Bastidores do rock

Imagem

Durante as três semanas de gravação de “Let It Be”, os Beatles também ensaiaram três quartos do álbum Abbey Road, metade do álbum All Things Must Pass, de George Harrison, além de seis músicas que mais tarde apareceriam nos álbuns solo de Paul McCartney e alguns que apareceria no de Lennon. Eram gênios e trabalhavam muito.

Sobre a abissal diferença

POR GERSON NOGUEIRA

Imagem

A Seleção da CBF passeou em campo contra o Peru, metendo 4 a 0 sem fazer muito esforço e aproveitando bem as facilidades próprias da Copa América, que parece ter sido programada para um triunfo da “amarelinha”. Foi uma atuação tranquila, fria, burocrática em muitos momentos, mas com o desfecho mais do que previsível.  

Os motivos são mais do que conhecidos para tamanha tranquilidade. O Brasil sobra nos confrontos contra adversários do continente. Foi assim nas eliminatórias para a Copa de 2018 e continua do mesmo jeito em 2021. O futebol não mudou quase nada, é mecânico e chato de acompanhar.

Para os apóstolos da objetividade, o que importa é vencer sempre, não importa como. Nesse aspecto, o Brasil está fazendo o seu papel. Não encanta – nem precisa –, mas vai levando de roldão uma competição sob medida para um triunfo da equipe de Tite. Não existem oponentes à altura.

Até mesmo a Argentina, rival de sempre, tem uma seleção que cause preocupação. Enfrentou o Chile e ficou no 1 a 1 em jogo horroroso. Não que os jogos do Brasil sejam encantadores. Muito pelo contrário. O tédio domina a cena.

Nem mesmo as iniciativas individuais de Neymar, partindo com a bola dominada e encetando uma série de dribles, atenuam essa percepção. O sistema adotado é encaixotado. Os jogadores de meio são autômatos. Fred é um mero passador de bola, Richarlison é um atacante de força. Firmino não mostra a clareza de ideias que exibe no Liverpool.

Nada disso parece importar muito. Foi-se o tempo em que a Seleção se esmerava em dar grandes espetáculos. Jogava com elegância e esbanjava talento. Bola de pé em pé, variações inspiradas e ataque avassalador. Hoje, ainda que o adversário seja um desfalcado escrete peruano, a velha habilidade brazuca raramente dá as caras.

Pareço um velho ranheta reclamando dos novos tempos. Mas tenho bons motivos para enxergar dessa forma o que muitos saúdam como promissor. Minhas referências são timaços de futebol, capazes de encarar olhando de cima qualquer adversário no planeta.

Os tempos mudaram, eu sei, mas não precisava ser tão ingrato com o Brasil bom de bola. No mesmo período em que se desenrola a Copa América de 65 contaminados pela covid, a Euro 2021 entrega ao mundo diariamente grandes espetáculos, repletos de lances surpreendentes, gols de bela feitura, jogadores inquietos e bons de drible.

No Cartaz Esportivo da Rádio Clube, ontem, conversando com Valmir Rodrigues, chegamos a uma dura constatação: o jogo praticado na Europa é mais sedutor e atraente do que o que se pratica na América do Sul. Eliminatórias e Copa América confirmam isso.

ESP - Rio de Janeiro (RJ) 17/06/2021 - Copa América 2021 - Jogo entre Brasil x Peru no Estádio Olímpico Nilton Santos. Foto Alexandre Cassiano

Nunca o continente foi tão mal aquinhoado de craques e times. Qualquer seleção mediana da Europa faria furor em jogos contra equipes sul-americanas. Vi Holanda e Áustria duelarem em igualdade de condições, apesar do triunfo final da antiga Laranja Mecânica. Confronto bonito, de passes longos, investidas conscientes e treinadas.

Antes, acompanhei a Bélgica de Kevin De Bruyne passar sobre a Dinamarca num embate empolgante. Nos primeiros 45 minutos, a velha mística agressiva dos dinamarqueses foi predominante, mas bastou um craque entrar em cena para a história mudar. De Bruyne, talvez o melhor do planeta hoje, saiu do banco para garantir a virada da Bélgica.

Lamento informar aos pachecos e nacionalistas empedernidos que não existe mais a mínima chance de ficarmos repetindo o bordão de que aqui se pratica o melhor futebol do mundo. A Europa domina a cena, indiscutivelmente. Por isso, venceu todas as Copas desde 2006. Arrisco dizer que, nessa toada, vai levar a de 2022 também.

Um Parazão extra para amparar clubes e atletas

Recebo uma mensagem do radialista Paulo Vasconcellos, de Capanema, cobrando da FPF mais atenção em relação aos clubes que ficam sem calendário depois da participação no campeonato estadual. “Avaliem a possibilidade da realização de um extracampeonato paraense, reunindo os clubes que não conseguiram classificações às fases finais, pois, após encerramento do Parazão, muitos atletas ficam desempregados, por que os clubes suspendem as suas atividades. Um exemplo bem presente é o caso da Tuna, que ficará sem qualquer competição até janeiro do ano que vem, mesmo que conquiste o campeonato deste ano”.

Demonstra saber que o dinheiro anda escasso, mas sugere que a FPF faça um planejamento e busque patrocínios – do governo do Estado, inclusive – para que o Parazão Extra possa ser viabilizado. “No mais, espero que estudem a proposta e que o futebol paraense continue sendo muito bem frequentado pelos clubes e significativamente com as participações do interior do Estado. Está provado pelo mapa que o resultado é positivo no que diz respeito à integração social através do esporte”.

Papão reforça setor que já tem excesso de peças

O PSC anuncia a contratação de dois volantes. Não era a posição de maior carência. A urgência é mais à frente. É necessário contratar um meia-armador capaz de organizar e liderar o time em campo. Ainda assim, por iniciativa do técnico Vinícius Eutrópio, foi providenciada a vinda de dois jogadores de marcação.

Um é Paulo Roberto, de 34 anos. O outro é Marino, ex-Cuiabá, de 35 anos. Não se pode antecipar julgamentos, mas fica no ar a quase certeza de que o clube está marcando passo. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 18)

Com 5 baixas, Leão terá volta de Lucas Tocantins contra o Avaí em Floripa

Erick Flores, Lucas Tocantins, Edson Cariús, Fredson e Arthur

Com treino apronto previsto para a tarde desta sexta-feira (18) no CT do Figueirense, em Florianópolis, o Remo se prepara para enfrentar o Avaí amanhã com uma escalação modificada, em função das muitas baixas no elenco. Sem cinco titulares (Marlon, Suéliton, Uchoa/suspenso, Wellington Silva e Jansen), o técnico Paulo Bonamigo deve mandar a campo a seguinte formação: Vinícius; Thiago Ennes, Romércio, Kevem e Igor Fernandes; Vinícius Kiss (Artur), Lucas Siqueira e Rafinha (Gedoz); Jefferson, Renan Gorne e Lucas Tocantins.

A novidade é a volta do atacante Lucas Tocantins, um dos mais importantes do elenco, que se recuperou de lesão nos últimos dias e foi incluído na delegação. Será a estreia dele na Série B. A partida está marcada para sábado, 16h30, no estádio da Ressacada, valendo pela 5ª rodada do Brasileiro. O Remo tem cinco pontos ganhos e ocupa a 10ª colocação na classificação.

RELACIONADOS

Goleiros – Vinicius e Thiago Rodrigues;

Laterais – Thiago Ennes, Igor Fernandes e Ronald;

Zagueiros – Romércio, Kevem e Fredson;

Volantes – Lucas Siqueira, Vinícius Kiss e Arthur;

Meias – Felipe Gedoz, Rafinha e Erick Flores;

Atacantes – Dioguinho, Lucas Tocantins, Renan Gorne, Jefferson, Edson Cariús e Gabriel Lima.

Zequinha, Malafaia, Feliciano e André Mendonça no bonde dos sem-máscara no Pará

André Mendonça no bonde dos sem-máscara no Pará

André Mendonça está na comitiva presidencial que visita o Pará nesta sexta-feira (18). O atual advogado-geral da União é o mais cotado para a vaga de Marco Aurélio Mello no STF. Mendonça aparece em foto no avião presidencial com Jair Bolsonaro e os deputados federais Marco Feliciano (Republicanos-SP), Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), Éder Mauro (PSD-PA) e Joaquim Passarinho (PSD-PA), este o único de máscara.

Também está na foto o senador Zequinha Marinho (PSC-PA), aliado ferrenho de Bolsonaro e amigo do ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. Na agenda pública de Bolsonaro hoje no Pará aparecem três compromissos: em Marabá, Novo Repartimento e em Belém. Na capital paraense, às 19h30, o presidente participa de “Culto em Comemoração dos 110 Anos da Assembleia de Deus no Brasil”. (De O Antagonista)

Bolsonaro quer combater impopularidade com telejornal só de “boas notícias”

Com a popularidade cada vez em baixa, Jair Bolsonaro já começa a apelar. No momento em que o país está às portas da marca de 500 mil mortes por Covid-19, o governo estuda usar a TV Brasil, canal público ligado ao Ministério das Comunicações, para lançar um telejornal que mostrará apenas “boas notícias” e “fatos leves” sobre temas como comportamento e entretenimento.

O próprio ministro das Comunicações, Fábio Faria, negocia a “atração” diretamente com Sirlei Batista, diretora de jornalismo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), estatal responsável pela emissora, de acordo com reportagem de Lauriberto Pompeu, no Estadão.

Bolsonaro e seus assessores, evidentemente, não gostam da cobertura da imprensa sobre a pandemia. Afinal, ela mostra a conduta desastrosa do governo em relação ao combate à Covid.

O general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Casa Civil, tem o hábito de afirmar que “só tem caixão” na TV. “No jornal da manhã é caixão, corpo; na hora do almoço, é caixão novamente. No jornal da noite é caixão, corpo e número de mortos”. (Com informações da Revista Fórum)