Cansados de Bolsonaro

Por Iran Souza

Cansamos de um presidente sem-noção que se porta como moleque. De suas bravatas golpistas. De suas mentiras. De sua baixeza. De seu negacionismo. De suas narrativas ridículas como a de que o voto impresso seria mais confiável. De sua estratégia fascista de militarização da política. (A propósito, “brasilianização” já é o novo termo para definir elites que não se importam com o povo que as mantêm no topo).

Situação vexatória a nossa: viver num país continental rebaixado a uma republiqueta de bananas. Cansados disso, queremos Bolsonaro fora do poder o quanto antes. Ufa!

Dia dos Pais: papel crucial da presença paterna no desenvolvimento afetivo e social de uma criança

A representação paterna na cultura popular sempre empurrou o estereótipo de pais como emocionalmente desconectados e com o papel principal de provedor do lar. Felizmente essa concepção tem mudado e cada vez mais tem se discutido o papel do pai na criação dos filhos. Na realidade, embora o amor da mãe seja importante e especial, de acordo com o psicólogo Alexander Bez, uma figura paterna ativa desempenha um papel igualmente importante no desenvolvimento saudável de uma criança.

O especialista explica que o se sentir amado e acolhido faz toda a diferença no crescimento do filho. “A presença paterna é essencial. Com a proteção do pai, sendo passada principalmente pelo afeto, a criança crescerá forte para enfrentar os percalços que habitualmente se apresentam em nossas vidas” – destaca. Bez afirma que esse apoio fará inclusive, com que a criança se desenvolva com menos suscetibilidade a apresentar problemas de atenção, memória e foco.

Além disso, segundo o psicólogo, se doar ao filho nos momentos em que estiver junto é o que fará com que ele adquira memória afetiva. “Os filhos com pais presentes tendem a ser mais confiantes, emocionalmente seguros e formar melhores laços sociais. Seus resultados educacionais costumam ser melhores e também são mais propensos a ter melhores habilidades de comunicação e funcionamento intelectual” – diz.

O especialista ressalta que, um pai ativo pode ajudar a aumentar a inteligência emocional de seu filho e a capacidade de resolução de problemas. “Os filhos com pais que o apoiam tem uma maior probabilidade de ter autoestima elevada e são geralmente mais felizes e confiantes. Além disso, a figura paterna, se exercida de maneira positiva, como citado anteriormente, fornece um modelo masculino que seus filhos possam se espelhar e ajudam a promover e reforçar bons comportamentos” – pontua. Por fim, Bez complementa: “É a coisa mais óbvia a se dizer, mas ainda assim, a mais importante – ter um pai presente faz a criança se sentir mais amada e isso, consequentemente faz com que os filhos cresçam felizes, saudáveis e cheios de autoestima!” – finaliza.

Recorde de pódios garante mais de R$ 4 milhões em premiações aos atletas

A delegação brasileira foi para as Olimpíadas de Tóquio-2020 com a expectativa de superar as 19 medalhas conquistadas nos Jogos do Rio-2016. O feito foi alcançado e poderia ter sido superado por larga vantagem, não fosse, por exemplo, a decepcionante campanha do vôlei, que conquistou apenas uma prata, com as mulheres na quadra. No Japão, além de superar o número total de pódios – conquistou 21 -, o Brasil igualou a quantidade de ouros em uma mesma edição, sete, como no Rio de Janeiro. Com isso, o Time Brasil ficou em 12º lugar no quadro de medalhas, a melhor posição de sua história, superando a 13ª colocação há cinco anos.

Pelo feito, os atletas brasileiros contarão com um incentivo extra do COB (Comitê Olímpico do Brasil), que pagará entre R$ 100 mil a R$ 750 mil por medalha conquistada. Com isso, as 21 medalhas trazidas do Japão custarão ao COB R$ R$ 4,250 milhões. Esses valores obedecem a critérios previamente estabelecidos pelo comitê e apresentam algumas distinções entre premiações individuais e por equipe. Os esportistas de ouro em modalidades individuais levam para casa R$ 250 mil. A medalha de prata vai gerar uma premiação de R$ 150 mil; e o bronze, R$ 100 mil.

Equipes de delegações maiores, como futebol e vôlei, dividem um valor cheio entre os atletas que conquistaram a medalha. O ouro vai render R$ 750 mil; a prata, R$ 450 mil e o bronze, R$ 300 mil. A premiação deverá ser entregue durante o ano de 2021, no Prêmio Brasil Olímpico ou em outro evento designado pelo COB. Atletas com medalhas em mais de uma prova acumulam os valores, recebendo por cada conquista.