Há uma picaretagem linguística no futebol – em alta!

Por Lenio Streck, no jornal O Sul

Em várias colunas aqui em O SUL e em outros textos alertei para a Novilingua que se forjou em diversas áreas. Começar virou “estartar”. Incremetar é “dar um up”. Bom, Orwell já denunciou isso em seu 1984, em que o regime trocou as palavras para dizer as mesmas coisas, como “Ministério da Guerra” virou “Ministério do Amor”. Todo os dias se vê essa novilíngua.

Agora o grande Rui Castro, em artigo na Folha de São Paulo, mostra como isso chegou ao futebol. Narradores, comentaristas, treinadores agora falam o “novilinguês”.

Assim: jogador ou time, ninguém mais joga bem —“faz bom jogo”. Alguém que desarma um adversário e parte para o ataque é porque “teve uma leitura adequada” do lance. Times ofensivos agora são “propositivos”. Já os que se fecham e jogam no contra-ataque são “reativos”. E, outro dia, um comentarista disse na TV que tal sistema de jogo “demandava percepção cognitiva” —e ninguém na mesa riu.

Mais: Estamos diante de uma nova cepa (epa!) do pedantês arcaico, o titês, criado pelo treinador Tite, da seleção. Nele, os antigos e velozes pontinhas dribladores tornaram-se os “extremos desequilibrantes”. O vulgar “dar conta do recado” foi promovido a “performar”. E os estudiosos conseguiram traduzir um tijolo em que se lia “sinapse no último terço”, mas não sabem o que significa. Os infelizes comandados pelo citado Tite também não.

O futebol, na verdade, apenas reflete uma novilíngua geral no Brasil, em que palavras ainda perfeitamente válidas estão sendo canceladas e substituídas por outras aprendidas de ouvido na internet. A velha e confiável “eficiência”, por exemplo, deu lugar a “efetividade”. Ninguém mais é “forte” ou “resistente”, mas “resiliente”. O lindo e sensual “atraente” foi chutado do léxico pelo “atrativo”. E “audiência” deixou de ser aquilo que se media para saber quem estava na escuta, tragada pelo inglês “audience”, que significa “plateia, acrescenta o jornalista carioca.

E conclui Rui: quando se faz algo exato, delicado, no detalhe, diz-se que foi “cirúrgico” —como se uma cirurgia, qualquer uma, não fosse um banho de sangue. E nunca se usou tanto a palavra “empatia”. Logo hoje, em que ela está mais em falta do que nunca.

Nada tenho a acrescentar. Absolutamente genial. É o drible da vaca na língua.

Logo, drible da vaca será “o atleta induziu o adversário em erro, simulando a ultrapassem por um lado e a esfera de couro pelo outro”.

Cruzamento para a área será “levantamento estratégico, com pequena elevação, sobre a área próxima à goleira do adversário”.

Goleiro defendendo será “o protetor das três balizas, com esmero, evita a tentativa de introdução da bola. E fê-lo mediante impulsão em sentido horizontal na direção de seu lado esquerdo”.

O narrador passa a ser chamado de “ator encarregado de explicitar as particularidades do espetáculo ludopédico”.

Já o comentarista será chamado de “analista de conjuntura do game, especialista em prognoses decorrentes de sua capacidade de cognoscibilidade empíricista”.

Bah!

Leão apresenta mais dois reforços para a Série B

Mais dois reforços foram anunciados pelo Remo para o restante da temporada 2021. Trata-se do lateral-esquerdo Igor Fernandes e do volante Arthur. Os dois assinaram vínculo até o final do ano. Igor Fernandes tem 28 anos e é natural de São Paulo. Revelado pelo Corinthians, começou como profissional pelo Flamengo-SP, mas retornou em 2013 para o Timão, onde disputou 21 partidas na temporada. Depois passou por Sport Linense, Tigres do Brasil, Grêmio Novorizontino, RB Brasil, ABC-RN, Avaí e CSA, antes de chegar à Ferroviária para disputar o Paulistão deste ano.

Image

O volante Arthur tem 29 anos e se destacou na campanha da Tuna no Campeonato Paraense. Foram 12 jogos no estadual, todos como titular. Nascido no Rio de Janeiro, o volante tem passagens por times como Juventus-SP, Grêmio Barueri, Paulista, Ferroviária-SP, Iporá-GO, Matonense-SP, Serrano-RJ e Mixto.

Image

Igor vem para revezar com Marlon na lateral esquerda e Arthur entra na vaga que era de Laílson, recentemente emprestado pelo Remo. A diretoria continua em busca de um camisa 10.