‘Não é Moro o herói nacional, é o Delgatti’, afirma professora Larissa Ramina, da UFPR

Larissa Ramina, Walter Delgatti Neto e Sergio Moro

A jurista e professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Larissa Ramina, em entrevista à TV 247 rebateu a declaração do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello de que o ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro é um “herói nacional”. Segundo a professora, o verdadeiro herói brasileiro é Walter Delgatti Neto, o hacker de Araraquara que acessou celulares de membros da Lava Jato e trouxe à tona o modus operandi criminoso e fraudulento da força-tarefa. “O herói nacional hoje é o Delgatti. Ele sim é o nosso herói nacional. A gente não saberia de nada disso se não fosse o Walter Delgatti”, disse ela.

De acordo com a especialista, o objetivo central por trás de toda a mecânica da Lava Jato era “impedir a retomada de poder por um projeto alternativo que impedisse novamente o acesso às nossas grandes riquezas, principalmente o petróleo”, ou seja, impedir o ex-presidente Lula de concorrer às eleições.

Larissa Ramina defendeu a anulação de todos os processos da Lava Jato. Para ela, todo o material produzido está “contaminado”, e a Operação desperdiçou uma preciosa chance de realmente combater a corrupção no Brasil. “Nós estamos vendo o julgamento da suspeição do Sergio Moro, mas se trata de algo muito maior do que isso. A partir do momento em que se compreende toda essa estratégia que está por trás dessa articulação criminosa que foi a Lava Jato, nós temos que entender que não é o Sergio Moro que é parcial e suspeito, é toda a Operação. Está tudo contaminado. Não se trata só da suspeição do Sergio Moro, se trata da absoluta nulidade de tudo que foi feito por essa malfadada Operação liderada por um juiz absolutamente parcial”. (Do Brasil247)

Um comentário em “‘Não é Moro o herói nacional, é o Delgatti’, afirma professora Larissa Ramina, da UFPR

  1. Reproduzo parte do texto do jurista Marcio Sotelo Felippe, na revista Cult:

    “A bandeira da luta anticorrupção sempre ocultou o entreguismo, o desprezo aos trabalhadores, o favorecimento das classes dominantes – e seus representantes políticos sempre se refestelaram eles mesmos na corrupção. A República do Galeão que levou Getúlio ao suicídio e a República de Curitiba que levou Lula à prisão são irmãs siamesas. Enfim, à direita restou sempre o veio ideológico e hipócrita da luta contra a corrupção e tratava-se de preservar isto”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s