Retrospecto anima o Leão

Felipe Conceição

POR GERSON NOGUEIRA

O desafio é de grande envergadura, mas os remistas já se acostumaram a superar obstáculos desse porte na atual campanha na Série B. Contra Cruzeiro e Vasco, dois dos campeões brasileiros que disputam a competição, o time de Felipe Conceição realizou apresentações consistentes do ponto de vista coletivo, com direito a destacadas performances individuais. Não há dúvida: o retrospecto é o principal trunfo azulino para encarar o Botafogo.

Victor Andrade marcou contra o Cruzeiro aquele que é considerado o gol mais bonito do campeonato até o momento, um dos mais espetaculares das quatro divisões. Na partida, o Remo teve um desempenho tático de alto nível, marcando bem e resistindo às pressões do adversário.

Diante do Vasco, o rendimento foi ainda melhor no aspecto ofensivo. O Remo surpreendeu o visitante com gols ainda no primeiro tempo e se deu ao luxo de desperdiçar três chances preciosas para ampliar o marcador.

Por coincidência, foram as duas melhores exibições do Remo no campeonato dentro de Belém. Esse é o sarrafo que o time tem em vista como projeção para o confronto de amanhã à noite no Baenão.

Passar pelo Botafogo (4º colocado) significará também afastar as críticas sofridas pela equipe pela desleixada atuação contra o Brasil-RS na última rodada. Tudo o que o time vai mostrado de evolução até a 19ª rodada caiu por terra com o apagão tático e individual do time em Pelotas.

Para amanhã, Felipe Conceição terá que montar um time de novo castigado por desfalques importantes. O setor mais afetado é o centro da zaga, onde as ausências de Romércio e Kevem obrigam a reedição da dupla titular no Campeonato Paraense, Rafael Jansen e Fredson.

Do meio para frente, o time segue sentindo a falta do articulador Erick Flores, mas ganha o reforço do meia Mateus Oliveira, que começava a adquirir ritmo e entrosamento quando se lesionou. O ataque perde importante alternativa de lado com o afastamento de Lucas Tocantins por contusão.

Não há também a opção de Renan Gorne centralizado. O centroavante foi expulso contra o Brasil. Sem ele, sempre contestado pela torcida, o Remo terá que obrigatoriamente atuar com um ataque de mobilidade, com Felipe Gedoz de novo como falso 9. Não funcionou nos últimos jogos, mas é a única opção possível.

Volta de público aos estádios deve ser adiada

Ficou bem mais difícil o retorno da torcida aos jogos de Remo e PSC ainda neste ano. Em nota informativa divulgada ontem, a Prefeitura de Belém estabeleceu o quantitativo de 20% da capacidade dos estádios para aprovar a presença de público nas Séries B e C. A medida leva em conta os riscos de um recrudescimento da pandemia no Estado.  

Pelo que foi decidido na reunião coordenada pela FPF na semana passada, o público seria de 30% da capacidade. Mesmo esse percentual já não havia agradado as diretorias da dupla Re-Pa, receosas de um cenário deficitário para a esperada volta de bilheteria nos jogos.

Na prática, o teto imposto pela Prefeitura praticamente inviabilizam a presença de pública, pois obrigaria os clubes a cobrarem ingressos mais caros, provavelmente na faixa de R$ 70,00. Esse valor leva em conta o custo de organização dos jogos, com adaptação para atender os protocolos sanitários.

Ao mesmo tempo, a iniciativa deixa claro que há uma preocupação cada vez maior dos órgãos de saúde com os riscos representados pela variante Delta do novo coronavírus, que já se espraia pelo país. Para as autoridades médicas, setembro e outubro são considerados meses críticos para avaliação da pandemia no Estado.

Sem esquecer que a reabertura dos estádios vai depender ainda de uma decisão da CBF, que vai ouvir o conselho técnico das quatro divisões nacionais para tomar uma posição. Por ora, a maioria dos clubes não demonstra tanta pressa em reabrir as bilheterias.

O exemplo dos jogos de Atlético-MG e Cruzeiro com torcidas no Mineirão parece ter esfriado um pouco a expectativa de faturamento. No jogo do Galo, o público compareceu, mas o faturamento foi aquém do esperado. Já o Cruzeiro vendeu menos da metade dos ingressos colocados à venda.

Aliás, no jogo Chile x Brasil pelas Eliminatórias, ontem à noite, o público permitido foi de 10 mil espectadores (21% da capacidade do estádio), com rigor na exigência de máscaras e distanciamento entre os torcedores. É o limite que a Vigilância em Saúde de Belém está determinando.

Papão modifica a zaga para enfrentar o Santa Cruz

A partida de domingo entre PSC e Santa Cruz ganhou contornos de uma decisão na Série C, principalmente pelos objetivos do desesperado Coral pernambucano. A necessidade de vitória vai forçar o visitante a produzir um jogo mais ofensivo, colocando em xeque a defensiva bicolor.

Por coincidência, nesta partida o Papão não poderá ocntar com seu zagueiro mais experiente. Perema está suspenso e deve ser substituído pelo novato Vítor Salinas, que entrou por alguns minutos em duas partidas. Do ponto de vista do marketing junto ao torcedor, o zagueiro tem feito sua parte. Lamentou ontem a ausência de público, fazendo elogios rasgados à força da torcida alviceleste nas arquibancadas.

Terá a responsabilidade de dar segurança a um setor do time que tem vivido uma certa instabilidade na Série C. O companheiro de Salinas na zaga deve ser Denilson ou Alisson. Na lateral esquerda, outra dúvida: Diego Matos ainda se recupera de contusão.

Em meio a isso, a diretoria abriu ontem a temporada de dispensas para enxugar o elenco. Sai de cena o atacante Bruno Paulo, contratado em junho e que esteve em campo por cerca de 60 minutos apenas, sem marcar gol. Com um currículo de passagens por Flamengo, Palmeiras e Corinthians, sua estadia em Belém foi decepcionante.

O corte de pessoal não ficará restrito a Bruno Paulo. Nos próximos dias, outros três jogadores devem ser dispensados pela diretoria, com foco principalmente no fraco contingente de meio-campistas.

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 03)

Em alta, Mbappé esnoba salário de R$ 273 milhões anuais do PSG

Apesar de propostas do Real, Mbappé irá cumprir último ano de contrato com o PSG - Catherine Steenkeste/Getty Images

O atacante francês Kylian Mbappé recusou uma proposta do Paris Saint-Germain para renovar contrato, que renderia salário líquido anual de 45 milhões de euros (R$ 273 milhões), conforme publicou nesta quarta-feira (1) o jornal “Le Parisien”. O jovem campeão mundial em 2018, foi um dos nomes mais badalados da recém-encerrada janela de transferências das principais ligas europeias, diante da tentativa do Real Madrid de contratá-lo.

Segundo o jornal “L’Équipe”, foi feita uma proposta verbal ao PSG de 200 milhões de euros (R$ 7,28 bilhões), que não chegou a ser confirmada por nenhuma das partes. A imprensa francesa garante que Mbappé chegou a acertar contrato com o clube espanhol. Com contrato se encerrando no meio do ano que vem, o time de Neymar, Lionel Messi e companhia tenta ampliar o vínculo com o jogador para não perdê-lo sem qualquer recompensa financeira no ano que vem.

A proposta de 45 milhões de euros anuais, publicada pelo “Le Parisien”, teria sido a segunda que o PSG apresentou a Mbappé. A primeira oferta teria sido de 25 milhões de euros anuais (R$ 151,6 milhões). O montante noticiado hoje colocaria o atacante como o dono do maior salário do clube francês.

FATOR LEONARDO

Tamim bin Hamad bin Khalifa Al Thani, Emir do Catar e dono do PSG teria sido o responsável por barrar a transferência de Mbappé para o Real Madrid. De acordo com o ‘L’Équipe’, o dirigente entendeu que não poderia privar o time e o público de ver Messi, Neymar e Mbappé, o trio MNM, jogando juntos.

A pedido do Emir, então, o PSG recusou as ofertas do Real para garantir o trio de ataque, nem que fosse por uma temporada e ao custo de milhares de euros. Com a transferência frustrada, o time de Paris continuará tentando renovar com Mbappé, o que é um desafio, já que de acordo com o jornal a relação do jogador com o diretor de futebol Leonardo ficou desgastada. (Com informações do UOL)