Remo faz protesto contra atos racistas

Imagem
Imagem

Antes do jogo com o Tapajós, pela 10ª rodada do Campeonato Paraense, os jogadores do Remo mostraram a faixa “Se você é racista, não seja remista!”, uma alusão à mensagem de cunho racista posta na internet para insultar o volante Gelson na partida contra o Águia, domingo passado.

A manifestação reforça o posicionamento do clube repudiando qualquer ato de racismo ou intolerância por parte de sua torcida. Antes de a bola rolar, os jogadores azulinos se ajoelharam e ergueram o braço protestando contra o racismo no futebol.

Imagem

Após o gol de Gustavo Ermel, o primeiro da vitória (3 a 1) sobre o Tapajós, os jogadores Zé Carlos, Ermel, Robinho e Douglas Packer festejaram fazendo o gesto-símbolo de protesto contra o racismo. Para o clube, o futebol deve ser instrumento de inclusão social e de luta contra a discriminação racial.

Paragominas garante presença nas semifinais do Parazão

Imagem

O Paragominas confirmou sua classificação à semifinal do Campeonato Paraense ao derrotar o Carajás, por 3 a 1, na tarde desta quarta-feira, 5, em Outeiro. Na outra partida da tarde, no Baenão, Bragantino e Águia de Marabá se enfrentaram e o Tubarão venceu por 2 a 0, resultado insuficiente para alcançar a quarta colocação. Nas semifinais, o Paragominas enfrentará o Paysandu em duas partidas.

Na vitória do Braga, Fidélis e Canga foram os anotadores. O Tubarão fecha sua participação no Estadual ocupando a quinta colocação, com 16 pontos. Em Outeiro, o Paragominas levou um susto, sofrendo o gol do Carajás, mas se recuperou e virou a partida para 3 a 1, com gols de Biro, Buiú e Walker.

Encerrando a rodada, Clube do Remo e Tapajós jogam hoje, 5, às 20h, no estádio Mangueirão, para definir da vice-liderança do Parazão.

A frase do dia

“A desculpa de Flavio Bolsonaro: ‘A gente tava no churrasco. A conta estava pra vencer e para eu não sair do evento, ele falou: ‘deixa que eu pago e depois você me dá o dinheiro’.’ O MP encontrou mais de 100 boletos de Flavio pagos em dinheiro. Foram 100 churrascos com Queiroz?”.

Guilherme Boulos, pré-candidato à prefeitura de SP

Caixa lança modelo de crédito que causou quebradeira nos EUA

Pouco utilizada no Brasil, a Caixa Econômica Federal decidiu revitalizar a modalidade de crédito pessoal “home equity”. Com o nome Real Fácil Caixa, o novo modelo utiliza imóveis urbanos livres de ônus como garantia para a obtenção de novos créditos junto ao banco público. O novo crédito começou a valer esta semana. A justificativa do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, para a nova linha seria de aproximar o mercado brasileiro ao que é feito em países desenvolvidos. No entanto, as famílias poderão perder seu principal bem: a casa própria. Além desse fator, o banco público, mais uma vez, deixa de investir em políticas públicas de habitação para as famílias mais vulneráveis.

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto, vê com muita preocupação as medidas anunciadas pelo presidente da Caixa. “A casa própria é o bem mais precioso de boa parte das famílias brasileiras. Submetê-lo à lógica puramente especulativa dos mercados financeiros não me parece razoável e é só isso que o presidente da Caixa faz desde que chegou ao banco”, afirma.

Para a população que deseja contratar o crédito, o risco é altíssimo. Segundo o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Sérgio Lisboa, para fazer o crédito pessoal Real Fácil Caixa é preciso atenção.

“O risco de perder o imóvel é real. Ter o imóvel como garantia de crédito pessoal compromete o patrimônio das famílias durante anos; por isso, é preciso ter certeza da capacidade de pagamento. Em um contexto de crise econômica e desemprego, por exemplo, não existe a garantia que a renda irá se manter e, sem o pagamento, o imóvel poderá ser confiscado”, explica.

Investir nessa modalidade requer educação financeira e planejamento, algo que a população brasileira ainda faz pouco. Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostraram que 62% da população brasileira não economizou em 2019 e entrou em 2020 sem qualquer reserva financeira para algum tipo de emergência.

LOTES — Outro anúncio foi a linha de financiamento de Lote Urbanizado e Construção Individual. Ambas as modalidades, com funding no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e reajuste pela Taxa Referencial (TR), estarão disponíveis para contratação também a partir desta segunda-feira (3).

A modalidade de financiamento Lote Urbanizado também carece de esclarecimentos da Caixa, uma vez que o financiamento de lotes não fomenta a geração de emprego e pode fomentar a especulação imobiliária.