Confirmados 41 casos de Covid-19 entre jogadores, delegações e funcionários da Copa América

Membros da delegação da Bolívia testaram em Goiânia Foto: Conmebol

O Ministério da Saúde afirmou que já foram confirmados 41 casos de Covid-19 entre jogadores, membros das delegações e prestadores de serviço para a Copa América. Segundo a pasta, os dez casos notificados entre prestadores de serviço ocorreram em Brasília.

A pasta enviou os exames para realização de sequenciamento genético para identificar se há casos causados por variantes do vírus. A expectativa é que essa análise seja concluída em até 14 dias. De acordo com o ministério, são 31 casos notificados entre jogadores e outros membros das delegações.

O GLOBO questionou a pasta se haverá mudança nos protocolos e qual será a medida adotada pelo Ministério, mas não obteve resposta. Segundo a pasta, o índice de resultados positivos é de 1,40%.

Até o momento, já foram identificados casos entre jogadores Venezuelanos, Colombianos e Bolivianos. Em coletiva de imprensa no último sábado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, minimizou o número de diagnósticos positivos:

“Faz parte, se não tivéssemos possibilidade de casos positivos, não teríamos protocolos rigorosos. Devem vir outros atletas e acontecerá a partida normalmente”, afirmou o ministro, acrescentando: “O primeiro critério é a segurança sanitária. Se não tiver segurança sanitária, o atleta não entra em campo”. (Transcrito de O Globo)

Prefeitura de Belém antecipa calendário de vacinação

O calendário de vacinação contra a covid-19 foi antecipado no município de Belém. Em reunião entre a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) e a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) foi definido que até domingo, 20 de junho, será feito um mutirão para acelerar a vacinação na capital. Serão imunizadas todas as pessoas com 50 anos ou mais. E isso se inicia já nesta terça-feira, 15, com a convocação de nascidos em 1966 e 1967 se unindo aos nascidos em 1964 e 1965. É necessário levar RG, CPF e comprovante de residência de Belém.

Vão funcionar 18 pontos de vacinação, no horário das 9h às 17h. Confira:
1. Boulevard Shopping Belém – Estacionamento G6. Av. Visconde de Souza Franco, 776. Bairro Reduto; A pé;
2. Casa de Plácido – Anexo do Centro Social de Nazaré, ao lado do estacionamento da Basílica; A pé;
3. Cassazum. Avenida Duque de Caxias, nº 1375, bairro do Marco; A pé;
4. Colégio do Carmo. Travessa Dom Bosco, nº 72, bairro da Cidade Velha; A pé;
5. Escola de Enfermagem da UEPA. Avenida José Bonifácio, nº 1289, bairro do Guamá; A pé;
6. FIBRA. Avenida Gentil Bittencourt, nº 1144, bairro de Nazaré; A pé;
7. FUNBOSQUE. Avenida Nossa Senhora da Conceição, Distrito de Outeiro; A pé; 
8. Ginásio do CCBS-UEPA, esquina da Perebebuí com Almirante Barroso; A pé;
9. Ginásio Mangueirinho. Avenida Augusto Montenegro, nº 524, bairro do Mangueirão; A pé;
10. Icoaraci: Igreja do Evangelho Quadrangular. Travessa São Roque, 789, Cruzeiro; A pé;
11. Icoaraci. Paróquia de São João e Nossa Senhora das Graças. Praça Pio XII, nº 148; A pé;
12. Igreja do Evangelho Quadrangular. Barão de Igarapé Miri, esquina com 25 de junho, bairro do Guamá; A pé;
13. Mosqueiro. Hospital Municipal de Mosqueiro, rua 15 de Novembro, 545 – Vila; A pé;
14. Mosqueiro. Escola Estadual Carananduba. Rod. Eng. Augusto Meira Filho, 51; A pé;
15. Shopping Bosque Grão-Pará, entrada de carros exclusivo pelo acesso do Condomínio Cidade Cristal (acesso D) e entrada de pedestres pelo acesso da Rodovia dos Trabalhadores (acesso G); A pé;
16. UNAMA. Avenida Alcindo Cacela, nº 287; A pé;
17. UNIFAMAZ. Avenida Visconde de Souza Franco, nº 72, bairro do Reduto; A pé;
18. Universidade Federal do Pará (Mirante do Rio/UFPA-Campus Guamá). Rua Augusto Corrêa, 01, Guamá. A pé.

Direto do Twitter

“24h da Copa Coronavirus da América e já são 41 infectados. Quarenta e uma pessoas que não precisavam ter tido contato com um vírus letal foram expostas aos riscos letais da COVID-19. Tudo pela ganância de uns poucos dirigentes. Qtos mais serão expostos nas próximas semanas?”.

Miguel Nicolelis, cientista

Literatura paraense perde Vicente Cecim

Vicente Cecim, escritor paraense de 74 anos, morreu na tarde desta segunda-feira, vitimado pela covid. Responsável por mais de 20 obras literárias e autor do premiado “Viagem a Andara” (oO Livro Invisível), que reúne 18 livros em 1.238 páginas, incluindo três obras inéditas da saga, estava internado desde o dia 3 de junho.

Cecim morreu por volta das das 13h30. Ele estava sendo submetido a um tratamento de câncer quando foi diagnosticado com o novo coronavírus. Com o organismo já debilitado, foi internado no Hospital Ophir Loyola, referência em oncologia, em Belém.

A filha, Virgínia Cecim, confirmou a notícia da morte do escritor com uma postagem emocionada nas redes sociais. “Pai, você se foi!!! E com você, foi a minha vida. Estarei sempre ao seu lado”, escreveu. 

mallarmargens: Obra de Vicente Franz Cecim em cena no RJ

Vicente Franz Cecim nasceu em Belém, filho de Miguel Cecim, que ficou famoso como técnico de futebol. Desde que em 1979 iniciou a criação de “Viagem a Andara oO Livro Invisível”, dedicou-se intensamente à obra, que ele chamava de “literatura fantasma” e dizia escrever com tinta invisível.

Cecim forjou sua literatura a partir dessa viagem, ou, como ele dizia, o seu não-livro, ambientado no território metafísico e físico de Andara, uma transfiguração da Amazônia em metáfora da vida. Em 1980, foi premiado como autor revelação pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), por sua segunda obra, “Os animais da terra”.

Ao longo dos sete primeiros livros de Andara, Cecim seguiu abolindo as fronteiras entre prosa e poesia. Publicados inicialmente pela Editora Iluminuras no volume “Viagem a Andara”, as obras receberam, em 1988, o Grande Prêmio da Crítica da APCA, distinção que naquela década foi atribuído apenas a Hilda Hilst, Cora Coralina, Mario Quintana e, na seguinte, a Manoel de Barros.

Novas versões, reunidas nos volumes “A asa e a serpente” e “Terra da sombra e do não”, foram reeditados em edição comemorativa, pela Cejup, em 2004. Em 1994, “Silencioso como o Paraíso” foi lançado pela Iluminuras com mais quatro livros de Andara. A obra foi aplaudida pelo crítico Leo Gilson Ribeiro como “um dos mais perfeitos livros surgidos no Brasil nos últimos dez anos.” Desde então, suas novas obras passaram a ser publicadas apenas em Portugal.

Cecim também trabalhou com criação publicitária, conquistando prêmios e adquirindo prestígio em Belém, Salvador e São Paulo. Emprestou seu talento, durante certo período, à TV Cultura do Pará.

mallarmargens: 'Viagem a Andara oO livro invisível', de Vicente Franz Cecim,  está em pré-venda pelo Catarse

Ironicamente, tendo a qualidade de seu trabalho aplaudida em todo o país e até em outros países, como Portugal, Cecim nunca obteve no Pará o mesmo reconhecimento.

Zé Paulo Vieira, publicitário e grande amigo do escritor, fez um desabafo em homenagem a ele: “Mano Vicente Cecim partiu pra voar à altura que ele quiser, está livre para ir a Andara e a outros lugares oníricos que só a cabeça dos geniais concebem. Agora tantos reconhecerão o ser ímpar. Outros tantos dirão bonito dele. E alguns que, ante aquele ser de saber e sentir a mais, desdenhavam do não compreendido, descobrirão, de repente, virtudes inalcançáveis à hipocrisia dos medíocres. Voa a tua ave, mano Cecim, voa!”.

Pará é o primeiro Estado a assinar adesão ao Selo Unicef

O governador Helder Barbalho assinou nesta segunda-feira o Memorando de Entendimento entre o Governo do Estado e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), documento que formaliza a parceria entre o Estado e os municípios na promoção e garantia de direitos da criança e do adolescente e garante a adesão ao Selo Unicef 2021. O Pará é o primeiro Estado do Brasil a aderir ao selo. O ato de assinatura foi realizado no Salão dos Despachos, em Belém.

“Essa agenda é transversal, que só se faz efetiva a partir do interlace de todos atores que estão em volta da proteção à criança e ao adolescente no nosso estado. Por isto a fundamental importância em articular esta adesão nos 144 municípios, para que conceitos do selo Unicef e das políticas que regem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) sejam uma bússola de orientação na política de proteção social, permitindo que as nossas cidades sejam ambientes adequados de iniciação à vida e a construção de cidadania, de construção de direitos e de políticas públicas que possam assegurar que cada criança viva em um ambiente adequado”, ressaltou Helder.

O Selo Unicef é uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância em parceria com governos estaduais, organizações da sociedade civil e setor privado, para estimular e reconhecer avanços reais e positivos na promoção, realização e garantia dos direitos de crianças e adolescentes em municípios do Semiárido e da Amazônia Legal brasileira.

Ida Oliveira, assessora de comunicação do Unicef na Amazônia, explica que ao aderir ao selo, o município assume o compromisso de manter, como prioridade, a agenda de políticas públicas pela infância e adolescência. “A ideia é que a gente institucionalize essa relação, facilite os fluxos de ações que nós desenvolvemos, principalmente no que pese as ações em defesa de crianças e adolescentes, em especial no enfrentamento à Covid-19. O lançamento nacional do selo é amanhã, dia 15, mas hoje estamos fazendo o lançamento estadual, um momento histórico e muito importante; a gente espera que os 144 municípios participem e se engajem nessa estratégia e fortaleçam as ações junto às famílias”, reforçou Ida.

Abaixo o regime militar

Por André Forastieri

O Brasil é o 11º país com maiores gastos militares. Em 2015 chegou a R$ 31,9 bilhões. Era 1,3% do PIB. Dilma foi então pra Suécia, posar para foto dentro de um caça. O ministro da defesa da época, Jaques Wagner, comemorou “economia” na compra desses 36 aviões suecos para nossa Aeronáutica. O projeto total estava orçado em R$ 5 bilhões. “A presidente Dilma ficou satisfeita com a negociação bem sucedida”, disse Wagner.

Quem substituiu Wagner? Não importa. É um dos ministérios que deveriam deixar de existir.

Função de militar é matar, e o Brasil não tem inimigos. Não precisamos de exército, marinha ou aeronáutica. Deveriam ser abolidos. Não faria a menor diferença.

Melhor: faria grande diferença para o bem. Na América Latina, não há país mais civilizado que a Costa Rica. Por várias razões, e a principal é que a Costa Rica aboliu as forças armadas em sua constituição de 1949. Tem uma guarda civil e uma guarda rural e só.

Ninguém diga que aquele canto do mundo é tranquilo. A América Central já enfrentou de tudo. Ditadores, guerrilheiros, narcotraficantes, mafiosos, multinacionais que mandavam em países inteiros. A Costa Rica ali no olho do furacão e, em mais de seis décadas, sempre manteve seu rumoada de exército.

O que iam gastar com “defesa”, investiram onde mais importava — no ataque aos seus principais problemas. Hoje a Costa Rica tem alto índice de alfabetização, meio-ambiente superprotegido, pontua bem em todos os principais índices do bem viver planetário. Não é um país rico, nem de longe, mas em média vive-se com mais paz lá que em qualquer outro lugar da América Latina. Inclusive o Brasil, claro.

Desarmar o Estado ajuda a desarmar o espírito? No Brasil, ao contrário, temos armas para todo lado. O governo federal tem as Forças Armadas, os Estados têm polícias militares, cidades suas polícias civis, bandidos suas metrancas, e cidadãos particulares seu revólver no porta-luva.

Temos até nossa própria indústria bélica. Frequentemente temos a vergonha de ver tanques brasileiros usados por ditaduras diversas contra manifestantes pacíficos. Com tudo isso, e sem inimigos, o Brasil vive uma violência sem fim.

Quando o dinheiro está sobrando, desperdício passa batido. Agora que o cobertor está curto, há que focar no que importa e cortar o resto. Avião de caça modernex, num país sem guerra nem inimigos, é a própria definição do supérfluo. O Brasil corta investimento em escola, hospital, segurança, aposentadoria, salário-desemprego. Mas temos R$ 5 bilhões sobrando para importar aviões de caça, para “proteger nossas fronteiras”?

Se o Brasil abrisse mão de suas forças armadas, quem iria guardar nossas fronteiras? A pergunta é outra: que país é capaz de invadir e ocupar um lugar do tamanho do Brasil, com 200 milhões de habitantes? Nenhum. No século 21, as nações se digladiam por outros meios. Cérebros valem mais que balas. Inovação mais que avião.

O Brasil podia ter uma boa polícia federal, um timezinho de forças especiais bem treinadas, e um abraço. Baita economia. Mas não. Trocamos Geisel e Figueiredo por FHC e Lula e Dilma, gente que foi perseguida pelos militares, e mesmo assim mantiveram tudo igual. 

Desconfio que nós brasileiros, estamos prontos para seguir o exemplo da Costa Rica. O Brasil, infelizmente, não está. Pelo menos em uma coisa evoluímos bastante. Como diz o amigo Edson Aran: eu sou do tempo em que o militar é que demitia o presidente…

MILICOS 2021

O texto acima é de outubro de 2015. Era ruim, piorou bastante. Naquela época, tínhamos menos de 2 mil militares cedidos para cargos civis no governo federal. Hoje são mais de 6 mil. 

Muitos ocupam os principais cargos de decisão, inclusive como ministros, com os resultados que vemos e choramos.

O Brasil tem o 14º maior efetivo mundial de militares do planeta. Os soldos e generosas pensões das Forças Armadas consomem 80% de seus gastos. Não nos protegem de ninguém. 

O orçamento militar de 2021 é MUITO maior que em 2015: R$ 82,53 bilhões.

E o orçamento para investimentos militares em 2021 é R$ 8,3 bilhões, o que significa 22% do orçamento total do governo federal pra investimentos.

LEIA

Este perfil de Pedro Castillo, que venceu a aliança centro-direita-fascistas no Peru. Pro bem e pro mal, ele é a cara da latinoamerica hispano-hablante campônia-carola.

Vai dar certo? Vai dar merda? Melhor apostar em um professor primário que na filha do Fujimori.

+

Acompanhe sempre a Maria Cristina Fernandes, nossa melhor analista política, no Valor Econômico. Esses dias ela explicava porque os militares de lugares como França e EUA estão botando as manguinhas de fora.

Nossos milicos daqui estão surfando a mesma onda da extremíssima direita. Eles têm muito poder e grana a perder, caso Bolsonaro seja derrotado em 2022.

+

E leia a nova pesquisa do Poder 360, com intenções de voto pra 2022. A boa notícia é que, se a eleição fosse hoje, Lula, Ciro, Dória e Huck venceriam Bozo.

A péssima notícia é: no pior destes cenários, ele ainda tem 35% das intenções. Isso com pandemia grassando, 10 milhões de empresas fechadas em 2020, quebradeira generalizada e fome na rua.

Em 2022, com um auxílio generoso pros pobres, e o país vacinado (contra os esforços do governo, claro), arrisca ele estar com bem mais de 35%.

Se a gente der mole, arrisca ser reeleito.

Conhecendo o Brasil, pressinto que daremos mole.

Rezo a São Malatesta pra que me prove errado.

+

Roblox é um dos games mais populares entre as crianças do planeta. Mas ele pode estar criando uma geração de fascistas…

OUÇA

O álbum-tributo à banda que bateu no fascismo – o militar, o cotidiano, o emocional – com a mais aguda combinação de arte e acidez. É “The Problem of Leisure: A Tribute to Andy Gill and Gang of Four”. 

Celebra os 40 anos da banda, e a morte de Gill, que participou do planejamento do disco antes de morrer, um ano e meio atrás.

Só gravação nova, de gente como Idles, Gary Numan, Tom Morello & Serj Tankian, Warpaint, Dandy Warhols, Killing Joke. Tem um corinho infantil fofo na versão de Flea e John Frusciante pra “Not Great Men”… e os suecos The Sounds mandando uma fidelíssima, sarcástica, raivosa “I Love A Man In a Uniform”.

+

Brian Eno, da organização global pela mudança radicalmente democrática Progressive International, e ex-Roxy Music / artista produtor por aí – Bowie, Talking Heads, U2 – criou uma rádio. +

50 edições! Festa no podcast! Trilha só com músicas dos anos 50, e a preciosa presença do amigo Álvaro Pereira Junior contando suas aventuras atrás das vacinas que os políticos teimam em nos negar.

ASSISTA

Filmes sobre regimes militares, fascismo, ditaduras. Mostre para os seus filhos, sobrinhas, netos.

“Terra e Liberdade” do Ken Loach. “O Ódio”, com o Vincent Cassel. “Roma, Cidade Aberta”, do Rosselini. “American History X”. “Julgamento em Nuremberg”. “Starship Troopers”. Todos os do Costa-Gavras.

E “V de Vingança”.

VOCÊ SABE

O povo não deve temer o governo – o governo deve temer o povo.

Marlon pode aumentar lista de baixas no Remo

Botafogo-RJ 3×0 Remo (Rafael Jansen, Marlon e Anderson Uchôa)

Substituído no jogo com o Botafogo na metade do segundo tempo, o lateral Marlon deve desfalcar o Remo na partida contra o Vitória na próxima quarta-feira, 16, no Baenão. A maratona de 12 jogos em 40 dias, iniciada na semana passada, começa a afetar duramente o elenco remista. Além de Marlon, o lateral Wellington Silva continua fora, Suéliton e Lucas Tocantins seguem em tratamento e estão fora dos próximos jogos pela Série B.

Com a perda de atletas importantes, titulares da equipe, Paulo Bonamigo tem sido obrigado a utilizar jogadores recém-contratados, como Jefferson, Igor Fernandes e Rafinha. A tendência é que acabem ganhando mais oportunidades, apesar do rendimento discreto nas partidas em que foram lançados.

A preocupação da comissão técnica é sofrer novas baixas, principalmente de jogadores considerados fundamentais, como Lucas Siqueira, Felipe Gedoz, Rafael Jansen e Dioguinho. No momento, as opções para substituições são Vinícius Kiss, Erick Flores, Kevem, Paulinho Curuá (que ainda nem estreou), Wallace e Rony, que também não jogou na Série B.