Remo ganha reforço de peso

Paulo Bonamigo

POR GERSON NOGUEIRA

A sonhada conquista da Copa Verde está ao alcance do Remo. Desde 2015, nunca esteve tão sob feição como agora. Na semifinal, o adversário é o Manaus – primeiro jogo será no sábado (13) na capital amazonense. Em situação normal, são grandes as chances de classificação para a final. Caso consiga chegar à decisão, o Leão enfrentará Vila Nova ou Brasiliense.

Com o retorno do técnico Paulo Bonamigo, o Remo estará novamente em nível competitivo dentro da competição. Desde o clássico Re-Pa, que garantiu o acesso à Série B, o treinador estava fora de combate, em tratamento da covid-19.

É fato indesmentível que sua ausência teve influência expressiva no rendimento do time contra Londrina, Vila Nova (duas vezes), Gama e Independente. Contra o Vila, nas finais da competição, a falta foi ainda mais sentida. Em determinados momentos, ficava claro que decisões precisavam ser tomadas ali, no calor dos acontecimentos.

Como já voltou a comandar treinos no Evandro Almeida, Bonamigo tem presença certa na primeira partida da semifinal da Copa do Brasil. Na Série C, ele dirigiu o Remo nas duas vitórias sobre o Manaus, sendo que a segunda foi obtida dentro da capital baré.

As circunstâncias são outras, obviamente, mas a correlação de forças não mudou tanto assim. Logo que terminou a fase classificatória do Brasileiro, o Manaus procedeu a um desmanche do elenco, perdendo peças importantes, como Hamilton, Rossini, Tsunami e Daniel Costa. Trouxe um novo técnico, Luizinho Vieira, e iniciou preparativos para a disputa do Campeonato Amazonense 2020 (sim, a data está correta).

Em comparação com o Remo, que também fez mudanças drásticas, liberando 13 atletas, o Manaus sofreu reformulação mais ampla. Apesar da chegada de novos atletas, como Douglas Lima e Jackie Chan, o time tem fragilidades evidentes, como deu para ver no confronto com o PSC.

Ao Remo cabe jogar com mais aplicação do que demonstrou contra o Independente. O setor defensivo, antes um ponto destacado do time, tem apresentado falhas gritantes. Não parece ser problema exclusivo da linha de zaga, mas principalmente um desajuste no trabalho dos volantes.

Com a volta de Hélio Borges, o setor ganha um suporte a mais, pois o atacante faz o trabalho de recomposição. Na marcação, Lucas Siqueira é a segurança maior, mas precisará ter um companheiro à altura – Pingo, Lailson e Warley disputam esse papel.

Acima de tudo, porém, paira a figura de Bonamigo. Maior reforço do Remo na temporada, o técnico já provou que pode ser um diferencial importante. Com ele em ação, o time ganha outra atitude.

Marlon ganha contrato incomum com o Papão

A nova diretoria do PSC adquiriu os direitos federativos (100%) e parte dos econômicos do atacante Marlon junto ao Porto de Pernambuco. Ele deixou ótima impressão nos três primeiros em que atuou na Série C, fazendo cinco gols ao longo de 12 partidas pelo clube.  

Em junho, haverá a rescisão do vínculo de empréstimo do meia-atacante e ele voltará ao Porto. Seu contrato com o clube será então rescindido em definitivo e ele se integrará ao PSC já sob um novo contrato.

Apesar da avaliação positiva que teve logo nas primeiras partidas, Marlon foi caindo de rendimento na fase decisiva da Série C, acompanhando e sofrendo com a queda técnica da equipe dirigida por João Brigatti.

Jovem ainda (23 anos), Marlon é considerado promissor, mas a duração do contrato, incomum no futebol atual, gerou críticas. Ficará no clube até 31 de dezembro de 2024, lembrando o contrato de três anos que o PSC firmou antes com Bruno Veiga, com resultados insatisfatórios para o clube.

Só o Barcelona é capaz: meio tempo de bola sem fazer faltas

Os feitos de uma super equipe por vezes são relativizados. Entendemos, por uma lógica meio perversa, que o poderio econômico obriga a espetáculos diários de grande futebol. Costumo, porém, reservar uma janela de curiosidade e expectativa quando vejo um gigante em ação.

Domingo passado, pelo Campeonato Espanhol, o Barcelona venceu o Bétis por 3 a 2, na casa do adversário. Jogo duríssimo. Mais difícil ainda porque o gênio Lionel Messi foi poupado pelo técnico holandês Ronald Koeman.

O Bétis fez 1 a 0, corria muito, não dava espaços. Apesar disso, ao longo de todo o primeiro tempo, o time catalão deu um show de bola e fair-play. A etapa inicial teve 49 minutos de bola rolando, sem que o Barça cometesse uma falta sequer. Deveria merecer um troféu por isso.

Como o placar era desfavorável, Koeman chamou Messi para o segundo tempo. La Pulga entrou com a macaca. Empatou o jogo logo de cara. Depois, contribuiu para a belíssima vitória, por 3 a 2. A faísca do grande craque foi fatal para o esforçado Bétis.

A partida teve grandes lances, mas a lembrança é dos fantásticos 49 minutos sem rodízio de faltas ou pancadaria. Enfim, futebol de verdade.

Direto do blog campeão

“A diferença é que o Pelé fez menos jogos 832 para atingir essa marca, enquanto que o CR precisou de 208 jogos a mais para bater a marca do Rei, ou seja, com sua idade atual precisou de pelo menos 5 anos a mais para superar o Pelé. A marca foi batida, mas o Rei continua sendo Pelé”. Jaime, de Atlanta (EUA), sobre o recorde de gols de CR7

(Coluna publicada na edição do Bola desta quinta-feira, 11)

Pesquisas descobrem no açaí potencial de reduzir doenças gástricas e colesterol

Considerado um super alimento por seu conhecido valor nutricional e capacidade antioxidante, além de combater o surgimento de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, o açaí também pode apresentar benefícios como a redução de transtornos gastrointestinais e do colesterol. É o que aponta um estudo feito por pesquisadores do Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia (CVACBA), laboratório ligado à Universidade Federal do Pará (UFPA) e instalado no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, em Belém.

Os pesquisadores isolaram e identificaram, pela primeira vez, espécies de bactérias lácticas endofíticas (que habitam o interior de uma planta) do açaí, com alto potencial probiótico e que podem garantir a segurança alimentar no consumo do açaí azedo. A pesquisa avaliou a atividade antagônica in vitro de três cepas de bactérias lácticas (Pediococcus pentosaceus B125Lactiplantibacillus plantarum B135 e Lactiplantibacillus plantarum Z183) contra dois patógenos – organismos capazes de causar doenças – a Salmonella typhimurium e a Escherichia coli.

“A atividade antagonista em nosso estudo avaliou a capacidade das bactérias lácticas de inibir o crescimento das bactérias patogênicas no suco de açaí mantidos em temperatura ambiente por um período de até 72h, que é o tempo máximo que o açaí ainda é consumido. Os resultados mostraram que as três bactérias lácticas foram capazes de inibir os dois patógenos. Sendo que para Salmonella, foram ainda mais eficazes”, aponta Suenne Sato, primeira autora do artigo.

Além da atividade antimicrobiana, as cepas também apresentaram a capacidade de resistir a situações de estresse que simulam a passagem pelo trato gastrointestinal. “O trajeto da boca até o cólon, local onde as bactérias probióticas devem colonizar e exercer atividades, apresenta inúmeras condições hostis pelas quais as bactérias precisam resistir e assim chegarem vivas no cólon em quantidade suficiente. A condição ácida do estômago é a primeira situação de grande estresse para os microrganismos, portanto realizamos alguns testes in vitro para verificar a viabilidade das cepas nessa condição e em condição subsequente, como a resistência aos sais biliares”, informa Suenne.

“É importante que esses microrganismos sejam seguros para uso e que também exerçam uma ou mais atividades benéficas. Para as bactérias isoladas no nosso estudo, fizemos o teste de desconjugação de sais biliares para identificar se elas apresentavam alguma atividade relacionada. Os resultados apontaram positivo para todas testadas. Isso significa uma possibilidade de contribuírem para a redução de colesterol sanguíneo”, complementa a pesquisadora.

O pesquisador Hervé Rogez, coordenador do CVACBA e orientador da tese de doutorado que deu origem ao artigo, destaca a importância da descoberta. “O cólon e o intestino grosso desempenham um papel muito importante para a saúde humana, é o segundo órgão que melhor deve ser cuidado, depois do coração. Há pelo menos 20 anos, os probióticos já vêm sendo estudados, mas aqui na região ainda temos poucos trabalhos sobre. O fato de ter descoberto mais um benefício no consumo de açaí, fruto tão comum na dieta da região, é muito relevante”, afirma Hervé.

As bactérias isoladas estão armazenadas no banco de bactérias do açaí no CVACBA para aprofundamentos futuros no intuito de descobrir mais funcionalidades e possíveis aplicações. “As cepas podem ser utilizadas não só em alimentos, mas também na agricultura e no setor cosmético, já que os endofíticos possuem um bom histórico de serem potenciais produtores de metabólitos (substância produzida durante o metabolismo) de interesse econômico. Ter microrganismos endofíticos especialmente isolados dos frutos de açaí pode contribuir ainda mais para a valorização desse alimento e possivelmente para trazer benefícios econômicos para toda a cadeia produtiva do açaí e para as regiões produtoras”, finaliza Suenne.

A íntegra do estudo “Isolation and Genetic Identification of Endophytic Lactic Acid Bacteria From the Amazonian Açai Fruits: Probiotics Features of Selected Strains and Their Potential to Inhibit Pathogens” foi publicada na Frontiers in Microbiology, revista de relevância internacional considerada líder em seu campo de atuação. Contribuíram para o estudo os pesquisadores Suenne Sato, Joana Montezano Marques, Andre da Luz Freitas, Raphaela Progênio, Marcio Roberto Teixeira Nunes, Janaina Mota De Vasconcelos, Fábio Gomes Moura e Hervé Rogez.