Amazônia vence a primeira partida das quartas-de-final da Série B

O Amazônia Independente FC derrotou o Sport Real FC, neste domingo (07), por 1 a 0, no primeiro jogo das quartas-de-final do Campeonato Paraense da 2ª Divisão – 2021, que foi disputado no estádio Francisco Vasques (Souza), em Belém. Para o técnico Matheus Lima (foto), o Sapo cumpriu bem o seu papel em campo e construiu um resultado importante fora de casa. “Sabíamos das dificuldades que teríamos pela frente ao enfrentar o Sport Real em sua casa. É uma equipe que possui ideias interessantes de jogos, mas conseguimos neutralizá-las, incluindo as ações ofensivas com o artilheiro da competição”, explicou.

“Com isso, criamos algumas boas transições e tivemos oportunidades marcar. Em uma delas aproveitamos bem, fizemos 1 a 0, e saímos com o resultado positivo, que era o nosso objetivo”, acrescentou Lima. O segundo jogo, que vai definir um dos semifinalistas do Campeonato Paraense da 2ª Divisão – 2021, acontece na quarta-feira (10), às 09h30, no CT da Desportiva Paraense, em Marituba.

“Agora, é trabalhar na recuperação dos atletas e ver quem está apto a atuar na próxima partida, entrar com força e buscar a vaga na semifinal do campeonato. Vai ser mais um compromisso difícil, mas atuando dentro de casa temos a possibilidade de garantir a almejada classificação, que é tão importante para o Amazônia Independente FC, para a cidade de Santarém e para todos que estão ao lado da equipe”, finalizou Matheus.

Fogão goleia Vasco e assume a liderança da Série B

Rafael Navarro, do Botafogo, comemora gol. Partida entre Vasco e Botafogo, válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B - ANDRÉ FABIANO/ESTADÃO CONTEÚDO

Foi um duelo de opostos em São Januário. O Botafogo goleou o Vasco por 4 a 0 e assumiu a ponta da Série B. Com gols de Marco Antônio (2), Navarro e Diego Gonçalves, o Alvinegro assumiu a liderança do campeonato pela primeira vez e deixou o rival, que está a oito pontos do G-4, em situação ainda mais desesperadora.

Com a necessidade de vencer, os donos da casa se lançaram ao ataque e tentaram sufocar os rivais desde o início. Mais cauteloso, o Bota soube explorar os espaços deixados para liquidar o jogo de forma cirúrgica.

Com o rival desesperado pela vitória, o Bota começou o jogo de forma cautelosa e soube segurar a pressão inicial. Diante dos espaços oferecidos, o Alvinegro encaixou um contra-ataque e abriu a contagem. A partir daí, o Botafogo foi totalmente soberano no jogo e não correu riscos desnecessários, aproveitando-se ainda mais da desorganização do adversário para liquidar o clássico ainda no primeiro tempo. Muito bem organizado, o time contou com boas atuações individuais de nomes como Marco Antônio, Oyama, Carlinhos e Navarro.

Aos 11 minutos de jogo, o Bota puxou contra-ataque em alta velocidade e Marco Antônio finalizou para abrir o placar. Aos 19, Diego Gonçalves fez cruzamento na medida e Navarro ampliou. Aos 35, Marco Antônio recebeu livre, arrancou, driblou o goleiro e fez mais um. Aos 8 do segundo tempo, Lucão saiu mal do gol e Diego Gonçalves marcou de cabeça. Na revisão, o VAR apontou impedimento e o gol foi anulado. O juiz Luiz Flávio de Oliveira no entanto, voltou atrás e o gol foi confirmado.

Luis Oyama foi o maestro do meio de campo do Botafogo e tomou conta do jogo. Preciso nos passes, ele ditou o ritmo do time e imprimiu velocidade aos homens de frente. Com uma linda enfiada de bola, encontrou Marco Antônio para marcar um de seus gols. O artilheiro da tarde foi outro destaque individual de um time que fez uma atuação coletiva excelente na casa vascaína.

Papão perde na despedida e anuncia Lecheva como novo homem-forte do futebol

O Papão se despediu neste sábado da Série C 2021 com uma derrota por 1 a 0 para o Criciúma, que, com o resultado, obteve o acesso à Série B 2022. A partida terminou com o placar de 1 a 0 para o Tigre catarinense, gol assinalado pelo atacante Henan. O jogo foi morno na maior parte do tempo, mas, depois de sofrer o gol, os bicolores partiram para o ataque nos últimos 15 minutos e fizeram pressão em busca do empate.

Com o Ituano vencendo o Botafogo-PB na outra partida, o Criciúma precisava de um empate ou vitória para subir. O gol de Henan no segundo tempo garantiu a festa dos visitantes, na Curuzu, pela volta à Série B do Brasileiro após dois anos na Série C.

Lecheva fez muita história no Papão

De olho na reformulação de todo administração de futebol para 2022, o PSC já iniciou o planejamento para a próxima temporada. O ex-jogador Lecheva, um dos heróis da vitória sobre o Boca Jrs. na Bombonera, foi convidado pelo presidente Maurício Ettinger para assumir a função de coordenador técnico. Com 47 anos, o ex-volante assinou contrato na noite deste sábado (6) e vai imediatamente começar a trabalhar. Nos últimos anos, Lecheva trabalhou como técnico em várias equipes do futebol regional, incluindo o próprio PSC.

“É com grande satisfação e alegria no coração que anuncio o nosso retorno ao amado e querido Papão da Curuzu. Nesta temporada de 2022, estaremos juntos novamente. Com fé em Deus e com muito trabalho, tentarei novamente trilhar o caminho das vitórias, conquistas e voltar às divisões Série B e Série A do Campeonato Brasileiro. Estamos juntos mais uma vez”, disse Lecheva em entrevista divulgada pela assessoria do clube.

‘Ninguém ocupa o Estado brasileiro com 7 mil militares para sair no ano que vem’

Trechos da entrevista de Vladimir Safatle à Carta Maior:

“As Forças Armadas vão-se constituir em uma das castas que preservam o modelo da concentração de renda da sociedade brasileira. Esse projeto é de longa extensão. Ninguém ocupa o Estado brasileiro com 7 mil militares para sair no ano que vem.”

“Hoje a gente sabe que não houve eleição em 2018. Foi uma eleição de República Velha, completamente forjada. A gente viveu um golpe dito em baixa voz e prolongado. Não foi um golpe gritado. Foi um novo modelo de golpe. É um golpe em câmera lenta. Ele vai sendo feito durante anos.”

“Esse jogo do bom policial e do mau policial é o jogo das Forças Armadas brasileiras. E eles estão jogando de novo e a gente está entrando mais uma vez nessa mesma história. Não existe um lado bom das Forças Armadas. Quem tem um mínimo de responsabilidade sai do jogo, está fora do jogo. No entanto, eles são utilizados para que a gente tenha a impressão de que há uma divisão nas Forças Armadas. Bolsonaro é o projeto das Forças Armadas. Não vai haver cisão entre Bolsonaro e as Forças Armadas.”

“Quem mantém [o Bolsonaro] no poder são as Forças Armadas, o sistema financeiro nacional que teve lucros recordes em situação de crise mundial, os bancos privados tiveram lucros maiores e em plena pandemia. Isso demonstra o grau de obscenidade, Não é uma questão só de racionalidade econômica, é uma questão de saque. É uma lógica de saque e isto é garantido pelo governo. O agronegócio é um outro pilar. Devido à lógica da devastação da natureza eles conseguem tomar posse do que não era objeto de posse, terras que não eram disponíveis, zonas de preservação ambiental. Eles impõem a lógica da propriedade num espaço onde não havia propriedade. O quarto apoio é o núcleo fascista da sociedade brasileira. A Nova República nos fez acreditar que ele não existia, o que era totalmente equivocado.”

“[Bolsonaro] é um caso absolutamente tipificado de fascismo. É um líder fascista no sentido clássico do termo. Todos os elementos estão lá. Você tem o culto à violência a partir da generalização da lógica miliciana, a indiferença e insensibilidade absoluta a setores da população que são completamente vulneráveis, a concepção paranoica de corpo social, onde a identidade aparece como estrutura defensiva, onde a fronteira, a imunização, o risco de contágio por um corpo estranho que nos irá degradar (os comunistas) desempenha papel fundamental. Por fim, você tem uma concepção de poder fundado em um liderança, além do bem o do mal, que sustenta com seus liderados uma identificação narcísica. Ele não é uma liderança paterna, mas é a imagem e semelhança daqueles que ele lidera: as mesmas fraquezas, a mesma violência, a mesma impotência. Ele é eles no poder. Não há nenhum elemento faltando. Só não vê quem não quer, ele é um caso típico de fascismo. Talvez o caso mais típico no mundo inteiro.”

“Por que a figura mais trágica da esquerda brasileira é o Marighella? Porque ele foi o sujeito que colocou isso na mesa. Ele disse : ‘A gente fez um pacto durante todo esse período de 1945 até 1964 de apoiar as reformas graduais dentro da estrutura republicana fazendo uma pactuação com o populismo de esquerda, com o trabalhismo e vejam o que deu. Teve um golpe. Ninguém estava preparado’. Isso demonstra a incapacidade de ler os reais perigos que a sociedade brasileira enfrenta. Lembro em 2012, 2013, quando fazíamos debates acalorados na universidade e havia quem dissesse : ‘O Brasil é a democracia mais estável dos BRICS.’ Isso demonstra uma dificuldade de ver nossa realidade.”