Vacinação em Belém alcança pessoas com 19 e 18 anos

A vacinação contra a Covid-19 chega até as pessoas com 18 anos já neste sábado, 7. Mas antes, nesta sexta-feira, 6, será a vez das pessoas nascidas em 2001 garantirem a primeira dose. No sábado, 7, será a vez dos nascidos em 2002 e dos nascidos em 2003, com 18 anos completos até o dia 7 de agosto de 2021, seguindo a determinação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, publicado no dia 15 de julho de 2021.

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) disponibilizará 24 pontos de vacinação, que vão funcionar das 9h às 17h. Os documentos necessários são RG, CPF e comprovante de residência de Belém.

Veja onde você pode se vacinar:

1. Boulevard Shopping Belém – Estacionamento G6. Av. Visconde de Souza Franco, 776. Reduto;

2. Cassazum. Avenida Duque de Caxias, nº 1375, bairro do Marco;

3. Castanheira Shopping Center. Rod. BR 316, km 01, 3° piso. Espaço Cultural;

4. Colégio do Carmo. Travessa Dom Bosco, nº 72, bairro da Cidade Velha; (Não funcionará no dia 06 de agosto, sexta-feira)

5. Embarcação Aviso Auxiliar Breves, Marinha do Brasil, atracada no terminal hidroviário da Praça Princesa Isabel, Condor;

6. Escola de Enfermagem da UEPA. Avenida José Bonifácio, nº 1289, bairro do Guamá;

7. Faculdade Cosmopolita. Avenida Tavares Bastos 1313, Marambaia;

8. FIBRA. Avenida Gentil Bittencourt, nº 1144, bairro de Nazaré;

9. FUNBOSQUE. Avenida Nossa Senhora da Conceição, Distrito de Outeiro;

10. Ginásio do CCBS-UEPA, esquina da Perebebuí com Almirante Barroso;

11. Ginásio Mangueirinho. Avenida Augusto Montenegro, nº 524, bairro do Mangueirão;

12. Icoaraci. Escola Liceu de Artes e Ofícios Mestre Raimundo Cardoso. Tv. dos Andradas, 1110 – Ponta Grossa;

13. Icoaraci. Igreja do Evangelho Quadrangular. Travessa São Roque, 789, Cruzeiro;

14. Icoaraci. Paróquia de São João e Nossa Senhora das Graças. Praça Pio XII, nº 148;

15. Igreja do Evangelho Quadrangular. Barão de Igarapé Miri, esquina com 25 de junho, bairro do Guamá;

16. Mosqueiro. Escola Municipal de Ensino Fundamental Abel Martins. Rua Lalor Mota, 551, Carananduba;

17. Mosqueiro. Escola Estadual de Ensino Médio Padre Eduardo, R. Rodrigues Pinajé, 998;

18. Shopping Bosque Grão-Pará, entrada de carros exclusivo pelo acesso do Condomínio Cidade Cristal (acesso D) e entrada de pedestres pelo acesso da Rodovia dos Trabalhadores (acesso G);

19. Shopping Pátio Belém, 3º Piso, loja 358;

20. UEPA CCSE: Universidade do Estado do Pará – Centro de Ciências Sociais e Educação. R. do Úna, n° 156

21. UNAMA Parque Shopping. Rodovia Augusto Montenegro, 4300- Parque Verde, acesso lateral Rua Betânia

22. UNAMA. Avenida Alcindo Cacela, nº 287;

23. UNIFAMAZ. Avenida Visconde de Souza Franco, nº 72, bairro do Reduto;

24. Universidade Federal do Pará (Mirante do Rio/UFPA-Campus Guamá). Rua Augusto Corrêa, 01, Guamá. 

(Texto: Danielly Gomes/Agência Belém)

Pará representa Amazônia Legal em reunião com conselheiro de Segurança dos EUA

A importância da conservação da Amazônia para o modelo de negócio das  empresas - Época Negócios | Natura

Representante do Consórcio da Amazônia Legal, o governador Helder Barbalho reuniu no início da tarde desta quinta-feira (05) com Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos e assistente para Assuntos de Segurança do presidente Joe Biden. Também estiveram presentes os governadores do Amazonas, Wilson Lima, e de Rondônia, Marcos Rocha. O encontrou integra uma série de diálogos entre os estados da Amazônia Legal e os Estados Unidos visando à cooperação bilateral. Na ocasião foram discutidos vários temas, como regularização fundiária, combate ao desmatamento, serviços ambientais, bioeconomia, e cooperação financeira e em ciência e tecnologia.

Para Helder, é importante que a comunidade internacional procure os Estados da Amazônia para fortalecer o diálogo sobre a agenda climática. “Nós, governadores, demonstramos nosso compromisso em eliminar o desmatamento ilegal, descarbonizar as economias locais e demostramos, ao mesmo tempo, que podemos construir soluções com a sustentabilidade. Que possamos fazer com que esse desenvolvimento reverta a lógica econômica, criando alternativa, associada à atividade da agricultura e da pecuária, ao tempo em que a floresta em pé passa a ser valorizada num patamar de rentabilidade, e que com isso possamos gerar emprego e renda para os milhões de brasileiros que vivem na Amazônia”, enfatizou.

Ainda segundo Helder, o governo americano solicitou a apresentação das principais demandas dos estados para que possa ser internalizadas, com o governo norte-americano, soluções para a agenda climática. Durante a reunião foi apresentado o Plano de Recuperação Verde (PRV), elaborado pelo Consórcio Amazônia Legal, como mecanismo para que a reconfiguração da estrutura socioeconômica da Amazônia Legal tenha como efeito o estabelecimento de uma preservação duradoura dos ecossistemas locais.

Race To Zero – Helder ressaltou a meta do Plano Estadual Amazônia Agora (PEAA), que visa principalmente levar o Pará à neutralidade climática na área de “uso da terra e florestas” antes de 2036, e reafirmou o compromisso da adesão da campanha global Race To Zero para zerar emissões de gases do efeito estufa até 2050. Segundo ele, tudo isso é possível por meio de consolidações de parcerias com governos e instituições nacionais e internacionais. “A união de esforços em favor da Amazônia, e acima de tudo construir um novo conceito em que possamos valorizar as atividades da agricultura e da pecuária e construir uma nova economia verde, é o caminho para o desenvolvimento sustentável”, afirmou o governador do Pará.

Outro assunto abordado foi a complexidade da Amazônia e sua realidade muito específica, com espaços dos povos amazônidas nas estruturas de governança dos territórios. Jake Sullivan sinalizou o interesse positivo dos EUA em colaborar com os estados da região amazônica, e ressaltou que o presidente norte-americano reforça que a Amazônia é um ecossistema que precisa ser protegido, por ser indispensável ao planeta.

Combate ao desmatamento – De acordo com dados do Deter, serviço de alerta de desmatamento e degradação da floresta na Amazônia Legal, operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Estado do Pará teve uma redução de 11,4% no desmatamento, no período de agosto de 2020 a julho de 2021, em relação ao período de agosto de 2019 a julho de 2020, o que equivale a uma área de 55.421 hectares. Somente o mês de julho, quando comparado ao mesmo período do ano passado, apresenta uma diminuição de 32% no desmatamento em todo o Estado e mostra diminuição de 26.342 hectares.

Essa redução é resultado dos esforços empreendidos pela Força Estadual de Combate ao Desmatamento, por meio da Operação Amazônia Viva, que já contabiliza 14 fases.

“Pé no Chão” – No último dia 30 de julho, Helder Barbalho compôs o grupo de governadores que participou de videoconferência com o enviado especial para o Clima do Governo dos Estados Unidos, John Kerry. O encontro teve a participação de autoridades de todas as regiões do Brasil. Foram apresentados projetos prioritários de cada região na área de conservação ambiental.

O Pará, representando a região Norte, apresentou o Projeto “Bioeconomia Pé no Chão”, desenvolvido em parceria com a Universidade de Nova York (NYU), que busca a construção e execução de um plano de ação para o desenvolvimento do Pará nos níveis econômico e humano. Helder Barbalho ressaltou que “a Bioeconomia é uma oportunidade que a Amazônia tem para expressar seu inteiro potencial e produzir desenvolvimento justo e vocacionado, a partir do capital natural que temos como diferencial perante o mundo”.

Vá fundo, Bolsonaro

Por Mario Sabino, em O Antagonista

Vá fundo, Bolsonaro

Ora, ora, o presidente Jair Bolsonaro agora diz que não vai acatar futuras decisões do Supremo Tribunal Federal e que vai “atuar fora das quatro linhas” da Constituição. Está confiante que o apoio da militância bolsonarista lhe dará costas suficientemente grandes para peitar o STF, que o investiga por coisa pouca, como descrito na decisão do ministro Alexandre de Moraes:

“Não há dúvidas de que as condutas do Presidente da República insinuaram a prática de atos ilícitos por membros da SUPREMA CORTE, utilizando-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, com o intuito de lesar ou expor a perigo de lesão a independência do Poder Judiciário, o Estado de Direito e a Democracia; revelando-se imprescindível a adoção de medidas que elucidem os fatos investigados. As condutas noticiadas, portanto, configuram, em tese, os crimes previstos nos arts. 138 (calúnia), 139 (difamação), 140 (injúria), 286 (incitação ao crime), 287 (apologia ao crime ou criminoso), 288 (associação criminosa), 339 (denunciação caluniosa), todos do Código Penal, bem como os delitos previstos nos arts. 17, 22, I, e 23, I, da Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/83) e o previsto no arts. 326-A da Lei 4.737/65 (Código Eleitoral).”

É uma capivara que impõe respeito a qualquer meliante, convenhamos, e que ainda poderá ser acrescida de crimes como peculato, se investigarem as supostas rachadinhas ocorridas no seu gabinete de deputado federal, e até genocídio, se a CPI da Covid concluir que a obtenção da “imunidade de rebanho natural”, ao custo de centenas de milhares de vítimas, numa espécie de seleção natural que eliminaria os mais fracos e velhos, era o objetivo do governo de Jair Bolsonaro, ao deixar de comprar vacinas em quantidade suficiente de gente correta no momento certo, preferindo negociar com picaretas no momento errado, além de sabotar as medidas restritivas para impedir a circulação do vírus.

O dono dessa capivara agora diz que não vai acatar decisões do STF. Há aí uma grande oportunidade para tirar o sujeito de Palácio do Planalto, sem que se possa contornar o inevitável. O artigo 85 da Constituição é bem claro: trata-se de crime de responsabilidade, e motivo de impeachment do presidente, atentar contra “o cumprimento das leis e das decisões judiciais”. Não haverá jurisprudência de ocasião capaz de anular o que está explicitado no texto constitucional. Não haverá Centrão capaz de impedir que se faça o óbvio nesse caso. Não haverá gangue capaz de deter o cumprimento da lei.

Estou na torcida para que Jair Bolsonaro desrespeite decisões judiciais. Ele estará fora do jogo no minuto seguinte.

Vá fundo, presidente, e leve a sua capivara consigo.

Globo passou do ponto com Juliette?

Por Felipe Pinheiro, no UOL

Juliette chora de emoção ao ganhar o 'BBB 21' - Reprodução/ Globoplay - Reprodução/ Globoplay

De um bairro humilde de Campina Grande para a consagração como a campeã do “BBB 21”. A jornada de Juliette Freire foi esmiuçada no documentário do Globoplay, “Você Nunca Esteve Sozinha”, finalizado nesta semana, com o lançamento do sexto e último episódio na plataforma. Que a história deva ser celebrada, não há dúvidas, mas precisava de tudo isso?

A vencedora do “BBB 21” é um caso raro. Perseguida no reality show, ela foi abraçada pelo público. Além de cantar de forma elogiável como se estivesse no “The Voice”, Juliette trouxe suas raízes e sua cultura para o programa de maior audiência da TV aberta.

O que não significa que ela não tenha tropeçado durante sua passagem pela casa, é claro. Quem não se incomodou quando ela se colocou no centro das discussões? O apelido de “Euliette” não foi por acaso, nós sabemos. Assim como todos os brothers e sisters desta temporada, Juliette também errou, mas os acertos foram maiores e ela escapou do cancelamento que derrubou Karol Conká, Projota e companhia.

A Globo também entendeu que estava diante de um evento singular e se apressou para faturar com mais uma participante que entrou como pipoca (ou seja, do time dos anônimos) e que hoje tem números maiores de quem entrou no programa como integrante do time do camarote (os famosos da edição). Antes mesmo de Tiago Leifert anunciar a vitória no reality, a emissora já planejava uma série documental sobre a favorita absoluta do “BBB 21”.

Isso fica claro no primeiro episódio do documentário, que mostra a família dela reunida à espera do resultado (após uma campanha intensa nas redes sociais, considerada um case de sucesso no mundo do marketing digital). Pontos para a emissora, que prolongou em mais de um mês o sucesso do reality show em sua plataforma de streaming.

Se tudo que é demais cansa, eram necessários seis episódios de quase 50 minutos cada? Três episódios teriam sido mais que o suficiente para contar esta história.

Pouquíssimas foram as novidades da história de Juliette realmente apresentadas em “Você Nunca Esteve Sozinha”. Afinal, ela já havia contado tudo, em detalhes, durante a estadia na casa. A morte da irmã dela, um dos momentos mais dramáticos da trajetória de Juliette, já era conhecida.

A cada semana os “cactos” preparavam os lenços porque sabiam que mais chororô vinha pela frente. Reencontro com Gil do Vigor? Lágrimas. A volta à Paraíba? Mais lágrimas. O abraço na mãe depois de meses sem vê-la? Choro, choro e mais choro. A Globo parcelou momentos emocionantes de tal forma que enjoou. Já dizia Galvão Bueno “Haja coração!”.

Qual é a graça de assistir ao “Vale a Pena Ver de Novo” do “BBB 21”? Foi mais ou menos o que a Globo fez, não é? As cenas do reality show serviram de material à produção. E assistimos ao reality dentro do reality, com Juliette assistindo aos momentos dela mesma no programa.

A sessão de análise do documentário é dispensável. E o único reencontro que, de fato, eu gostaria de ver seria com Karol Conká, que tanto falou mal de Juliette, mas isso não aconteceu.

A despeito do lenga-lenga que se tornou “Você Nunca Esteve Sozinha”, a produção merece elogios pela qualidade técnica e pelo trabalho de apuração em tempo recorde. Personagens importantes da vida de Juliette foram ouvidos, como os irmãos, os pais e tantos outros que ajudaram a advogada a chegar onde chegou, conquistando um lugar no principal reality show do país. E também no coração de milhões de brasileiros.

Fim de uma era: Lionel Messi deixa o Barcelona

Imagem

A cena parecia quase inimaginável até pouco tem atrás: Lionel Messi usando a camisa de um clube que não seja o Barcelona, onde construiu toda sua gloriosa carreira. Depois de muitas negociações, iniciadas há um ano e meio, ele finalmente anunciou que não seguirá vestindo o manto azul-grená. No começo da tarde desta quinta-feira, o divórcio foi confirmado pela própria diretoria do clube catalão, reconhecendo a impossibilidade de renovar contrato com o super craque argentino.

De imediato, a imprensa internacional iniciou as especulações quanto ao futuro de Messi. No momento, PSG de Neymar, Manchester City de Pep Guardiola e Inter de Milão surgem como os clubes mais dispostos a contratar o melhor jogador do mundo.

Imagem