Rizek: ‘Botafogo é muito grande para ser parabenizado por voltar à Série A’

O apresentador e jornalista André Rizek iniciou o programa “Seleção SporTV” desta terça-feira filosofando sobre o Botafogo, clube que sempre tratou com carinho. Segundo ele, o acesso sacramentado para a Série A na segunda-feira, com a vitória sobre o Operário, não deve ser parabenizada se olhar a grandeza do Glorioso.

“Tem uma frase de autoria desconhecida que diz o seguinte: ‘O botafoguense não sofre, o botafoguense purifica’. Essa purificação terminou ontem. Esse calvário, esse drama, a insegurança, sair de um orçamento de R$ 80 milhões de cota de TV para R$ 7 milhões de um ano para o outro… Diretoria, comissão técnica e jogadores fizeram um grande trabalho. Mas não vou dar os parabéns pelo acesso, porque eu acho que o Botafogo é muito grande para ser parabenizado por voltar à Série A”, argumentou Rizek.

Rizek destaca ‘purificação’ com acesso e afirma: ‘Botafogo é muito grande para ser parabenizado por voltar à Série A’

Carlos Eduardo Mansur, um dos comentaristas da mesa de debates do programa, discordou de Rizek e disse que o feito é sim digno de parabéns pela dificuldade que o clube enfrentou e o nível técnico da Série B, tratada pelos especialistas como a mais difícil de todos os tempos.

“O dia é de parabenizar quem conquistou o acesso do Botafogo sim. No contexto atual, a subida para a Série A não é mais tão simples como foi em outros tempos. Não tem a manutenção das cotas, e o trabalho que reconduziu o clube de volta era muito necessário. E, fundamentalmente, por manter acesa a chama da torcida. É fácil mobilizar essa torcida do Botafogo, bastou o time dar um sinal que a resposta foi absolutamente espetacular de uma torcida que se recusa a abandonar o clube”, afirmou Mansur.

Goiás repudia insultos a Nicolas e ameaça denunciar o Remo ao STJD

Nicolas, atacante do Goiás — Foto: Talita Gouvêa

O Goiás emitiu nota repudiando os xingamentos homofóbicos de um grupo de torcedores do Remo ao atacante Nicolas, na última segunda-feira (15), no jogo entre as equipes pela Série B do Campeonato Brasileiro, em Belém. O time goiano venceu por 1 a 0 e avançou ao G4. Nicolas defendeu o PSC até o ano passado e esse aspecto da rivalidade veio à tona na forma de insultos durante a partida e no momento em que o atacante foi substituído por Bruno Mezenga, no 2º tempo.

Pelo Papão, o jogador esteve em campo 15 vezes contra o Remo e marcou oito gols. Na Série B, o atacante balançou a rede no empate em 1 a 1 do Verdão com o Leão Azul, pela 17ª rodada. Ao ser substituído, Nicolas também foi bastante vaiado pelos torcedores remistas. Neste momento, o gaúcho levantou as mãos, “devolvendo” a provocação. Na súmula do confronto, o árbitro não fez registros sobre os xingamentos homofóbicos.

Além da nota de repúdio, o time esmeraldino prometeu acionar o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com a possível entrada de notícia-crime para que medidas cabíveis sejam tomadas.

O Remo divulgou uma nota repudiando os xingamentos homofóbicos que o atacante Nicolas, do Goiás, recebeu da torcida azulina no jogo desta segunda-feira, pela 36ª rodada do Brasileiro. O clube pede desculpas ao atacante e a “todos que se sentiram ofendidos” pela atitude por parte dos torcedores.

A nota divulgada pela diretoria do Leão:

“O Clube do Remo lamenta e repudia qualquer canto ou manifestação de caráter homofóbico por parte de alguns de seus torcedores na partida da última segunda-feira (15), diante do Goiás, no Banpará Baenão. O clube manifesta seu pedido de desculpas ao atleta Nicolas, a equipe do Goiás e a todos que se sentiram ofendidos por este lamentável comportamento.

Reiteramos nosso repúdio a quaisquer gestos de preconceito e reforçamos que, a diretoria azulina realiza nas redes sociais e estádio campanhas contra a homofobia e no combate a qualquer tipo de discriminação. A intolerância, a discriminação e o preconceito precisam ser combatidos, seja no esporte ou em qualquer lugar na sociedade.”