Um confronto estratégico

POR GERSON NOGUEIRA

Azulinos terão decisão nesta segunda-feira (15)

No festivo treino aberto realizado ontem, o técnico Eduardo Baptista manteve o time titular que Felipe Conceição escalou nos últimos jogos do Remo. Neto Pessoa segue no ataque, ao lado de Mateus Oliveira e Victor Andrade. A grande novidade é o retorno de Felipe Gedoz ao meio-campo, depois de dois jogos de ausência – e fazendo muita falta.

Baptista chegou ao clube fazendo largos elogios a Gedoz, com quem já trabalhou. Ficou evidente que vai apostar as fichas no meia, que ainda se recupera de lesão que o afastou de jogos importantes, contra CSA e Operário. Sem ele, o Remo não teve transição eficiente e o ataque sofreu para articular jogadas.

O embate desta noite com o Goiás, no Baenão, é decisivo e estratégico. Caso vença, o Remo dá um passo seguro para se afastar do risco de rebaixamento. Vai a 44 pontos e fica em situação privilegiada, talvez dependendo apenas de mais um ponto para se garantir de vez.

O empate não é um resultado desesperador, mas obrigará o time a vencer Vasco ou Confiança. Além disso, o adiamento de uma solução na tabela de classificação torna a caminhada mais dramática, tensa e sujeita a erros. É justamente o que Baptista tentará evitar, muito mais à base de conversa e motivação. Não há tempo para treinos e correções de campo.

Do jeito como o Remo vinha atuando, os resultados ruins foram gerando desânimo no grupo. O medo de errar inibiu os lances individuais e as tentativas de finalização. Sem vitórias, a crise chegou forte. Baptista tem o desafio de estancar esse processo de queda.

Eduardo Baptista conversa com elenco do Remo — Foto: Samara Miranda/Ascom Remo

Disse na apresentação que vem estudando o Remo detalhadamente, de todas as maneiras e tem ideia do que fazer para cumprir sua missão já no jogo de hoje. Para isso, recorreu ao apoio da torcida. Ontem, na recreação de 20 minutos, os torcedores aplaudiram e deram apoio ao elenco.

Contra o bem ajustado Goiás, 5º colocado, o Leão terá que buscar forças onde não tem, recorrendo à experiência de um treinador que não veio para ficar, mas que está claramente empenhado em deixar seu nome no clube.

Para superar as virtudes do adversário, que tem um meio-campo de qualidade (Elvis é o organizador) e um ataque de bom desempenho no jogo aéreo, o Remo terá que se reinventar em relação às pífias atuações recentes. Terá que se defender, mas não pode deixar de ter ousadia e determinação no ataque. (Fotos: Samara Miranda/Ascom Remo)

Estatística põe o Remo (ainda) em situação razoável

Números atualizados da projeção feita pelos estatísticos da UFMG para as chances de rebaixamento na Série B mostram que a Ponte Preta é quem está melhor na fita, com apenas 0.71% de probabilidades de queda. Joga hoje com o Londrina, no Paraná. O Remo aparece com 9.2% contra 49.3% do Brusque, 61.3% do Londrina e 93.9% do Confiança. O Brasil já levou o destempero.

O fato novo na briga pela permanência é o Vitória, que tinha 85.3% de probabilidade de queda, mas empreende uma reação impressionante. Venceu Vasco e Cruzeiro (por 3 a 0) e conseguiu sair temporariamente do Z4. Os jogos de hoje devem expor um cenário mais realista. Mas, no balanço das horas tudo pode mudar, como diz a canção.

Um inglês prova que a F1 ainda pode ser sensacional

Lewis Hamilton reafirmou ontem em S. Paulo que é mesmo o piloto mais espetacular da F1 atual. Conquistou nove posições em 19 voltas e ficou sempre bem perto do rival Max Verstappen, com quem sustentaria um pega histórico até o final da prova. A manobra decisiva veio na 59ª volta, para euforia da torcida em Interlagos. A modalidade teve momentos sensacionais nesta temporada, quase todos com o inglês como protagonista.

Ele já havia feito estrago na corrida classificatória, dando uma pequena prova do que iria acontecer no GP. No sábado, teve que largar do fundão do grid por força de uma irregularidade, pulando do 20º para o 5º lugar nas 24 voltas disputadas.

No domingo, com o incentivo das arquibancadas, que o empurrava aos gritos de “Senna”, Hamilton teve um desempenho à altura de seu ídolo brasileiro. Nada mais apropriado do que festejar com a bandeira do Brasil, gesto patrioteiro que marcou a carreira do tricampeão brasileiro.

Interlagos nunca havia presenciado a vitória de um piloto que tenha largado da oitava posição ou abaixo disso. Foi a 101ª vitória da estupenda carreira, colocando um freio no jejum que já durava dois meses.

Semifinal da Série B junta novidade e tradição

Caeté x Parauapebas e Pedreira x Amazônia Independente fazem as partidas semifinais que definirão as duas vagas à elite do Parazão 2022. As partidas de ida se realizam na próxima quarta-feira. O Caeté recebe o Parauapebas no estádio Diogão, em Bragança, às 15h30.

O Pedreira enfrenta o Amazônia Independente no Souza, em Belém, também às 15h30. Os confrontos de volta acontecem domingo: o Amazônia recebe o Pedreira no CT da Desportiva, em Marituba, às 9h30, enquanto o Parauapebas enfrenta o Caeté no Rosenão, às 18h.

As campanhas de mais destaque até agora foram as dos estreantes Caeté e Amazônia. Ambos têm a responsabilidade de confirmar a arrancada inicial diante de adversários que já têm história no Parazão. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 15)

Gilberto Gil diz esperar que a ABL se poste ‘em defesa da democracia’

Gilberto Gil foi entrevistado pelo "Fantástico" - Reprodução/Globo

Eleito como um dos novos imortais da ABL (Academia Brasileira de Letras), Gilberto Gil, 79 anos, esperar que a instituição se posicione em defesa da pluralidade e democracia. “É expectativa minha que a Academia se poste cada vez mais na direção da defesa da democracia, da pluralidade, do respeito entre as várias camadas de formação da sociedade”, declarou o cantor e compositor em entrevista ao “Fantástico” de hoje.

Ele se emocionou ainda ao falar da luta contra o racismo e o significado de sua eleição para a ABL:

“Quando a Academia me acolhe, acolhe aquele que ela sabe quem é. O apreço que eu tenho pela formação negro-mestiça da sociedade brasileira. Os problemas relativos a isso e a necessidade de posicionamento em relação a esses problemas, que tem sido uma constante na minha vida.”

Gil completou: “A sociedade brasileira espera da Academia esse tipo de compromisso”. Questionada por Poliana Abritta sobre como o brasileiro pode tirar fé em um momento complicado, o cantor declarou que “o sentido da fé, independente de crenças e convenções” é quando há a percepção e valores e distinções entre certo e errado e bom e ruim”. O novo imortal ainda completou:

“A fé é maior que a religião.”

Gil falou também sobre como encarou a pandemia. “Tinha receio de não estar plenamente preparado para estar em um palco de novo, porque a pandemia foi um momento de grande destaque físico e psíquico.” O novo imortal da ABL celebrou ainda o retorno aos palcos, em uma turnê. “Voltando a assumir posições de protagonismo na vida”.

A ABL (Academia Brasileira de Letras) elegeu Gilberto Gil como novo imortal da casa, com 21 votos. O cantor e compositor de 79 anos ocupa a cadeira 20, que tem como patrono o médico e jornalista Joaquim Manuel de Macedo. Gil substitui o jornalista Murilo Melo Filho, morto em maio de 2020.

O artista disputava a posição com o poeta e compositor Salgado Maranhão (7 votos) e com o escritor Ricardo Daudt (nenhum voto). Com a eleição do artista, a ABL tem agora dois membros negros: Gilberto Gil e o acadêmico Domício Proença Filho.

Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são os mais novos imortais da ABL (Academia Brasileira de Letras). A atriz e o músico foram eleitos, respectivamente, para as cadeiras 17 e 20, com votação expressiva. Os dois devem assumir os postos apenas em março de 2022, quando passarão a receber o salário e os cachês semanais — caso compareçam aos compromissos da Academia. Segundo apuração do UOL TAB, esse valor pode ultrapassar R$ 10 mil por mês. (Do UOL)