Papão já tem um novo técnico

Através do site oficial do PSC, foi anunciado na noite desta segunda-feira o nome do técnico Roberto Fonseca como novo comandante para o restante da Série C. O último clube do treinador foi o Londrina, onde ficou por 26 jogos, conquistando 6 vitórias. O clube agiu rápido para substituir Vinícius Eutrópio, demitido no começo da tarde. Abaixo, a matéria sobre Fonseca no site do Papão.

Imagem
Imagem

Mais de 670 empresas já foram beneficiadas com capital de giro do Banpará

O Banco do Estado do Pará (Banpará) contabiliza desde junho do ano passado cerca de R$ 43 milhões em crédito para mais de 670 pessoas jurídicas, dentro do Programa Capital de Giro Empreendedor, iniciativa do Governo do Estado em prol do incentivo às empresas impactadas pela pandemia. 

Com liberação de recursos que variam entre R$ 5 mil a R$ 1 milhão, o crédito auxilia na manutenção e retomada gradual das  atividades econômicas, fomentando o desenvolvimento econômico e social, além da geração de emprego e renda. Com taxa de juros a 0,85% ao mês, a instituição ainda concede 90 dias de carência para o pagamento da primeira parcela. 

Jones Alberto é proprietário de uma empresa que já está há 21 anos no mercado e aderiu ao programa.  “Temos comércio de equipamento e suprimento de informática, material de expediente, limpeza, móveis, centrais de ar. No serviço, temos as instalações de centrais de ar, a manutenção de impressoras, notebooks, computadores e também temos as obras de construção e reforma”, explicou.

A recomendação sobre o programa ocorreu por outros amigos do segmento. “Fomos indicados para a agência, hiper bem atendidos. O tempo todo informados do andamento do processo de como estava sendo alicerçado o capital de giro. Não tivemos problema algum, na realidade todo o que foi solicitado de documentação nós fomos apresentando e quando chegou o período, o capital ajudou, sim”, avaliou o empresário.

Com o incremento do capital foi possível ampliar o quadro de funcionários. “Estamos hoje com obras em 12 municípios do Estado do Pará, reformando escolas, postos de saúde e creches. Então ajudou muito na questão da geração de emprego e renda, pois aumentamos nosso efetivo de colaboradores externos e internos. E realmente tivemos um período de puro equilíbrio financeiro”, celebrou Jones. 

Pressionada pela torcida, diretoria do PSC dispensa Vinícius Eutrópio

Vinícius Eutrópio não é mais técnico do Paysandu — Foto: John Wesley/Ascom Paysandu

Uma reunião realizada pela diretoria do PSC na tarde desta segunda-feira, 26, decidiu pela demissão do técnico Vinícius Eutrópio. Após vários tropeços em casa e rendimento técnico insuficiente, o treinador não resistiu à pressão e foi dispensado. A comunicação foi feita depois da chegada da delegação, que viajou de Manaus para Belém, após o jogo contra o Manaus, no domingo.

Eutrópio assumiu o comando após a saída de Itamar Schulle. Sua contratação desagradou a torcida com um pé atrás, preocupada com o currículo sem títulos e acessos. Suas últimas passagens por times catarinenses (Chapecoense, Figueirense e Joinville) aumentaram o peso das críticas logo que foi anunciado pela diretoria.

À frente do elenco bicolor, Eutrópio contabilizou nove jogos, com três vitórias, quatro empates e duas derrotas – aproveitamento inferior a 50%. As três vitórias fora de casa na Série C deram ao time uma pontuação acima do rendimento técnico mostrado em campo. Sem organização e taticamente confuso, o PSC não fez nenhum jogo que enchesse os olhos da torcida.

As duas derrotas na Curuzu, contra Botafogo-PB e Ferroviário, contribuíram para a decisão dos dirigentes. A preocupação agora é contratar um novo técnico, capaz de recuperar o time e realizar uma boa campanha no returno da fase de classificação da Série C. João Brigatti, Mazola Jr. e Marcelo Chamusca são nomes especulados, mas não confirmados pela diretoria.

NOTA OFICIAL DO CLUBE

“O Paysandu Sport Club informa que o técnico Vinícius Eutrópio e o auxiliar-técnico Felipe Sampaio não fazem mais parte do elenco de futebol profissional bicolor.

Na manhã da próxima terça-feira (27), o grupo será recebido pelo auxiliar-técnico permanente do clube, Wilton Bezerra, na reapresentação do time, no Estádio Banpará Curuzu.

A instituição agradece a ambos pelos seus serviços prestados.”

Estado profundo no Brasil como filial do ‘Deep State’ dos EUA

Por Roberto Moraes

Parece estar em curso no Brasil uma tentativa de estruturar, à imagem semelhança dos EUA, um Deep State, não como estrutura independente, mas como filial à sede do estado profundo americano. m esquema de poder que está acima do poder político e do governo do Estado-nação. Uma articulação que envolve no Brasil o Partido Militar, assim como o complexo militar dos EUA (Defesa-Estado Maior, Departamento de Justiça, CIA, NSA e FBI), o esquema financeiro de Wall Street e o setor de comunicações e mídias, hoje sob um controle cada vez maior das Big Techs.

No Brasil, o Arenão envolve o Partido Militar, o poder político congressual, a Faria Lima, redes sociais do bolsonarismo e parte do Judiciário. A subsidiária recebe apoio da matriz desde a sua gênese, lá nos esquemas ilegais da Operação Lava Jato e República de Curitiba com o Departamento de Justiça dos EUA.

No Brasil, após o golpe de 2016 e 2018, assume o governo o Partido Militar e assim eles tomam posse e controle de quase 10 mil cargos civis. Desta forma, se iniciam várias articulações entre autoridades governamentais, instituições da sociedade civil, empresas e consultorias afim de capturar o Estado para um comando mais profundo e paralelo (Deep State).

Trata-se de um estrutura que segue sendo montada por uma sociedade tripartite formada: a) militares no governo (em cargos civis) e na reserva das três forças militares (gente oriunda da Fundação Dom Cabral e FGV) que opera a formação de empresas e consultorias para formalizar contratos com o governo; b) gente vinculada ao setor financeiros (gestora de fundos e bancos tradicionais) e demais operadores da nova intermediação financeira do país em grande parte situada na Faria Lima; c) a intermediação política do Centrão.

Não se trata de uma aliança harmoniosa e sim um movimento com tensões entre eles mas com objetivos centrais claros num esforço de manter e ampliar o poder político e financeiro. Na essência, a garantia de uma tutela sobre todas as demais forças políticas do país.

O caso das compras das vacinas sob interferência de militares de alta patente com empresas novas e estranhas ao setor; o soft israelense Pegasus de espionagem e controle político; as articulações com a direita americana, latino-americana, haitiana e australiana, etc., a vinda do diretor da CIA ao Brasil, assim como o Departamento de Justiça dos Estados Unidos desde a Lava a Jato são partes deste processo, onde os fluxos de informações e acordos entre as partes e o todo precisam ainda ser melhor conhecidos.

O objetivo maior deste Estado Profundo no Brasil é um projeto de poder de longo prazo – assim como nos EUA – que vai para além de mandatos obtidos pela via eleitoral no país. Eles se articulam e agem como subsidiária dependente de um comando central consentido que se movimenta entre agentes do governo, empresas do setor financeiro e cada vez mais por entre fileiras do comando militar.

Não é difícil interpretar como se dá a articulação desta estrutura, desde que siga as pistas que em boa parte foram ficando mais claras, a partir da CPI da Covid.

Agentes, instituições, processos, objetivos e estratégias daqueles que operam essa articulação estão em evidências, assim como as seguidas tentativas para despistá-las.

Evidente que ao fazer uma análise deste tipo se está apoiando em fatos reais, mas também em hipóteses.

Portanto, não se pretende com esta reflexão tirar conclusões definitivas, mas chamar a atenção para alguns campos de investigação sobre os movimentos das relações de poder no Brasil.

Enfim, trata-se de uma ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA (ORCRIM), com ramificações nos três poderes e nas forças armadas, que atua para SUBVERTER o regime democrático e a soberania nacional, submetendo o povo brasileiro aos interesses de um grupelho de parasitas corruptos articulados para defenderem seus próprios interesses e de corporações norte-americanas.

Justiça anula eleição na CBF e nomeia presidente do Flamengo como interventor

Rogério Caboclo — Foto: Agif

Do GE

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu nesta segunda-feira pela nulidade da Assembleia Geral da CBF que mudou a forma de votação para a presidência de entidade. Com isso, a eleição de Rogério Caboclo para a presidência, em abril de 2018, está anulada. Como a decisão é em primeira instância ainda cabe recurso.

De acordo com a sentença do juiz Mario Cunha Olinto Filho, da 2ª Vara Cível da Barra da Tijuca do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, e o presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, foram nomeados para comandar a entidade por 30 dias.

Neste período, eles terão como obrigação a “convocação do Colégio Eleitoral, composto pelas Federações e times da primeira divisão do campeonato brasileiro, para votarem a alteração estatutária no que diz respeito a redefinição das regras do estatuto de 2015, em especial”:

  1. Definição de pesos diversos entre as Federações e clubes;
  2. Exigências para candidaturas;
  3. Inclusão dos times de segunda divisão (com o respectivo peso de voto) no Colégio, inclusive para as eleições que se seguirão.
Rodolfo Landim foi nomeado como um dos interventores da CBF — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Com a decisão desta segunda, o paraense Antonio Carlos Nunes, que comanda interinamente a entidade por conta do afastamento de Caboclo, ainda permanece no cargo. Na teoria, ele vai trabalhar com Landim (foto acima) e Bastos. Os dois ainda não responderam se aceitam a missão.

“Acolhe-se o pedido de destituição daqueles que foram eleitos no pleito decorrente da modificação estatutária que se entende nula, contudo, como já dito, evitando-se uma situação de grave risco de dano e insegurança geral, mantém-se provisoriamente os atuais dirigentes até que se consagrem os novos eleitos, evitando-se vacância, descontinuidade e seríssimos problemas administrativos, além de severos ônus aos interventores”, traz a decisão do juiz.

O juiz aceitou o pedido do Ministério Público, que não contesta a eleição em si, mas a Assembleia Geral da CBF que determinou as regras para a realização da eleição. Em 2017, os presidentes de federações alteraram o peso dos votos da eleição, sem consultar os clubes da Série A.

A CBF entende que a eleição não pode ser anulada, porque a ação foi proposta em 2017 – e a eleição só ocorreu em 2018. A entidade deve recorrer da decisão do juiz da 2ª Vara Cível da Barra. A CBF atravessa a maior crise da sua história desde maio. Caboclo foi afastado pela Comissão de Ética do Futebol dois dias depois de uma funcionária da entidade o acusar de assédio moral e assédio sexual.

Ninguém entendeu a lógica dessa história. Mas, uma coisa é certa: por vias indiretas, o Flamengo assume o que sempre lhe pertenceu, de fato.

Fora da agenda, Bolsonaro reúne e posa abraçado com parlamentar neonazista

Imagem

O presidente Jair Bolsonaro recebeu a deputada alemã de extrema direita Beatrix von Storch no Palácio do Planalto. O encontro não constou da agenda oficial. Von Storch é uma das líderes do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), de clara inspiração nazista, que foi posto sob vigilância da Inteligência alemã em março deste ano como ameaça em potencial à ordem democrática do país.

A reunião foi revelada por Von Storch, cuja carreira na política sempre foi vinculada ao nazismo. Ela publicou uma foto em que aparece ao lado de Bolsonaro e de seu marido, Sven von Storch. Na semana passada, a parlamentar já havia se reunido com os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF).

Os encontros com os deputados foram criticados pelo Museu do Holocausto e pela Confederação Israelita do Brasil (Conib). O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, também recebeu a parlamentar alemã.

Von Storch deu diversas declarações xenófobas nos últimos anos, especialmente contra imigrantes. Em 2016, ela sugeriu que a seleção de futebol alemã deveria jogar com menos jogadores imigrantes, depois de o time ser eliminado da competição europeia.

Em 2018, ela foi alvo de uma investigação por possível incitamento ao ódio contra os muçulmanos, ao criticar a polícia do Estado da Renânia do Norte-Vestfália por publicar uma mensagem de Ano Novo em árabe.

Em março, o Escritório para a Proteção da Constituição pôs a AfD na categoria de “casos suspeitos”, permitindo a vigilância de suas comunicações ou a introdução de informantes em seus quadros. Foi a primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial que um partido com representação no Parlamento do país, o Bundestag, foi alvo de tal medida. (Com informações de O Globo)

Imagem

Um cabeceio milagroso

Anderson Paraíba, Manaus x Paysnadu

POR GERSON NOGUEIRA

Não faltou movimentação e esforço no jogo entre Manaus e PSC, ontem, na Arena da Amazônia. Em alguns momentos, houve até força excessiva, jogadas bruscas. Só faltou qualidade, de parte a parte. Ao longo do primeiro tempo, o cenário foi desolador. Muitos passes errados, faltas violentas e poucos lances claros de gol. No final, João Diogo compensou a pobreza técnica com um golaço. E o Papão foi abençoado com um gol que caiu do céu. Sem jogar desde dezembro, Rildo salvou a lavoura.

O empate diz muito do que foi o jogo, com equilíbrio acentuado entre os dois times, ambos limitados e sem inspiração. Na etapa inicial, o PSC adiantou a marcação e criou instabilidade no setor defensivo do Manaus até os 20 minutos. Conseguia recuperar a bola, mas não tinha planejamento e organização para criar situações de perigo.

Aos poucos, o Manaus foi se posicionando melhor e começou a levar perigo, com Philip e Anderson Paraíba, principalmente. Aos 21’, Rafael Lucas avançou pela esquerda e passou para Anderson cruzar rasteiro. Victor Souza espalmou e Philip chegou atrasado na pequena área.

Luan teve nos pés a melhor oportunidade do Papão, aos 32’. Danrlei fez o corta-luz e o atacante finalizou, mas a bola foi nas mãos do goleiro. Luan tinha a opção de passar por Marlon, que estava livre, entrando pela direita. Foi o único lampejo do ataque do PSC na primeira etapa.

Veio o segundo tempo e Vinícius Eutrópio trocou Paulinho por João Paulo, para melhorar o passe no meio. E, de início, funcionou. Logo aos 8 minutos, João Paulo apareceu na esquerda e lançou a bola na área, com três bicolores bem posicionados. Antes de a bola chegar, Denilson e Marlon escorregaram e o lance foi desperdiçado.

Spice, Manaus x Paysandu

Aos 15’, o centroavante Danrlei recebeu a primeira bola limpa junto à área. Passou pela marcação e bateu cruzado. O goleiro Renan Rocha tocou de leve e a bola bateu na trave. Como prêmio às avessas, Danrlei saiu dois minutos depois substituído pelo novato Tiago Santos. Rildo entrou em seguida, no lugar do improdutivo Luan.

O Manaus mexeu no meio e no ataque, melhorando a transição ofensiva com a entrada de Douglas Lima e João Diogo. Aos 36’, surgiu a jogada que salvou o jogo da ruindade completa. No lance mais criativo da tarde, Douglas descolou um cruzamento perfeito na direita e a bola caiu no meio da área. João Diogo entrou livre e tocou com categoria, de calcanhar, para o fundo das redes. 

O gol tranquilizou o Manaus e desarvorou ainda mais o já confuso esquema do PSC. Mais perdido ainda, Eutrópio botou Bruno Paulo em campo e o time ficou rondando a área, mas não tinha jogadas para superar a marcação.

Até que, aos 49’, quando o jogo caminhava para a vitória amazonense, uma cobrança de falta alcançou Rildo no meio dos zagueiros. Ele cabeceou e encobriu o goleiro Renan Rocha, que saiu mal. A bola ainda foi tocada por um zagueiro dentro do gol. Ante a derrota iminente, o empate foi intensamente comemorado como vitória pelos bicolores.

Avaliações delirantes para uma atuação ruim

Com 13 pontos (11 ganhos fora de casa), o PSC segue fora do G4 do grupo A da Série C. Segue posicionado atrás de Botafogo (15), Ferroviário (15), Tombense (14) e Volta Redonda (14) na virada para o returno da primeira fase. Apesar da colocação incômoda, o técnico Vinícius Eutrópio parece destoar do clima geral de descontentamento com as atuações do time.

A atuação confusa e atrapalhada de ontem foi avaliada como boa pelo treinador. Na entrevista, Eutrópio disse que dominou as ações, que merecia a vitória e voltou a argumentar que os times se fecham porque todos querem vencer o PSC de qualquer maneira. E afirmou que o Manaus saiu tão feliz que comemorou o empate, o que definitivamente não ocorreu.

Quanto às intenções dos adversários, nada a contestar, afinal vencer é o objetivo de todos. O problema maior é ver domínio onde só existiu balbúrdia e falta de estratégia. Foi mais um jogo sem força ofensiva e nenhum trabalho consistente no meio-campo.

Eutrópio também vê erradamente as atuações individuais. Elogiou Luan, Tiago Santos, Ratinho e até Bruno Paulo, que jogou por 12 minutos e não deu um chute a gol. No final, ainda levou cartão vermelho por reclamação. Nenhuma palavra sobre os nativos Diego Matos e Danrlei.

O PSC precisa rever a escolha de jogadores e o sistema a ser usado. Não adianta entrar com três atacantes se a equipe não consegue tramar jogadas com a participação de seu centroavante. Danrlei ficou isolado a maior parte do tempo e Diego Matos apareceu mais depois que passou a ser acionado por João Paulo.

Importante: a primeira parte da fase de classificação já passou.

Leão tenta estancar a súbita queda de rendimento

Com a presença do meia-atacante Mateus Oliveira como reforço, o Remo se prepara para o jogo de quarta-feira contra o Avaí. Confronto importante, que pode valer a recuperação dentro do campeonato. A derrota para o Londrina fez o time cair do 11º para o 13º lugar. A prioridade é retomar a pegada dos jogos contra Brusque, Ponte Preta e Cruzeiro.

A mobilidade ofensiva que impressionou a todos saiu de cena na partida em Londrina. O time parecia incapaz de trocar passes em velocidade e ainda sentiu a baixa performance de jogadores importantes, como Victor Andrade, Felipe Gedoz e Dioguinho.

O rendimento previsível e pouco agressivo deixou dúvidas quanto às possibilidades do Leão para os próximos desafios da competição. A queda brusca de nível técnico deve ser objeto da atenção do técnico Felipe Conceição. Com jogadores exauridos e sem reservas à altura, o time sofre quando precisa reverter resultados. Sexta-feira isso voltou a ocorrer.

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 26)