A frase do dia

“O Fantástico responsabilizou Dilma pelo aumento da desigualdade no país que, espantosamente, ocorreu após o GOLPE de 2016. Justamente Dilma que foi a última a combater a desigualdade no país, cabe lembrar que foi durante o seu governo que o Brasil deixou o mapa da fome da ONU.”

Ricardo Pereira, professor e jornalista

Remo confirma a contratação de Felipe Gedoz

Imagem

Em mensagem nas redes sociais, na tarde desta segunda-feira, o Remo confirmou a contratação do meia Felipe Gedoz para o restante do Brasileiro da Série C. O jogador, de 27 anos, firmou contrato com os remistas até o final de fevereiro de 2021. Pertencente ao Nacional do Uruguai, Gedoz perdeu espaço no time e aceitou a proposta para defender o Leão. Sua chegada a Belém está prevista para esta terça-feira, 10.

Desigualdade no Amapá: bairros ricos têm 24h de energia e restante 6h

Desde o último sábado (7), o governo do estado do Amapá criou um sistema de rodízio para abastecer a população afetada pelo apagão, na última terça-feira (3). No entanto, moradores da capital Macapá ouvidos pelo Brasil de Fato afirmam que bairros onde moram desembargadores, juízes e promotores tiveram a energia reestabelecida por completo, não sendo necessário o rodízio de 6h imposto ao restante da população.

O sistema funciona da seguinte forma: há bairros que ficam seis horas com abastecimento de energia e depois seis horas sem energia. Marta da Silva, militante do Levante Popular da Juventude, diz que há bairros em que não foram incluídos no cronograma elaborado pelo governo e que estão há mais de cinco dias sem água e sem energia.

“Existem bairros mais ao extremo que estão sem energia e sem água há mais de cinco dias. Essas zonas não foram inclusas no sistema”, denuncia. Se por um lado pessoas áreas periféricas da cidade permanecem sem água e sem energia, Marta denuncia que condomínios de luxo de Macapá já contam com energia 24 horas por dias.

“Existe uma contradição muito grande e revoltante, que ocasionou diversas manifestações na cidade: o fato de locais terem energia 24 horas, onde não há comprovação de que exista estabelecimentos que careçam de energia 24 horas. É o caso de condomínios da Zona Sul, como o Condomínio Mônaco e San Marino, que são condomínios fechados, onde mora a elite local. Nesses locais têm energia 24 horas. São lugares onde moram desembargadores, juízes”, critica.

A pedagoga Laura Ramos, que mora na periferia de Macapá, em um bairro chamado Marabaixo, diz que a energia dura – no máximo – três horas por dia. “A situação no Estado do Amapá continua caótica. Nada melhorou, nada voltou. Estamos agora vivendo o rodízio onde bairros nobres são beneficiados e as periferias estão à mercê de duas, três horas”, conta ela.

Ramos considera discrepante a forma que a população mais pobre está sendo tratada pelo governo em meio ao apagão.

“O povo da periferia, o que tinha de reserva em suas geladeiras não têm mais. Falta água potável, porque a nossa água também não é de qualidade. Pagamos um preço abusivo tanto de taxa de energia quanto de água e nós não temos uma água potável digna para a população amapaense”.

A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) disse que há bairros que não foram citados “porque estão nos mesmos transformadores ou alimentadores que atendem regiões citadas no cronograma”.

Quanto aos bairros que têm energia 24h, a companhia afirma que “não são bairros em sua totalidade, mas trechos de alguns bairros que estão localizados em unidades que prestam serviço essencial”. Estão entre os serviços considerados essenciais unidades básicas de saúde (UBSs) e pronto-atendimento, serviços de tratamento da covid-19 no estado, atendimento bancário e empresas de telecomunicação.

“Algumas residências que se localizam nesse circuito dessas unidades que estão recebendo eventualmente esse serviço 24h. Não foi possível isolar só a rede do banco, do hospital porque exigia uma logística muito grande e a gente não tem tempo pra atuar nisso visto toda a gravidade da situação”.

Sobre os bairros que estão há cinco dias sem água e sem energia, a Companhia de Eletricidade do Amapá disse que “há regiões em que o fornecimento fica interrompido por problemas na rede em determinados trechos, intervenção sem autorização da companhia e demais ocorrências isoladas que não afetam os bairros em sua totalidade. Neste caso, não são falhas decorrentes do sistema de rodízio. A orientação é fazer a abertura de chamado via 116”. (Do Brasil de Fato)

Remo luta para regularizar Felipe Gedoz

Felipe Gedoz

O Remo tenta fechar até o final da tarde desta segunda-feira (9) a contratação do meia Felipe Gedoz, de 27 anos. O jogador estava no Nacional, do Uruguai, e a janela de transferências internacionais para o futebol brasileiro termina justamente hoje. A diretoria remista trabalha para acelerar a apresentação de documentos que permitam concretizar a regularização do atleta.

A comissão técnica do Remo avalizou a contratação, entendendo que Gedoz se encaixa no meio-campo e pode ser a chamada “cereja do bolo” para a disputa da reta final da fase de classificação e a etapa de grupos da Série C. O gaúcho é especialista em cobranças de faltas e é um bom lançador.

Para o Nacional, a negociação com o Remo se tornou atraente porque o meia estava sem espaço na equipe que disputa a Libertadores. Para o setor de criação, o técnico Paulo Bonamigo conta apenas com Eduardo Ramos e Carlos Alberto.

Gedoz ficou por quatro temporadas no Defensor Sporting, do Uruguai. Passou dois anos no Brugge, da Bélgica. No Brasil ficou conhecido como titular do Atlético-PR, em 2017, quando fez 30 jogos e oito gols. Ainda passou por Goiás (18 partidas e quatro gols) e Vitória (27 jogos e cinco gols) até se transferir para o Nacional, onde disputou cinco jogos sem marcar gols.

Depois de três goleadas vexatórias, Flamengo demite Domènec

Domènec Torrent foi demitido do Flamengo após goleada sofrida para o Atlético-MG -  GLEDSTON TAVARES/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Domènec Torrent não é mais técnico do Flamengo. No cargo há pouco mais de três meses, o catalão não resistiu à goleada sofrida para Atlético-MG, no último domingo, no Mineirão, e foi demitido. O contrato entre as partes era válido até o fim do ano que vem Foram 24 jogos à frente da equipe rubro-negra, com 14 vitórias, quatro empates e seis derrotas.

Neste período, o time fez 42 gols e sofreu 36. O adeus acontece depois de grande pressão diante de duas goleadas consecutivas no Campeonato Brasileiro, 4 a 0 para o Galo e 4 a 1 para o São Paulo. Na Libertadores, ele levou de 5 a 0 do Independiente Del Valle.

Globo faz ficção sobre a crise econômica culpando Dilma e isentando Temer e Bolsonaro

Por Victor Farinelli

Uma reportagem sobre a atual crise econômica vivida pelo Brasil, exibida neste domingo (8) pelo Fantástico, tem causado grande repercussão nas redes sociais devido ao que parece ser uma imposição de narrativa. Na matéria, o programa defende a ideia de que a situação econômica atual do país é responsabilidade do governo de Dilma Rousseff, encerrado em maio de 2016.

Além disso, a reportagem não atribui nenhum tipo de responsabilidade a Paulo Guedes, ministro da Economia há quase 2 anos. Os internautas também perceberam outras omissões, especialmente de políticas implementadas pelo governo de Michel Temer e mantidas por Jair Bolsonaro, como a reforma trabalhista e o teto de gastos.

Sobre o atual presidente, o programa atribuiu a ele responsabilidades pessoais, sobre os erros de suas posições com respeito à geopolítica internacional ou à sua postura diante da pandemia, mas evitou qualquer tipo de crítica à sua política econômica – tanto que seu principal ministro da área foi ignorado completamente.

A deputada Érika Kokay (PT-DF) também reclamou que mesmo a possível justificativa da emissora de buscar um contexto histórico da crise em sua matéria se mostrou ideologizada: “não a contextualiza politicamente nem diz onde se originou: no momento em que Aécio e as elites não aceitaram a derrota de 2014 e passaram a sabotar o Brasil”.

A matéria também foi criticada por “dizer que a desigualdade social diminuiu drasticamente durante a primeira década dos Anos 2000 e voltou e não deixa claro o porquê disso e nem quem estava no governo nessa época” – durante aqueles anos, especialmente no período em que a desigualdade diminuiu, o presidente era Luiz Inácio Lula da Silva. (Da Revista Fórum)

Ataques de hackers tiram do ar Portal da Alepa

Ataques de hackers forçaram o Portal da Alepa (Assembleia Legislativa do Pará) a sair do ar de 06 a 08/11/2020, por medida de segurança, do Coordenador do Centro de Processamento de Dados, Orêncio Coutinho.
Foram observados mais de cem tentativas claras de violação sobre as páginas da “Transparência” e no “Banco de Leis”.

O portal voltou à normalidade nesta segunda (9), depois que os protocolos de segurança foram reforçados e um backup de dados foi atualizado para evitar outros ataques.

Leão sofre, mas avança

POR GERSON NOGUEIRA

Os lances agudos foram poucos, mas o cerco imposto pelo Treze no 1º tempo e na reta final do segundo período fizeram o Remo voltar a conviver com a sofrência. De qualquer forma, a vitória abre as portas para a classificação à próxima fase da Série C. Três pontos importantíssimos que deixaram o Leão em 2º lugar no grupo A, com 26 pontos.

A partida começou em ritmo forte, com o Remo pressionando muito pelos lados. Logo aos 11 minutos, o lance decisivo da noite: em cobrança de escanteio, o zagueiro Gilberto Alemão foi agarrado na área e o árbitro marcou o pênalti. Salatiel cobrou e marcou seu primeiro gol pelo Leão.

Depois do gol, o Remo reduziu a pressão e o jogo foi ficando lento, pois o Treze não tinha criatividade para superar a marcação azulina. Eduardo Ramos, abaixo do rendimento habitual, não acelerava as ações no meio-campo. As laterais, que se tornaram o ponto alto do time desde a chegada de Paulo Bonamigo, também não funcionavam a contento.

A ausência de Marlon deixou o lado esquerdo órfão. Tcharlles e Dudu Mandai não participavam do jogo como deveriam. Além disso, Dudu não conseguiu fazer a jogada de inversão e passagem até a linha de fundo para cruzamentos na área, como Marlon normalmente faz.

Salatiel, que tem boa estatura, foi pouco explorado no jogo aéreo e os melhores momentos foram produzidos pela velocidade de Hélio, embora sem nenhuma jogada mais aguda. O Remo foi recuando, o jogo ficou muito travado pela marcação e os seguidos erros de passe.

O Treze acordou e passou a aproveitar as subidas do lateral Gustavo e a presença de Neto Baiano na área. Aos 44’, em jogada de Vinícius Barba, Danilo Bala cabeceou perigosamente rente à trave esquerda. Aos 47’, Nilson Junior desviou com perigo e Vinícius fez grande intervenção.

Para a segunda etapa, o Remo veio com Carlos Alberto no lugar de Eduardo Ramos, que jogou abaixo das condições ideais. A movimentação melhorou resultando em boa presença ofensiva nos primeiros minutos. Logo aos 6’, Salatiel chutou forte para boa defesa de Andrey.

Aos 9’, Charles disparou de média distância, a bola tocou no gramado e estourou na trave. Quatro minutos depois, Ricardo Luz fez sua melhor aparição na partida. Cruzou na área e o lateral Gilmar, do Treze, tentou desviar e quase botou a bola dentro das redes.

Wallace substituiu Salatiel e o ataque ganhou em rapidez e habilidade. Aos 20’, Carlos Alberto pegou da entrada da área e a bola passa perto. Para deter o crescimento do Remo, o técnico Márcio Fernandes trocou Gilmar por Douglas, que deu mais aceleração ao meio-campo paraibano.

A partir daí, o Treze voltou a imprimir pressão rondando a área do Remo em vários momentos. Dos 35’ em diante, o visitante conseguiu cinco escanteios, sempre perigosos e buscando o centroavante Neto Baiano.

Grande chance azulina só mesmo aos 37’, quando Wallace recebeu passe de Carlos Alberto e ficou em condições de ampliar, mas o chute muito alto, sem perigo. Em seguida, o Treze apertou e Vinícius voltou a aparecer bem em chute rasteiro de Bruno Mota.

Apesar das poucas chances de gol, o jogo foi disputado em ritmo forte. O Remo permitiu espaços que tornaram o Treze mais perigoso do que realmente é, deixando a situação tensa até o fim. O time se ressentiu da falta de intensidade pelos lados e de qualidade no meio-campo, mas compensou com entrega e esforço de marcação.

Vitória garante Papão de volta ao G4

Um gol de pênalti, marcado por Uilliam aos 48 minutos do 1º tempo, garantiu ao Papão sua terceira e estratégica vitória fora de casa. O time de João Brigatti impôs forte movimentação, envolvendo o Jacuipense com troca de passes no meio e nas laterais, principalmente na esquerda com Bruno Collaço. A zaga se mostrou firme, contendo o ataque visitante.

O PSC começou fechado em seu campo, retendo a bola e marcando muito no meio. Com isso, não permitia ao Jacuipense se aproximar da área. De maneira geral, o equilíbrio dava o tom, principalmente na quantidade de trombadas e faltas, algumas ríspidas.

Aos 18 minutos, Levi testou com muito perigo, na melhor chance criada pelo Jacuipense até então. Vinícius Leite deu a resposta aos 30’, cobrando falta. Quando a partida parecia se encaminhar para o empate na etapa inicial, o Papão chegou ao gol já nos acréscimos.

O meia Juninho foi atingido por Raniele na área e Uilliam Barros converteu a penalidade máxima aos 48 minutos.

Na etapa final, Wesley Matos veio no lugar de Perema (que já tinha amarelo) e o PSC adotou uma postura mais recuada e limitando-se a explorar os contragolpes. O Jacuipense tirou Levi e botou Gustavo para reforçar o ataque. Em seguida, substituiu Tiaguinho por Wesley Popó.

A equipe da casa partiu com tudo para a tentativa de reação e quase chegou lá, aos 27’, num chute de Mauri de fora da área. De maneira geral, o PSC já não se arriscava fora de campo, preocupado em conter o Jacuipense.

Os passes errados e a quantidade de faltas deixavam a partida feia, arrastada e sem jogadas mais elaboradas. O PSC, mesmo dosando as tentativas ofensivas, levava perigo quando investia com Vinícius e Uilliam, que imprimiam velocidade e confundiam a marcação.

Sem pressa, com tranquilidade, o Papão conduziu o jogo até o final sem correr maiores riscos. Garantiu a vitória e voltou ao G4, iniciando uma arrancada que pode levar à classificação.

Outro patamar: a bitola do Flamengo agora é 4

A sempre vibrante torcida rubro-negra está em choque. O domingo virou dia de sofrimento e purgação de pecados. No domingo passado, a paulada foi aplicada pelo S. Paulo de Fernando Diniz. Dois penais perdidos pelo Fla e um apagão na etapa final quase resultou em mais gols tricolores.

Quando aquela peia parecia um mero acidente de percurso, eis que o Galo de Jorge Sampaoli aplicou ontem outra sonora goleada, incontestável, com direito a dois gols em sete minutos iniciais.

Domènec Torrent terá que dar muitas explicações à exigente massa rubro-negra. Humilhações seguidas não estavam na agenda do campeão continental, que há até pouco tempo se orgulhava de estar noutro patamar. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 09)