Remoçado, Leão derrota o Galo

POR GERSON NOGUEIRA

Lailson recebe abraço de Jansen e demais companheiros após marcar o segundo gol do jogo

Em jogo de boa movimentação no primeiro tempo, o Remo superou o Independente por 2 a 0, no estádio Jornalista Edgar Proença, ficando em vantagem para a definição da vaga às semifinais, domingo à tarde, em Tucuruí. A partida marcou a estreia do novo time azulino, profundamente alterado após a liberação de 12 atletas que participaram da Série C.

Com Lucas Siqueira, Pingo e Felipe Gedoz na meia-cancha, a equipe de Paulo Bonamigo (novamente substituído à beira do campo por João Neto) desenvolveu boa movimentação no primeiro tempo, criando situações de perigo na área do Independente.

Kevem, improvisado na lateral esquerda, voltou a aparecer bem nas jogadas de ataque e em bolas aéreas. Wellington Silva estreou na lateral direita, mas não chegou a mostrar entrosamento com Dioguinho, que atuava mais à frente.

No ataque, Augusto foi mais desenvolto, mas Wallace apareceu muito bem, arriscando dribles e chutes a gol, mostrando estar recuperado. O grande nome da equipe foi Felipe Gedoz, atento à transição ofensiva e caprichando nos passes e lançamentos. À vontade, assumiu responsabilidades e realizou sua melhor apresentação, depois das exibições nos clássicos contra o PSC.

Depois de uma boa chegada de Wallace, que driblou dois zagueiros e chutou por cima, o Remo levou um susto em contra-ataque puxado por Railson. Da intermediária, ele disparou um chute forte, que Vinícius espalmou.

Aos 18’, Dioguinhou cruzou e Kevem desviou de cabeça, obrigando o goleiro Gerson (ex-Dida) a fazer grande defesa. Depois, Dioguinho voltou a aparecer. Entrou na área e chutou. O goleiro deu rebote, que Wallace aproveitou para marcar com um toque por cobertura.

O tempo final foi marcado por duas expulsões do lado do Independente. Darnlei cavou pênalti, levou o segundo amarelo e saiu. Depois, Pedrão foi driblado e acertou uma voadora em Dioguinho, recebendo o cartão vermelho direto.

Com mais espaço em campo e superioridade numérica, o Remo tratou de dar oportunidade aos garotos. Netão lançou Lailson, Thiago Miranda e Warley no lugar de Lucas Siqueira, Wallace e Pingo. Augusto perdeu duas grandes chances, mandando a bola na trave de Gerson.

Ao Galo Elétrico restava resistir e lutar para não tomar o segundo gol, que acabou ocorrendo aos 44’. Ronald, que havia entrado no lugar de Dioguinho, fez duas boas jogadas pela direita e na segunda vez encaixou um cruzamento em arco para o cabeceio de Lailson. Mesmo marcado e quase sem ângulo, ele colocou a bola no fundo das redes.

Uma atuação correta do Remo, que tem pouco tempo para entrosar um time quase completamente novo. O fato é que os garotos passam a ter grande importância no grupo, levando em conta que alguns dos jogadores mais rodados ainda se recuperam da covid. 

Gol bizarro prejudica Papão em Brasília

O que foi aquilo, afinal? Não merece a denominação de gol espírita porque não ocorreu nem no além-túmulo. Mandrake também não cabe porque a mágica permitiria uma ilusão geral de óptica. Acontece que a bola simplesmente não entrou naquele que foi considerado o gol de empate do Manaus, ontem à tarde, em Brasília-DF, pela Copa Verde.

A jogada inusitada só foi validada porque o bandeirinha Paulo César de Almeida entendeu que a bola entrou. O problema é que a redonda bateu na trave (após um chutaço de Jackie Chan) e voltou. Não cabe nem dúvida na avaliação do lance: a bola não caiu nem perto da linha fatal.

O auxiliar devia estar acometido de algum problema de miopia ou cegueira temporária para ver com exclusividade a entrada da bola no gol. Nem a veemente reclamação dos jogadores do PSC, por quase cinco minutos, convenceu o árbitro Eduardo de Aquino a alterar a tresloucada marcação.

Com o empate amazonense, aos 26 minutos do 2º tempo, o que já era um jogo de pouca intensidade ficou ainda mais dispersivo e amarrado ao meio-campo. A presença do técnico Itamar Schulle, recém-contratado, não serviu de inspiração aos jogadores do Papão.

O primeiro lance mais forte foi aos 12 minutos quando o garoto Yuri cruzou na área para cabeceio torto de Marlon. O gol veio aos 23’, em finalização de Yuri após escanteio cobrado por Bruno Collaço.

Na etapa final, o Manaus voltou pressionando e quase chegou lá inicialmente com Douglas Lima e depois com Erivelton, que entrou na área e ficou frente a frente com o goleiro Paulo Ricardo.

O lance do gol deve ganhar desdobramentos junto à CBF. O vice-presidente da FPF, Paulo Romano, disse que será feita uma representação à Comissão Nacional de Arbitragem contestando o gol do Manaus.

Domínio azulino na Seleção dos Melhores da Série C

A escolha foi organizada pelo Dazn junto aos jornalistas de todo o país que acompanharam o Brasileiro da Série C. O Remo foi o mais premiado na seleção: teve três jogadores na onzena (Vinícius, Marlon e Lucas Siqueira) e ainda viu Paulo Bonamigo ser eleito o melhor técnico.

Vinícius foi escolhido o melhor goleiro da competição, com todos os méritos. A regularidade e a o alto nível das atuações devem ter determinado a escolha da mídia. Não tenho dúvida de que, caso a votação fosse popular, o goleiro do Leão também seria consagrado.

A importância de Vinícius para a grande campanha do Remo levou a outro prêmio, mais honroso ainda: o de Craque do Campeonato. O futebol paraense teve ainda o atacante Nicolas (PSC) incluído na seleção pelas boas atuações no torneio, colocando-se como um dos artilheiros.

A seleção ficou assim composta: Vinícius (Remo); Toty (Santa Cruz), Ianson (Brusque) Adalberto (Vila Nova), Marlon (Remo); Lucas (Remo), Pablo (Vila), Chiquinho (Santa) e Adenilson (Londrina); Nicolas (PSC) e Tiago Alagoano (Brusque).

(Coluna publicada na edição do Bola desta quinta-feira, 04)

Netflix prepara lançamento de documentário sobre Pelé

A Netflix lançou nesta quinta-feira, 4, o primeiro trailer completo de Pelé, documentário da plataforma que conta a trajetória do jogador brasileiro de futebol. Pelé é considerado por muitos como o melhor de todos os tempos. Pelé é “um filme com as memórias do eterno Camisa 10 que elevou não só o esporte, mas o Brasil no cenário internacional dentro e fora de campo, tornando-se símbolo de união e esperança durante uma era turbulenta da história brasileira”, diz a sinopse.

O filme traz memórias da carreira do jogador, com um olhar nostálgico e emocionado do ídolo. Trazendo também personalidades que fazem declarações da época de ouro do jogador, com diferentes pontos de vista sobre a figura de Pelé e o cenário político-social do Brasil na década de 70. Pelé mistura o futebol, O filme de Pelé na Netflix mistura futebol, arte e história, de um atleta que foi bem mais além das quatro linhas e tem estreia marcada para o dia 23 de fevereiro, o doc. é dirigido por David Tryhorn e Bem Nicolas.