Bolsonaro busca inspiração no ditador Mussolini: “Só um povo armado é forte e livre”

A capa do jornal carioca “Correio da Manhã” circula pelas redes sociais por conta da semelhança entre a fala de Jair Bolsonaro sobre armar a população e a declaração de Benito Mussolini, líder do regime fascista italiano.

“Olha como é fácil impor uma ditadura no Brasil. Por isso eu quero que o povo se arme, a garantia de que não vai aparecer um filho da puta e impor uma ditadura aqui. A bosta de um decreto, algema e bota todo mundo dentro de casa. Se ele tivesse armado ia para rua. Se eu fosse ditador, eu desarmava como fizeram todos no passado”, afirmou Bolsonaro.

Mussolini era mais sucinto, mas falava a mesma coisa: “Só um povo armado é forte e livre”.

Flávio Gomes sobre Senna: “Herói de nada, cometia erros”

O que você debate com os jovens que mais te incomoda? Flavio Gomes, novo entrevistado do quadro Sincerão, do canal do UOL Esporte no YouTube, optou por abordar a imagem de Ayrton Senna ao responder a essa pergunta, uma das várias feitas pela reportagem ao polêmico e autêntico jornalista. “Criou-se uma imagem de um sujeito infalível, de um herói nacional. Herói de nada. Herói é bombeiro, professor, gente que vive com um salário-mínimo”, disse o jornalista — veja essa resposta a partir dos 13min12s.

Flavio Gomes faz críticas ao atual conceito dos jovens de que os grandes pilotos da atualidade correm contra ninguém e diz que, se é assim, é preciso dizer que Senna também não corria contra ninguém. Ao longo do quadro, o jornalista recorda a discussão mais tensa que já teve por causa de futebol, inclusive provocando a sua demissão da ESPN, aponta um jogador superestimado que já ganhou o prêmio de melhor do mundo e revela o jogo que o irritou na vida: “Roubalheira desenfreada”.