Lembranças de Cecim, entre a tensão e a alegria

Ter Vicente Cecim no rol de autores da Paka-Tatu e seu livro “Viagem a Andara oO livro invisível” em nosso catálogo editorial é, naturalmente, motivo de orgulho para um editor. Afinal, estamos diante de um dos maiores poetas contemporâneos. Mais gratificante, no entanto, foi minha incorporação à viagem a Andara ao participar, lado a lado com o autor, da edição de sua última obra, um volume de 1240 páginas de uma riqueza sem par. Cecim não pertence apenas à literatura paraense; ele é um poeta do mundo. Seu pensamento, sem que tenha perdido de vista as suas raízes, transpôs os limites da regionalidade e ultrapassou o umbral do universo. Conviver com Vicente, como eu o chamava, foi uma experiência inédita. Transitávamos entre tensão e a alegria. Página à página, uma incansável reflexão. Tudo milimetrado, cada linha, cada palavra, cada espaçamento, cada ilustração. Nada poderia ficar fora das dimensões ou, exatamente, de seu lugar. Nossas conversas não se atinham à presencialidade. Passavam pela cibernética e pelos telefonemas sem fim. Todas as etapas da edição haviam de ser medidas, pensadas e repensadas. Haja paciência, mas, sobremodo, haja felicidade. Assim, juntos, materializamos em livro a aspiração deste “imortal” e admirável autor: publicar o seu livro Viagem a “Andara oO livro invisível”. No meu coração, fica a saudade! Na memória, fica a lembrança!

Armando Alves Júnior – Editora Paka Tatu

Beatles: ‘Get Back’, doc dirigido por Peter Jackson, sairá no Disney+

Beatles: Get Back | Doc de 6h dirigido por Peter Jackson sairá no Disney+

Beatles: Get Back, documentário dirigido por Peter Jackson (O Senhor dos Anéis) sobre a banda britânica, vai chegar ao Brasil pela plataforma de streaming Disney+. Em três episódios, a produção de mais de seis horas de duração será lançada nos dias 25, 26 e 27 de novembro. Para montar o documentário, Jackson restaurou e editou mais de 50 horas de material gravado originalmente em janeiro de 1969, enquanto os Beatles trabalhavam nas músicas do álbum Let it Be, que seria o último antes da separação da banda.

Em muitos sentidos, as cenas capturadas originalmente por Michael Lindsay-Hogg se prestavam a múltiplas histórias. Uma história de amizade, mas também de indivíduos. Uma história sobre fragilidades humanas, mas também parcerias divinas. A história detalhada do processo criativo, com o nascimento de canções icônicas sob pressão, tendo como pano de fundo o clima social de 1969“, comentou Jackson.

O diretor ainda disse que este “não é um filme nostálgico, mas sim um trabalho cru, honesto e humano“. “No decorrer destas seis horas, você vai conhecer os Beatles com uma intimidade que não acreditava ser possível“, finalizou.

Veja um trecho do filme, lançado no final do ano passado pelo YouTube oficial da banda: