Oxfam do Brasil reage ao discurso de Bolsonaro na ONU

“Em seu discurso na abertura da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas realizada nesta terça-feira (21/9), em Nova York (EUA), o presidente Jair Bolsonaro se mostrou, como sempre, completamente dissimulado em relação às grandes e preocupantes questões brasileiras e globais da atualidade. A única parte verdadeira do discurso do presidente brasileiro na ONU é a que diz que o Brasil hoje é diferente do que vemos diariamente nos noticiários.

De fato a realidade brasileira mudou muito desde que Bolsonaro assumiu a Presidência em 1º de janeiro de 2019. A fome voltou, o desemprego disparou, a economia estagnou, o desmatamento na Amazônia e em outros biomas aumentou, a discriminação e a  violência de gênero cresceram, o racismo se intensificou, a ameaça aos povos indígenas e quilombolas foi escancarada, a democracia afundou e o país, antes reconhecido mundialmente por sua eficiência e capacidade em campanhas de vacinação, se transformou em terreno fértil para o desenvolvimento de uma das maiores crises sanitárias da história, acumulando quase 600 mil mortes por Covid-19. Esse é o terrível legado do governo Bolsonaro até aqui.

O presidente brasileiro gastou boa parte de seu malfadado discurso na ONU para vender um país que só existe nas campanhas publicitárias oficiais. Tal qual um mascate, ofereceu a investidores externos oportunidades que sonega à sua população, omitindo a imensa crise econômica e de credibilidade de seu governo. Se vangloriou de uma legislação ambiental que não respeita e sabota e teceu elogios ao agronegócio por alimentar “mais de 1 bilhão de pessoas no mundo”, mas que deixa quase 20 milhões de brasileiros com fome, e esconde a destruição da floresta amazônica e as constantes ameaças às populações indígenas.

O Brasil vive novos tempos, disse Bolsonaro. A questão é que essa nova realidade, baseada em falsas informações, é justamente o abismo à beira do qual o mundo teme cair”.

Leão perde em Campinas e quebra sequência vitoriosa

Com boa atuação no primeiro tempo, o Guarani derrotou o Remo no estádio Brinco de Ouro, nesta terça-feira (21). Em duas falhas de marcação da zaga azulina, o Bugre estabeleceu o placar de 2 a 0. O primeiro gol foi marcado por Júlio César, cujo chute desviou no zagueiro Jansen e enganou o goleiro Vinícius. Depois de cobrança de escanteio, nos minutos finais da primeira etapa, Bruno Sávio cabeceou para as redes, mesmo cercado por três zagueiros.

No segundo tempo, com mudanças para corrigir erros na escalação, o Remo mostrou mais apetite ofensivo, mas não conseguiu construir uma reação que permitisse chegar ao gol. O Leão segue com 33 pontos na 11ª posição da Série B.

A realidade paralela de Bolsonaro

Era esperado que o presidente Jair Bolsonaro tentasse polir a imagem de seu governo no discurso de abertura da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. Bem que ele tentou. Pintou o retrato de uma economia vigorosa que vence o desemprego e atrai capital estrangeiro para investir em infraestrutura e tecnologia. De um país que deixou a corrupção para trás e está preocupado em preservar a Amazônia e o meio ambiente, em reduzir emissões de gases e garantir os direitos indígenas. De uma sociedade que está prestes a vencer a pandemia.

Só que seu discurso não tem o menor amparo nos fatos. O que disse, quando não era simplesmente mentira, repetia as fantasias ideológicas da realidade paralela bolsonarista. Antes mesmo de completar três minutos de discurso, Bolsonaro já havia feito pelo menos quatro declarações falsas ou imprecisas. Teve o desplante de afirmar que desde o início do governo não há “caso concreto” de corrupção (omitiu as rachadinhas, a CPI da Covid e o desmonte da Operação Lava Jato sob seu beneplácito). Disse que o presidente respeita a Constituição (esqueceu os ataques ao Supremo e ao Congresso), que antes dele o o país estava “à beira do socialismo” (um delírio) e que, com ele no poder, o Brasil recuperou credibilidade internacional (outro despropósito).

No universo paralelo de Bolsonaro, o Brasil hoje se apresenta como “um dos melhores destinos” para o capital. No mundo duro dos fatos, os investimentos diretos caíram pela metade em 2020 e, embora tenha havido recuperação este ano, os investidores resistem a apostar aqui em virtude do cenário político conturbado por ele próprio.

O presidente Jair Bolsonaro fez um discurso radical e repleto de inverdades na abertura da Assembleia Geral da ONU Foto: AFP

Numa manobra retórica clássica, Bolsonaro usou as estatísticas para esconder a verdade. Citou uma redução pontual de desmatamento, quando dados públicos reiteram os recordes de queimadas e devastação amazônica. Mencionou a geração de empregos formais, quando os desempregados passam de 14 milhões, e os que não trabalham ou desistiram de procurar emprego são quase 29% da mão de obra. Por fim, citou o tamanho das reservas indígenas, quando o respeito aos direitos dos povos originários no Brasil é preocupação do Alto-Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos. Também mentiu de forma deslavada ao dizer que seu governo reforçou recursos destinados a órgãos ambientais para zerar o desmatamento.

Na descrição de Bolsonaro, as manifestações golpistas do 7 de Setembro foram as maiores da história (primeiro erro) e em defesa da democracia (segundo erro). Noutra falácia, atribuiu às quarentenas decretadas por prefeitos e governadores a responsabilidade pela inflação. A dificuldade de conter os preços está hoje essencialmente ligada à incapacidade de seu governo em apresentar uma perspectiva mínima de equilíbrio fiscal.

No ponto mais delirante, voltou a defender o famigerado “tratamento precoce” contra a Covid-19, desacreditado por evidências científicas avassaladoras. Declarou seu apoio à vacinação, ainda que não tenha tomado vacina e que seu governo as tenha desdenhado por meses enquanto se envolvia em negociatas obscuras, investia em cloroquina e outras curandeirices. O cúmulo do cinismo foi ter afirmado que “a história e a ciência saberão responsabilizar a todos”. Pois o relatório da CPI da Covid está prestes a considerá-lo o maior responsável pela tragédia que já matou quase 600 mil brasileiros.

Editorial de O Globo

No embalo das vitórias

POR GERSON NOGUEIRA

Lucas Tocantins

O Remo está no seleto grupo dos cinco times que menos empataram na competição. Foram seis empates até a rodada nº 24, mesma quantidade do Coritiba e um a mais que Botafogo, CSA e Confiança, os que menos tiveram jogos encerrados em igualdade. É um expressivo sinal de eficiência na dura e equilibrada disputa da Série B.

No sistema de pontos corridos, quem empata menos em geral se sai bem. Há exceções, obviamente – caso do Confiança, que empatou pouco, mas perdeu muito. Não funciona como ciência exata e imexível, mas configura uma tendência óbvia. Afinal, matematicamente, vale mais vencer uma e perder outra do que empatar duas partidas.

O Guarani, adversário do Leão hoje à tarde, empatou oito, mas compensou ganhando 10 partidas (uma a mais que os azulinos) e perdendo somente seis vezes – o Remo perdeu nove. Caso queira aumentar a marca de vitórias, o time paraense terá que funcionar bem principalmente no meio-de-campo. Um empate, porém, não seria tão ruim assim.

Por uma razão simples: é por ali que o Guarani tem conseguido se impor aos adversários, assegurando uma campanha sólida – quinto lugar, 38 pontos – desde as primeiras rodadas. Por coincidência, o paraense Rodrigo Andrade é um dos destaques no setor. Tem atuado como volante avançado, ajudando nas manobras de ataque.

Rodrigo compõe um setor que às vezes joga com até cinco peças, incluindo Bruno Silva, Julio César, Andrino e Bruno Sávio. Contra a Ponte Preta, na rodada passada, o time não foi bem, ficou muito preso à marcação e chegou a ser dominado em vários momentos pela Macaca.

A excessiva preocupação com o meio é ao mesmo tempo uma virtude e um fardo para o time do técnico Daniel Paulista, pois enfraquece o ataque. O Remo precisará igualar a batalha no meio e capacidade para furar a linha de marcação. Seria o jogo ideal para Victor Andrade, que não joga para cumprir suspensão. Lucas Tocantins pode se encarregar da tarefa.

O Leão pode ter o retorno de Romércio à zaga, embora a dupla Jansen-Marlon tenha atuado bem nas duas vitórias consecutivas, sobre Vitória e Avaí. No meio, Pingo segue substituindo a Anderson Uchoa. 

Um nome vem se destacando após as últimas rodadas. É o lateral esquerdo Raimar, contratado ao Atlético-PR e que tem substituído a Igor Fernandes com regularidade e alguns ganhos, como a capacidade de marcar e subir ao ataque. 

Na frente, o Remo terá Lucas Tocantins, Gedoz e Mateus Oliveira, mas Jefferson, Rafinha e Renan Gorne são opções para o decorrer da partida. O confronto em Campinas pode também marcar a estreia do meio-campista Neto Moura.

Em 11º lugar com 33 pontos, o Remo só pode ser alcançado na rodada pelo CSA, que tem 32 pontos e enfrenta o Botafogo na quinta-feira, em Maceió. 

Tempo é maior aliado do Papão para a 2ª fase

Ao desembarcar sorridente e feliz, após o triunfo sobre o Altos-PI e a conquista da classificação antecipadamente – pelo empate entre Manaus e Ferroviário –, o técnico Roberto Fonseca já estava certamente projetando os próximos passos do PSC na Série C.

Mais do que o jogo de sábado contra o Manaus, em Belém, Fonseca deve estar de antenas postas na estreia do time na segunda fase do campeonato, no dia 3 de outubro, provavelmente.

Até lá, serão duas semanas de preparação e ajustes. E é fato que o PSC precisa de muitas correções para se tornar realmente competitivo numa etapa que é bem mais exigente do que foi a disputa dentro do Grupo A.

Haverá tempo também para recondicionar jogadores importantes, como Marlon e Danrlei, a fim de não ficar refém da pouca agressividade dos homens de frente, situação que quase comprometeu a reação diante do Altos no último sábado.

Para um ataque que tem sido entregue a Rildo e Grampola (ou Tiago Santos), o PSC precisará muito da habilidade de Marlon e da mobilidade de Danrlei, mesmo que este ainda não tenha sido notado pelo próprio Fonseca.   

Cacaio e o Castanhal merecem respeito

Não foi o desfecho esperado, mas muita gente tem aproveitado a frustrante eliminação do Castanhal na Série D para desvalorizar o trabalho realizado pelo técnico Cacaio e o esforço da diretoria para dar ao elenco qualidade e experiência. Nem tudo deve ser considerado errado numa campanha que teve grandes méritos.

O formato de disputa da Série D não favorece quedas de rendimento nas fases eliminatórias. É visível que o Castanhal padeceu de fadiga técnica (agravada pela perda do meia Fazendinha) no mata-mata. O time teve trajetória impecável na primeira etapa, mantendo-se invicto por 14 jogos.

O Castanhal era pintado como franco favorito ao acesso e derrapou nas curvas decisivas, sem conseguir superar o Moto Clube. Mas, aos que criticam Cacaio, é bom lembrar que foi ele que levou o Remo ao acesso à Série C em 2015, objetivo que o clube perseguia há vários anos.

Bolsa Talento da Seel beneficia 94 atletas

A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) já iniciou o pagamento dos 94 contemplados com o programa Bolsa Talento – Ano Base 2017, com as quatro primeiras parcelas. O benefício será pago em 12 parcelas. A partir do programa, tem sido possível manter e aumentar o número de atletas que representam o Pará em competições regionais, nacionais e internacionais.

O critério para se tornar atleta do programa é o ranking montado a partir dos relatórios enviados pelas federações à Seel, gestora do programa.

(Coluna publicada na edição do Bola desta terça-feira, 21)