Tribuna do torcedor

POR DANIEL MALCHER

Com a sucessão de rebaixamentos de clubes de futebol tradicionais do país ano após ano – o premiado com a desdita agora e mais uma vez é o Botafogo de Futebol e Regatas – acho mesmo é que a terminação “time grande” precisa ser rediscutida no Brasil. A extrema relevância dos estaduais até os anos 1980 e a importância considerável que possuíam até meados de 2004 e a consequente polarização de títulos dessa natureza entre os clubes das capitais dos estados da federação alimentou por anos a fio a ideia de que no país há muitos “times grandes”, “como em nenhum país do mundo do futebol de primeira linha”.

Somado a isso o fato de que os campeonatos nacionais com calendário menor do que os estaduais e com fórmulas mistas (pontos corridos na primeira fase, eliminatórias na segunda fase) e regulamentos esdrúxulos até 2002 abriam margem para o “imponderável”: times menos fortes seguirem e vencerem os campeonatos ou chegarem às finais.

O caótico planejamento administrativo do futebol dos clubes era sempre para o amanhã dos “6 meses” (estaduais de janeiro a julho + Copa do Brasil + Libertadores / Série A de agosto a dezembro). Quando a CBF estendeu o calendário das competições nacionais em 2003 com a Série A e em 2016 com a Copa do Brasil e a Conmebol em 2017 estendeu o calendário das competições continentais o planejamento precisou ser pensado para o ano todo, inaugurando-se no país a ideia da temporada. 

Clubes que até então levavam na barriga a Série A não suportaram mais levar todas as competições de forma quase que simultânea o ano inteiro, condição essa agravada a partir de 2016. E olha que no Brasil tudo no futebol ainda engatinha em termos de profissionalismo extremo. Não é à toa que muitos clubes outrora grandes sucumbiram aos rebaixamentos na era dos pontos corridos. Quando se exigiu o mínimo de organização, profissionalismo e competitividade na Série A a partir de 2003 não aguentaram o tranco.

O Brasil então não se diferencia dos demais países que adotam o modelo. O amadorismo administrativo histórico dos clubes entrou em parafusos pois não se encaixa às novas exigências inauguradas lá no quase longínquo início do século com as mudanças no calendário e fórmula de disputa na Série A. Não é à toa também que até há um certo tempo muitos dos outrora grandes clubes queriam a volta das fases eliminatórias e finais.

A justificativa da “volta da emoção” (?) e do aumento da arrecadação nas bilheterias era mera desculpa. Hoje, com muita boa vontade, temos 6 clubes realmente grandes no Brasil. E olhe lá. Somos como aqueles que um dia ousamos dizer que dos quais éramos diferentes. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s