O campeonato sabotado

POR GERSON NOGUEIRA

O presidente do TJD, Mário Celio Alves da Costa, comunicou ontem à tarde que o tribunal vai julgar na próxima segunda-feira, 14, os pedidos de revisão (apresentados por Bragantino e Águia) nos casos dos atletas Hatos e Guga. O julgamento deve, ao que tudo indica, reinstaurar a normalidade e derrubar o ato que paralisou o Campeonato Paraense.

Hatos e Guga, que tinham sido julgados à revelia e suspensos por seis partidas em 2021, atuaram no Parazão deste ano por Bragantino e Águia, respectivamente. Sabedor do fato desde o começo do ano, o Paragominas resolveu denunciar os dois clubes a fim de tentar recuperar pontos e fugir do rebaixamento à 2ª Divisão estadual.

Independentemente de ter ocorrido nulidade de algibeira, figura jurídica que significa que alguém está ciente de uma ilegalidade e só protesta quando lhe é conveniente, o Parazão deve ser reiniciado com a constatação pelo TJD de que as suspensões de Hatos e Guga são nulas de pleno direito.

Sim, quando alguém não recebe notificação oficial e é julgado à revelia – como no caso dos atletas citados –, a sentença é considerada nula. Por esse motivo, como exposto aqui ontem, as solicitações de revisão apresentadas por Bragantino e Águia deverão ser acatadas pelo tribunal.

Além dos aspectos de natureza legal e dos muitos prejuízos financeiros, a paralisação do campeonato se tornou um imenso problema no calendário do futebol paraense. Caso a situação se prolongue, as datas do Parazão irão montar com as da Série C, afetando diretamente a PSC e Remo.

A confusão é tão séria que, mesmo que o problema seja sanado na segunda-feira pelo TJD, o campeonato só irá recomeçar no final de semana seguinte (19 e 20) porque PSC e Tuna têm jogos marcados pela Copa do Brasil para o meio da semana.

Esta segunda interrupção é vista por especialistas de marketing esportivo como um episódio que desvaloriza ainda mais um campeonato que já é deficitário. A alteração de datas e a insegurança quanto ao prosseguimento da competição configuram um quadro de caos generalizado, atribuído por quase todos que acompanham o Círio a omissões e erros da FPF.

Para espanto geral, a entidade que comanda o futebol paraense não arquiva boletins de inscrição e punições de atleta, algo imperdoável na era da informatização e da transmissão eletrônica de dados. Um simples banco de dados atualizado evitaria o festival de erros visto nos casos Hatos e Guga.

Por mais duro que possa parecer, é fato que um campeonato de pelada é melhor organizado do que o certame estadual, sem permitir tantas falhas administrativas em sua disputa. Torna-se urgente a adoção de providências para impedir que a bagunça se instale de vez.

Os clubes, que costumam reclamar sempre que se sentem prejudicados, precisam agir coletivamente e tomar uma atitude quanto à eleição da FPF, que seria inicialmente em dezembro, foi suspensa pela Justiça e já está postergada para uma data qualquer em abril.

O futebol profissional não pode conviver com atitudes amadoras e a entidade que gerencia o Estadual não pode continuar a sabotá-lo.  

Vitória do Real confirma a evolução de Vini Jr. 

Grande coadjuvante na noite de Karim Benzema, Vinícius Jr. saiu aclamado do gramado do Santiago Bernabéu após a espetacular virada do Real Madrid sobre o Paris Saint-Germain, pela Liga dos Campeões. Além dos aplausos da torcida, Vinícius e Benzema, autor dos três gols do Real, foram glorificados nas redes sociais do clube.

É justo. Depois de um início ruim, quando viu o PSG forçar o jogo com o trio Mbappé-Messi-Neymar até chegar ao gol no final do primeiro tempo. Com a vantagem de 1 a 0 no primeiro jogo (Mbappé aproveitando passe perfeito de Neymar), o time francês exibia segurança e sua trinca de craques fazia sua melhor apresentação na temporada.

Tudo parecia se encaminhar para uma noite terrível para os merengues, mas, de repente, a dupla Benzema-Vinícius Jr. começou a jogar em alta rotação, com luxuosa colaboração de Modric e Rodrygo. O duelo se tornou realmente eletrizante. Com velocidade pelos lados, o Real acuou o PSG e começou a criar chances.

Um vacilo do goleiro Donnarumma na saída de bola permitiu que Benzema fosse buscar o empate. A partir daí, o estádio se empolgou com a reação do time, que precisava de mais um gol para forçar a prorrogação. Vinícius perdeu gol aos 28 minutos, mas Benzema não vacilou na mesma jogada. Após passes de Modric, saiu o segundo do goleador.

Grogue, o PSG foi cedendo espaços e até o sempre seguro Marquinhos acabou envolvido. Benzema, implacável, aproveitou o momento e fez o terceiro batendo de primeira após desarme infeliz do zagueiro brasileiro.

Enquanto Vinícius e Rodrygo colecionam elogios pela atuação, Neymar saiu de campo sem marcar um golzinho sequer. É a primeira vez que isso ocorre desde que ele começou a disputar o torneio.

No segundo tempo, Neymar e Messi não conseguiram mais  escoltar Mbappé, que disparava em contra-ataques, mas não tinha com quem dialogar quando se aproximava da área. Esse cenário, aliado ao apagão defensivo, ajuda a explicar a eliminação do PSG.

Com Vinícius e Rodrygo voando, em franca evolução técnica sob a batuta de Ancelotti, Tite deve ter se animado. São opções óbvias para renovação do repertório da Seleção a sete meses da Copa. Ao mesmo tempo, com Neymar em baixa, o técnico sabe que talvez o escrete precise girar em torno de outras referências ofensivas. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta quinta-feira, 10)

Guardiola e a gratidão por ter Messi no grande Barcelona de 2008/2012

Em entrevista ao podcast La Primera Jogada, do jornal argentino Olé, o técnico do Manchester City, Pep Guardiola, avaliou como boas as chances de a Argentina ganhar a Copa do Mundo do Qatar e comentou sobre as diferenças entre Messi no começo da carreira e o camisa 10 da seleção argentina atualmente.

“Não é fácil ser Messi neste mundo do futebol. E agora ele vai para a Copa do Mundo, não tenho dúvidas. Que ele mudou? Você envelhece, e a energia que tem aos 20 não é a mesma agora. Todos nós mudamos, somos todos diferentes. Ele mudou, jogou milhões de jogos nas pernas, na cabeça e está se readaptando, logicamente, como deveria ser. Aos 20, 21 anos tinha aquela energia de comer o mundo e uma juventude que as pernas lhe deram. Hoje, aos 34, 35 é inteligente o suficiente para saber quando fazer e quando não fazer.”

O treinador também comentou a influência de Messi em sua própria carreira.

“O que Messi quer dizer? Tudo. Tudo. Ele sabe que havia um grupo de jogadores incríveis que o ajudaram quando estávamos juntos no Barcelona naqueles quatro anos. Havia um grupo impressionante de jogadores. Muitas estrelas no momento certo. Todos nós nos reunimos e tinha que acontecer. Xavi, Pujol, Iniesta… Gerou-se entre todos nós uma química que só acontece uma vez na vida. Ganhamos muito e sem ele teríamos vencido; mas como foi não, impossível. Sem comparação, Messi é como Michael Jordan quando Phil Jackson [ex-treinador do Chicago Bulls] podia sentir aquela sensação de que tudo estava fluindo e não havia problemas. Era ‘pegamos o avião e vamos para outro’ e assim por diante. Devo-lhe uma boa garrafa de vinho para agradecê-lo pelos contratos que ele me fez assinar”.

O técnico espanhol e Lionel Messi trabalharam juntos no Barcelona de 2008 a 2012. Conquistaram 14 títulos, entre eles duas Liga dos Campeões: 2008/09 e 2010/11.

Parazão vira zorra total

POR GERSON NOGUEIRA

O que é ruim sempre pode ficar pior. O Parazão mais chinfrim dos últimos anos periga nem chegar ao fim. Se chegar, será provavelmente decidido nas barras do tapetão. Decisão do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PA), anunciada ontem pelo presidente Mário Célio Costa Alves Filho, empurra a competição para um mar de incertezas.

Devido à escalação do meia Hatos pelo Bragantino durante toda a primeira fase do campeonato, o TJD acatou notícia de infração apresentada pelo Paragominas denunciando a condição considerada irregular do atleta e suspendeu o Campeonato Estadual até o julgamento do mérito.

A princípio, o prejuízo está na possibilidade de o campeonato terminar em pleno andamento do Brasileiro da Série C, que começa a 10 de abril, atravancando datas e prejudicando PSC e Remo na competição.

O Paragominas, rebaixado à Segunda Divisão, entrou com liminar pedindo a paralisação da competição alegando que Hatos foi expulso em jogo de 2021, na Segunda Divisão do Paraense, quando ele defendia o Itupiranga.

Como o atleta estava de saída do Itupiranga, não foi notificado do julgamento no TJD e acabou condenado à revelia, pegando cinco jogos de suspensão. Como cumpriu uma partida, teria que cumprir mais quatro durante o Parazão deste ano, fato que não ocorreu.

Antes de assinar com o Bragantino, Hatos disputou a Série B do Paraense de 2021 pelo Cametá e atuou normalmente nos seis jogos. No estadual, defendendo o Braga, jogou em cinco partidas. Vale dizer que o clube consultou a FPF sobre a situação dos 20 jogadores de seu elenco e nada constava sobre Hatos.

Diante do pronunciamento do presidente do TJD, ontem, o Bragantino está pedindo a revisão da notícia de infração que originou a decisão. O julgamento do recurso vai acontecer na sexta-feira, 11. Vai pediu a nulidade da denúncia por um erro de origem.

O jogador foi suspenso pelo TJD porque não foi cientificado pelo Itupiranga, por isso não teve direito a plena defesa, princípio jurídico fundamental. Caso o tribunal entenda que o Bragantino tem razão, a notícia de infração cai por terra e a paralisação do Parazão perde validade.

Há, porém, um outro complicador. O Águia também foi denunciado pelo Paragominas. O atacante Guga foi suspenso após ser expulso quando defendia o Itupiranga em 2021. A presidência do TJD deve acatar a notícia de infração, como no caso envolvendo o Bragantino.

Caso adote a mesma linha de defesa do Tubarão, o Águia deverá pedir a revisão da denúncia utilizando a mesma argumentação: o jogador Guga foi julgado à revelia, pois não foi avisado pelo Itupiranga sobre o julgamento.

As coisas poderiam então ser inteiramente dirimidas até quarta-feira da semana que vem, levando em conta os prazos regimentais do tribunal, mas paira uma nova ameaça no ar. O Independente estaria com uma denúncia pronta para protocolar no TJD contra o Castanhal, alegando também irregularidade de um atleta.

Diante de um quadro tão movediço, é improvável que as datas normais do campeonato sejam cumpridas. Azar do futebol e do público, que é merecedor do respeito dos que fazem a principal competição do Estado.

Omissa, FPF complica e atrasa o campeonato

É verdade que a principal responsabilidade pela notificação aos jogadores Hatos e Guga era do Itupiranga, mas a Federação Paraense de Futebol também tem seu quinhão de culpa nesse latifúndio. É inconcebível que a entidade organizadora do campeonato não tenha um banco de dados atualizado sobre a situação geral dos atletas.

O papel da FPF vai além da elaboração da tabela de jogos e da escala de árbitros. Envolve a vistoria dos estádios, cujo estado geral dos gramados é precário, e a preocupação em conduzir a competição até o fim, sem percalços. Por incrível que pareça, foi justamente a omissão da entidade que causou o adiamento da oitava rodada.

A razão foi inusitada: a FPF esqueceu de consultar a tábua das marés e errou no horário do ônibus para transportar as delegações de Amazônia e Itupiranga até Outeiro. Com a maré baixa, o ônibus não teve como atravessar e o jogo teve que ser adiado, arrastando junto a rodada inteira.

Depois dessa barbeiragem, vem a informação sobre a omissão no caso dos atletas denunciados. É difícil acreditar que a FPF não soubesse da situação. E, se sabia, deveria ter providenciado uma solução imediata. Ocorre que a própria “casa do futebol” sofre de imobilismo após o fim do mandato do ex-presidente, Adelcio Torres.

A presidente interina, Graciete Maués, assumiu com a missão de convocar a eleição adiada de dezembro. Marcou para 15 de março, mas, sem pressa, já empurrou para abril. Não há dúvida: a FPF é hoje um barco à deriva e o Parazão (bancado pelo Estado) é grande vítima dessa balbúrdia. 

Um duelo à brasileira no gramado do Bernabéu

Real Madrid e PSG se enfrentam hoje, em Madri, e os olhos do planeta futebol estarão postos em Neymar e Vinícius Jr. Astro da Seleção, o camisa 10 do PSG faz uma temporada pouco produtiva, mas a Liga dos Campeões surge como grande esperança de redenção.

O jogo pelas oitavas de final é muito esperado pelas pretensões naturais dos clubes em relação ao título europeu. A dinheirama árabe que impulsiona o PSG só fará sentido no dia em que conquistar a taça do continente. No ano passado, o título quase veio. A aposta se renova para este ano.