas criticava a alcunha de serem nomeados geneticamente de “índios”. Apelido dado por Américo Vespucio quando achou estar nas Índias.
Pense nos povos indígenas, na diversidade das nações originárias dessa Terra Pindorama chamada Brasil. Chame indígenas aldeados ou não aldeados para falarem de suas lutas atuais, de suas reivindicações sociais, políticas, de saúde e educação. Traga professores indígenas, ou pesquisadores sérios que tratam de documentos históricos resgatados do apagamento e silenciamentos seculares, mas não faça isso apenas nesta data. Busque tornar isso uma prática constante desse descobrimento pluricultural ainda imerso num analfabetismo.
Ser indígena não é folclore, não é um mito genérico perdido na mata. São etnias, idiomas, múltiplas culturas e diferentes modos de ser, de sentir, de hábitos e costumes, artísticos e sagrados, que devem ser respeitados e reconhecidos como patrimônios próprios de cada povo.
Por isso, o olhar para os povos indígenas deve ser ampliado e reflexivo, para evitar a manutenção dos estereótipos coloniais e racistas que ofendem e desvalorizam a diversidade humana, antropológica e espiritual povos que há mais de 522 anos sofrem perseguições e usurpações de seus direitos humanos e de seus corpos e territórios.
Busque também seguir as redes sociais de articulação nacional dos povos indígenas, como a @apiboficial, a @apoinme_brasil, a @coiabamazonia, a @anmigaorg, que são entidades sérias na luta contemporânea dos indígenas do Brasil.

Aûîébeté 🙌🏾
Gratidão pela escuta e atenção.
Por @evapotiguara

Copa do Brasil: Leão tenta manter tabu diante do Cruzeiro

Remo e Cruzeiro se enfrentam hoje, às 21h30, no estádio Baenão, pela 3ª fase da Copa do Brasil. Um dado curioso do retrospecto entre os clubes é que os mineiros não vencem o confronto há 43 anos. A última vitória cruzeirense foi na primeira fase da Copa Brasil – antigo nome do Brasileirão – de 1979. A partida, realizada em 10 de outubro daquele ano, no estádio Mineirão (em BH), o Cruzeiro venceu por 3 a 0, gols marcados por Joãozinho, Mauro Madureira e Roberto César. 

Desde então, as equipes duelaram outras sete vezes, com cinco vitórias do Remo e dois empates nesse período. Ao todo, o Cruzeiro já enfrentou o Leão 12 vezes obtendo duas vitórias, quatro empates e seis derrotas. Outro aspecto importante da rivalidade: o Cruzeiro nunca venceu jogos disputados na capital paraense. Foram cinco jogos em Belém, com três vitórias azulinas e dois empates.

Na temporada passada, pela Série B, o Remo venceu os dois jogos contra o Cruzeiro. Em Belém, com um golaço de Victor Andrade, o placar foi 1 a 0. Em BH, novo triunfo azulino, por 3 a 1.

Quem passar para as oitavas de final do torneio nacional, vai faturar R$ 3 milhões. O Remo não poderá contar com dois jogadores recentemente contratados, Rodrigo Pimpão e Netto, pois ambos já disputaram jogos da competição por outros clubes. Em compensação, o técnico Paulo Bonamigo terá o atacante Vanilson (já regularizado) à sua disposição.

O Remo, campeão paraense da temporada, disputa o Brasileiro da Série C. O clube ganhou o direito de entrar na 3ª fase da Copa do Brasil por ter conquistado a Copa Verde em 2021. Provável time azulino para hoje à noite: Vinícius; Ricardo Luz, Marlon, Daniel Felipe e Leonan; Uchoa, Paulinho Curuá e Marciel (Gedoz); Bruno Alves, Brenner e Ronald.

O Cruzeiro, maior campeão da CB, com seis taças conquistadas, superou Sergipe e Tuntum nas fases anteriores. Para a partida desta noite, não poderá contar com o artilheiro Edu, lesionado.

As partidas entre Cruzeiro e Remo ao longo dos anos:

1ª: Cruzeiro 8 x 1 Remo (Mineirão) – amistoso em 1970

2ª: Remo 2 x 2 Cruzeiro (Baenão) – Campeonato Brasileiro de 1972

3ª: Cruzeiro 0 x 0 Remo (Mineirão) – Campeonato Brasileiro de 1975 

4ª: Remo 4 x  0 Cruzeiro (Baenão) – Campeonato Brasileiro de 1977

5ª: Cruzeiro 3 x 0 Remo (Mineirão) – Campeonato Brasileiro de 1979 

6ª: Cruzeiro 0 x 0 Remo (Mineirão) – Campeonato Brasileiro de 1980 

7ª: Remo 2  x 1 Cruzeiro (Mangueirão) – Campeonato Brasileiro de 1994

8ª: Cruzeiro 0 x 1 Remo (Mineirão) – Campeonato Brasileiro de 1994

9ª: Remo 0 x 0 Cruzeiro (Mangueirão) – Campeonato Brasileiro de 1994

10ª: Cruzeiro 1 x 5 Remo (Mineirão) – Campeonato Brasileiro de 1994 

11ª: Remo 1 x 0 Cruzeiro (Baenão) – Série B de 2021

12ª: Cruzeiro 1 x 3 Remo (Independência) – Série B de 2021

(Foto: Samara Miranda/Ascom Remo)