Erros penalizam o Castanhal

Paysandu e Castanhal empataram em 1 a 1 na Curuzu

POR GERSON NOGUEIRA

Não foi a estreia dos sonhos do PSC, mas podia ter sido uma entrada triunfal do Castanhal no Campeonato Paraense 2021. O time interiorano jogou melhor, buscou o gol o tempo todo e só não venceu por errar demais nas finalizações. O empate em 1 a 1 acabou premiando o esforço dos bicolores ainda em fase de recomposição do time.

Depois da partida, o técnico Itamar Schülle foi preciso: o resultado só foi aceitável porque a equipe está em construção, carecendo de maior entrosamento e reforços para várias posições. Elogiou o empenho dos garotos escalados e as tentativas de colocar em prática o que foi treinado na pré-temporada em Barcarena.

De fato, o PSC mostrou luta, buscou o resultado dentro de suas possibilidades, mas foi evidente que falta muito para alcançar uma pegada mais competitiva. O gol, em assistência de Igor Goularte para Nicolas, foi um dos poucos lampejos de um ataque ainda em busca de organização.

A zaga falhou bastante, exigindo do experiente Perema muito esforço para cobrir posições que ficavam a descoberto pela velocidade imposta pelo Castanhal no jogo. Denilson teve atuação abaixo do esperado e o goleiro Victor Souza teve muito trabalho para arrumar o setor na base do grito.

O primeiro tempo teve predomínio castanhalense a partir da boa movimentação dos meias Samuel e William Fazendinha, que trabalhavam bem a bola e faziam com que os laterais e atacantes atuassem em velocidade, determinando o ritmo da partida.

A primeira chance foi com o lateral Daelson, que mandou um chute de longa distância na trave direita assustando Victor Souza. O PSC procurou reagir rápido e Marlon, minutos depois, carimbou o arco do Japiim.

O desenvolvimento das ações permitiu novas chances ao Castanhal, com Canga e Marcos. O PSC se atrapalhava nas tentativas de sair da pressão estabelecida e só ameaçava em contragolpes.

A entrada de Igor Goularte no segundo tempo contribuiu para melhorar a produção do ataque do Papão. Foi dele o passe para o artilheiro Nicolas marcar, aos 24 minutos, quando o Castanhal era mais ameaçador no jogo.

Dois minutos depois, em rápida chegada pela direita, Daelson cruzou e Canga cabeceou para as redes depois que a bola atravessou toda a extensão da área. O jogo podia ter outro rumo se, aos 38’, o árbitro Dewson Freitas tivesse marcado penal claro para o Japiim. Denilson chegou atrasado e pisou no pé de Alexandre. Dewson estava a dois metros do lance.

O jogo teve um final eletrizante, à altura da altíssima temperatura no horário. Alexandre. O goleiro Axel apareceu muito bem em cabeceio de Denilson. No rebote, Kerve desperdiçou a chance do desempate com um chute que saiu longe do gol.

Como resposta, aos 48’, o Castanhal ergueu bola na área alviceleste e gerou uma confusão que quase terminou em gol. Victor Souza saiu em falso, zagueiros e atacantes disputaram a bola e Yan conseguiu finalmente espanar afastando o perigo.

Artur Oliveira, técnico do Castanhal, resumiu bem o que foi o jogo. Seu time deixou de vencer por errar demais na hora de definir, mas, ainda assim, impôs sofrimento ao campeão estadual dentro de seus domínios.

Águia bate Lusa; goleador baionense brilha em Tucuruí

Nos demais jogos, destaque para a vitória do Águia sobre a Tuna, por 3 a 2, em Marabá. O time de João Galvão foi superior na primeira parte, chegou a impor 3 a 0 no placar, mas Robson Melo conseguiu corrigir as causas do apagão inicial e a Lusa descontou, deixando o final da partida sob claro equilíbrio. Uma boa estreia de ambos.

Em Tucuruí, o Independente derrotou o Tapajós em jogo aberto, de muitas chances para cada lado. O artilheiro baionense Danrlei marcou o único gol, aos 21 minutos do 1º tempo, desviando a bola com a barriga.

Leão estreia com novidades no meio e no ataque

Renan Gorne ao lado de Wallace no ataque. Anderson Uchoa junto com Laílson e Dioguinho no meio-campo. Estas são as principais novidades remistas para o confronto com o Gavião, hoje, às 19h, na reinauguração do sistema de iluminação do estádio Evandro Almeida.

Mais que a luz, o técnico Paulo Bonamigo espera que o time mostre ânimo para superar o revés do meio da semana na final da Copa Verde. O volante titular Lucas Silva será poupado, mas Uchoa deve fazer a esperada estreia.

Sem Felipe Gedoz, que se despediu na quinta-feira, o meio-campo passa a contar com Uchoa, Pingo, Lailson e Dioguinho irão dar ao setor, uma configuração nunca utilizada antes. A conferir.

O adeus a um querido companheiro

Toninho Costa era um bom amigo. Amizade consolidada em mais de três décadas de convivência. O homem era uma máquina de trabalho, um obcecado pela profissão, atento aos detalhes.

Além de profissional qualificado, o caboclo de Igarapé-Miri era um jornalista consciente de seu papel, um cidadão politizado e crítico. Botafoguense e bicolor, de humor implacável, já está fazendo muita falta.

Trabalhamos desde os primórdios da TV RBA, com respeito mútuo. Depois, na gostosa convivência no Bola na Torre. Fizemos também eventos em outras áreas, sempre com afinco e paixão.  

Que o guerreiro descanse em paz.

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 01)

Botafogo lança novo uniforme e resgata ídolo dos anos 60

Imagem

A escolha do craque Afonsinho para garoto-propaganda do novo uniforme do Botafogo repercutiu muito bem. Ídolo dentro e fora de campo. Tem uma história de consciência e engajamento quando jogadores de futebol nem eram ouvidos sobre política ou direitos. Unifica públicos e expõe a imensa galeria de grandes astros da história botafoguense.