Leão recebe Londrina no “jogo da permanência”

Romércio

Remo e Londrina se enfrentam hoje, às 19h, no estádio Baenão, pela 33ª rodada do Brasileiro da Série B. O Leão é o 11º colocado, com 41 pontos, e o Londrina está em 17º lugar, com 35 pontos, na zona do rebaixamento. O desespero dos paranaenses contrasta com o momento de tranquilidade que os azulinos atravessam após a importante vitória de 3 a 1 sobre o Cruzeiro, em Belo Horizonte. A partida é vista pelos azulinos e pela torcida, que esgotou os ingressos na manhã de domingo, como a chance de confirmação da permanência na Série B.

Caso vença, o Remo irá a 44 pontos, margem considerada segura e livre do risco de rebaixamento. Já o Londrina, pressionado, ganhou ânimo novo com a vitória sobre o Confiança, por 2 a 0, fora de casa, no último sábado. O time alviceleste pode deixar o Z-4 nesta rodada, caso consiga pontuar e o Brusque tropece.

Provável time do Remo:

Tiago Coelho; Tiago Ennes, Romércio, Rafael Jansen e Raimar; Artur, Marcos Jr., Lucas Siqueira e Felipe Gedoz; Mateus Oliveira e Lucas Tocantins.

(O técnico Felipe Conceição, expulso na última partida, será substituído à beira do campo pelo auxiliar João Nasser Neto)

Processo de ‘rachadinha’ do senador Zequinha Marinho se arrasta há 8 anos

Por Eduardo Militão, no UOL

Um caso de “rachadinha” envolvendo um parlamentar se arrasta na Justiça há oito anos sem previsão de julgamento. O processo no qual o senador Zequinha Marinho (PSC-PA) é réu pelo crime de concussão (que é quando uma pessoa com cargo público se utiliza da posição para conseguir vantagem indevida) já passou por quatro instâncias do Judiciário. Quando (e se) ele for julgado, poderá ainda recorrer caso discorde da sentença.

A prática de “rachadinhas” voltou ao noticiário nos últimos dias após reportagem da revista Veja afirmar que o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) embolsou parte dos salários de assessoras de seu gabinete. Alcolumbre nega ter feito parte do esquema e diz que é vítima de perseguição.

"Diante da impossibilidade de autorizar o débito de 5% (...) ficou determinada sua exoneração", escreveu Zequinha Marinho - Waldemir Barreto/Ag.Senado

O caso de Marinho começou em 2011, época em que era deputado e presidente regional do PSC. Assim como o ex-presidente do Senado, ele nega as acusações (leia mais abaixo).

29.out.2021 - Senador admite que demitiu porque servidor não devolveu 5% do salário - Reprodução/UOL - Reprodução/UOL

Em mensagem de e-mail de 24 de março daquele ano, Edilande Souza, uma servidora do gabinete do parlamentar, enviou a ele a “RELAÇÃO DOS DEPÓSITOS DE CONTRIBUIÇÕES EFETUADOS”. Havia uma lista com 23 funcionários, alguns com problemas técnicos para pagar, 11 com pagamentos efetuados e respectivos valores, e dois funcionários que ainda não haviam pago. Um deles era o assessor Humberto Azevedo, que queria conversar com o deputado antes.

Em resposta a Edilande, Marinho escreveu um email em letras maiúsculas exigindo que o servidor pagasse.

“PEÇA AO HUMBERTO PARA PROVIDENCIAR COM A MAIOR BREVIDADE POSSIVEL, O DEPOSITO CORRESPONDENTE A 5% DO BRUTO QUE ELE RECEBE. OK?”

(sic)Email do senador Zequinha Marinho

E continuou: “NAO POSSO PAGAR POR ELE, POIS JA PAGO SOBRE O MEU SALARIO” (sic). Humberto Azevedo não aceitou devolver parte do salário. Em 30 de março de 2011, o próprio Marinho utilizou o email particular para demiti-lo. “Diante da impossibilidade de Vossa Senhoria autorizar o débito de 5% (?) do Partido Social Cristão, ficou determinada sua exoneração”, mostra a mensagem.

SERVIDOR GANHOU AÇÃO TRABALHISTA

Demitido, Humberto Azevedo foi à Justiça do Trabalho. Lá, ele ganhou uma indenização de R$ 10 mil. Depois de reportagens sobre o caso, o Ministério Público abriu um inquérito em 2013 no Supremo. Marinho, então, tornou-se vice-governador do Pará, e a papelada foi enviada para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que o tornou réu em 2016. Depois disso, o político foi eleito senador. Em 2020, o TRF-1 resolveu mandar o caso para a Justiça Federal do Pará.

Neste ano, a defesa de Marinho conseguiu uma decisão do próprio TRF-1 mandando para a Justiça Federal de Brasília. Os advogados de Marinho alegam que a acusação é inconsistente. Afirmaram que os pagamentos eram feitos de forma voluntária. “Meros indícios e conjecturas não bastam para que se dê início a instância penal”, escreveram no processo, em 2016.

“A denúncia criminal não pode ser constituída por criação mental de seu subscritor.” De acordo com a defesa de Marinho, os servidores “não foram pressionados por ninguém, muito menos pelo (ex-)deputado Zequinha Marinho”.

DENÚNCIA PARADA

Outro senador que é acusado pela prática de “rachadinhas” é Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). No caso do filho do presidente, a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) está parada há quase um ano aguardando análise do STF (Supremo Tribunal Federal) que permita ou proíba que o conteúdo das provas seja analisado pela Justiça.

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) considerou que parte das evidências, apesar de serem autorizadas pelo Judiciário, foi obtida a partir de decisões judiciais pouco detalhadas ou não muito bem fundamentadas. Assim como Marinho, Flávio tem negado as acusações de ficar com parte dos salários ou de obrigar seus funcionários a fazerem contribuições.