Sérias suspeitas de mutreta na doação de R$ 43 milhões para a ONG de Léo Moura

14.jan.2022 - O ex-jogador de futebol Léo Moura encontrou-se com o presidente Jair Bolsonaro (PL) no Aeroporto Internacional de Macapá - 14.jan.2022 - Reprodução/Instagram/celiofariajunior

O ex-jogador de futebol Léo Moura e o presidente Jair Bolsonaro (PL) tiveram um encontro no Aeroporto Internacional de Macapá na última sexta-feira (14). A ONG (Organização Não Governamental) que leva o nome do jogador foi a que mais recebeu dinheiro público, via governo federal, em 2021. No ano passado, mais de R$ 41,6 milhões do chamado “orçamento secreto” foram destinados para apoiar o Instituto Léo Moura. A ONG recebeu mais de um terço da quantia total repassada pelo governo a projetos esportivos.

Os dados foram revelados em 9 de janeiro pelo jornal O Estado de S. Paulo, que relatou que a ajuda provém de uma proximidade do ex-atleta com políticos aliados de Bolsonaro. Desde 2020, os “padrinhos” dos pagamentos à ONG que mais chama a atenção são o deputado bolsonarista Luiz Lima (PSL-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), ex-presidente do Senado. Moura é apoiador do atual presidente da República. As imagens do encontro entre o ex-jogador e Bolsonaro, no entanto, ficaram indisponíveis no Instagram na tarde de domingo.

Segundo especialistas, o dinheiro recebido pela ONG de Leonardo Moura é considerado além do comum. O Ministério da Cidadania, onde atualmente está a Secretaria Especial do Esporte, alega que são repasses obrigatórios e arbitrários de acordo com a decisão dos políticos.

Segundo o Estadão, o Instituto Léo Moura recebeu, apenas entre 2020 e 2021, mais do que as confederações de esportes olímpicos, como a Confederação de Desportos Aquáticos (R$ 9,1 milhões), Ginástica (R$ 8,4 milhões), Vôlei (R$ 8,4 milhões) e Boxe (R$ 7,1 milhões).

Assim como, o valor nas mãos da ONG do ex-atleta é o dobro do montante recebido pela Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBD), que é a segunda colocada, com R$ 27,5 milhões. Ao jornal, o ex-jogador disse se sentir “abençoado por ter sido agraciado com essas verbas e estar podendo ajudar muitas crianças”:

“Sempre tive o sonho de fazer esses projetos sociais. Tirei do papel para poder começar esse trabalho no Rio e hoje, graças a Deus, a gente está podendo expandir em nível nacional”. Em seu site, o Instituto Léo Moura informa que “é entidade sem fins lucrativos, que atua na formulação, planejamento e execução de projetos sociais que tenha como metodologia a Educação pelo Esporte”.

A ONG afirma já atendeu 10 mil crianças e adolescentes, de 5 a 15 anos, desde a inauguração de sua primeira unidade, em 2013. Atualmente, a ONG conta com mais de 25 unidades espalhadas pelo estado do Rio de Janeiro.

Há pelo menos nove anos, Leo Moura, ex-jogador de futebol com passagens destacadas por Flamengo e Grêmio, entre outros clubes, recebe recursos públicos para manter escolinhas de futebol no estado do Rio. Segundo o blog Olhar Olímpico, do UOL, desde 2020, essas escolinhas foram turbinadas com recursos de emendas de Luiz Lima.

Até então chamado “Escolinha de Futebol e Cidadania”, o projeto foi renomeado para “Passaporte para a Vitória” e já recebeu mais de R$ 25,5 milhões para seus núcleos no Rio. Ainda que toda a comunicação do projeto no Rio use a imagem de Luiz Lima, o deputado alega que só é o padrinho de convênios que somam R$ 10,4 milhões. (Transcrito do UOL)

Remo vence a 1ª partida da decisão do Feminino

Imagem

O Clube do Remo goleou a equipe do Gavião por 6 a 1, no primeiro jogo da final do Campeonato Paraense de Futebol Feminino, na manhã deste domingo (16). Na quinta-feira, as duas equipes jogam no CT do Rei da Amazônia para definir com quem fica o troféu de campeão. O Remo está muito perto de um título que não conquista há 38 anos. O último foi em 1983, no time que tinha a grande Cebola como capitã. As instalações e a estrutura do CT azulino começam a fazer a diferença.

Não é só futebol

Reydson, zagueiro do sub-20 do Botafogo

Logo depois de o Botafogo se classificar para as oitavas de final da Copa São Paulo de Juniores com vitória nos pênaltis sobre o Taubaté, na sexta-feira (14), após empate em 1 a 1 no tempo normal, uma imagem chamou atenção. Reydson, capitão alvinegro, fez questão de levantar um adversário que estava desolado e consolá-lo.

O belo gesto de humildade e de compaixão de Reydson viralizou. O zagueiro explicou sua intenção.

“Tentei dar uma palavra de apoio. Ele certamente terá uma longa carreira pela frente e não é esse resultado que vai definir o seu futuro. É manter o trabalho com foco e confiança que as coisas vão acontecer. Como dizemos internamente, pressão é um privilégio”, disse Reydson, em declaração reproduzida pelo Twitter do Botafogo.

Defensor canhoto, com qualidade e liderança, Reydson vem se destacando no sub-20 do Botafogo desde o ano passado. Nesta sexta, além de ter boa atuação, ele converteu sua cobrança de pênalti.

Julgamento do negacionista Djokovic termina e sérvio será deportado da Austrália

www.brasil247.com - Novak Djokovic

Um tribunal australiano confirmou a decisão do governo de cancelar o visto de Novak Djokovic neste domingo (16), encerrando as esperanças do astro do tênis não vacinado – e assumidamente negacionista – de vencer o Aberto da Austrália e acumular um recorde de 21 títulos de Grand Slam masculinos.

Decidindo sobre um caso que tomou conta da Austrália e do mundo esportivo por mais de uma semana, uma bancada de três juízes do Tribunal Federal ouviu argumentos de advogados do governo de que a presença contínua de Djokovic arriscava estimular o sentimento anti-vacinação durante o pior surto de covid-19 da Austrália desde o início da pandemia.

Uma isenção médica que permitiu que o tenista sérvio número um do mundo entrasse no país sem ser vacinado provocou ainda mais fúria na Austrália e se tornou uma questão política para o primeiro-ministro Scott Morrison, que deve convocar uma eleição federal antes de maio.

Imagem

Nota do editor: Djokovic tem o direito de não querer se vacinar, mas só pode exercer esse direito sem botar em risco a saúde de outras pessoas. Expulso da Austrália, terá toda liberdade agora para disputar seu Corona Open particular na Sérvia.