Cuba, que linda és!

Por Aldi Nestor, no Opera Mundi

A notícia que chega de Cuba é que o país se prepara para garantir vacina gratuita aos latinos americanos, no primeiro trimestre de 2021, preferencialmente àqueles dos países mais pobres, que não terão como comprar a vacina.

É uma notícia, obviamente, assustadora, dilacerante e que deixa a humanidade engasgada, perplexa, sem saber como reagir. Como assim, com o mundo inteiro se preparando para uma orgia financeira dos laboratórios privados, para um orgasmo da bolsa de valores, vem Cuba sugerir dar de graça?

De onde saiu Cuba pra contrariar a lei basilar do modo de produção capitalista, que transforma tudo em mercadoria: gente, sabonete, vacina; que submete toda e qualquer produção à tarefa de gerar lucro antes e acima de qualquer outra coisa?

Quem Cuba pensa que é?

Essa lógica de anunciar gratuidade é quase um acinte, um murro no nariz de quem só respira a teoria do valor, é uma decepção pras escolas, pras igrejas, pras universidades, pras famílias e fere de morte a saúde mercadoria, os planos espúrios e mortais de saúde, a proposta de saúde seletiva que não tem nenhum pudor de deixar os mais pobres morrerem à míngua.

Cuba, com esse gesto, sinaliza para um mundo em que as coisas sejam produzidas para atenderem as necessidades humanas, que as pessoas não sejam meio e sim, fim; que a vida humana tenha valor e sentido.

Cuba segue, apesar das infinitas dificuldades, sendo essa espécie de insônia para todo e qualquer império; e é um choque de esperança ou de enigma para essa parte da América, tão secularmente espoliada, trucidada, vilipendiada.

Avante, Cuba!

Beijos!

Cuba também tem outras duas vacinas candidatas, Mambisa e Abdala, a cargo do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia. A ilha é o único país da América Latina que está desenvolvendo vacinas próprias contra a covid-19.

https://operamundi.uol.com.br/coronavirus/67773/vacina-cubana-soberana-contra-covid-19-tera-testes-de-fase-3-em-outros-paises

Bonamigo tem dúvida na zaga para o jogo contra o Ypiranga

Remo confirma saída e zagueiro afirma: “Momento de atingir novos  horizontes” | Remo 100%

A delegação do Remo desembarcou na manhã deste sábado, 2, em Chapecó, interior de Santa Catarina, primeira parada da equipe no caminho para Erechim, no interior do Rio Grande do Sul. Agora, a comitiva do Leão seguirá de ônibus para o local da partida deste domingo, 3, contra o Ypiranga. Serão quase duas horas de estrada. 

Em meio a isso, o técnico Paulo Bonamigo tem uma dúvida para a escalação. Sem treinar nos últimos dois dias, o zagueiro Rafael Jansen seguiu com a delegação. Com uma entorse no joelho direito, ele será reavaliado no vestiário do estádio Colosso da Lagoa para saber se joga ou não.  

Caso Jansen não tenha condições de jogo, Gilberto Alemão assume a vaga. O problema é que somente três zagueiros foram relacionados para o jogo. Caso Jansen não possa jogar, o Remo ficará sem um especialista da posição no banco de reservas. No elenco, Charles e Marlon podem ser improvisados na zaga.

Gilberto Alemão (ao fundo) poderá ser titular neste domingo, 3 - Crédito: Samara Miranda/Remo

Bonamigo comanda um último treino na tarde deste sábado no campo do Atlântico, em Erechim. O provável time: Vinícius; Ricardo Luz, Rafael Jansen (Alemão), Mímica e Marlon; Charles, Lucas Siqueira e Felipe Gedoz; Hélio Borges, Salatiel e Tcharlles. A participa começa às 20h deste domingo.

Mauro Cezar deixa ESPN: “Não é mais meu lugar”

Mauro Cezar deixa a ESPN após 16 anos - Reprodução/ESPN

O comentarista Mauro Cezar Pereira não renovou o contrato com a ESPN Brasil e deixará o canal esportivo após uma trajetória de mais de 16 anos. “A ESPN não é mais o mesmo lugar. Mudou, deixou de ser meu habitat”, escreveu, em texto publicado no Instagram na manhã deste sábado (leia a íntegra ao fim desta matéria).

Mauro Cezar foi contratado em 2004, quando a direção ainda era de José Trajano. Ao longo dos anos, tornou-se um dos profissionais mais reconhecidos do canal. As partes chegaram a negociar a ampliação do vínculo, mas o jornalista não concordou com a exclusividade exigida pela empresa.

“A inflexível proposta do grupo para renovar contrato trazia em anexo um ‘cadeado’ onde se lia ‘exclusividade’! E sem grandes contrapartidas. Em 2021? Nessa altura da vida, com quase 38 anos de carreira? Abrir mão de tudo? Seria frustrante, além de um retrocesso profissional”, escreveu Mauro.

Na postagem, Mauro Cezar relembrou o início de sua trajetória na emissora, em 2004, quando seu nome foi sugerido pelo comentarista Paulo César Vasconcellos, hoje no Grupo Globo, a José Trajano, então diretor da emissora. “Os interessados em meu trabalho continuarão me encontrando aqui [no Instagram], no meu canal do YouTube (cada vez mais importante para mim, agora com Clube de Membros), no Twitter, no Facebook, no Sparkle, em meu Blog e em vídeos no UOL, nos podcasts Posse de Bola e Muito Mais do que Futebol, na Live Soft Open, no Um Dois Esportes da Gazeta do Povo, no Estadão, no curso online de jornalismo esportivo e onde mais a profissão me levar”, escreveu..

Imagem

A frase do dia

“Essas imagens do bolsonaro na Praia Grande mostram que o “presidente” conhece bem seu eleitorado – um bando de gente sem máscara e se aglomerando, pouco se lixando para a covid e sua alta taxa de transmissão. Não é mais a esperança contra o ódio, virou a vida contra a morte”.

Ricardo Pereira, professor e jornalista

Qualquer semelhança…

Imagem
Imagem

O ditador Benito Mussolini foi o primeiro presidente a ir à praia, cercado de homens, fiel à estética fascista que o levaria tempos depois a ser pendurado de cabeça para baixo, em praça pública, na Itália. Quando Bolsonaro salta no mar para ir abraçar apoiadores na praia a história apenas se repete – como farsa. Qualquer semelhança não é mera coincidência.