Pesquisas mostram resultado impreciso e enganoso

Por Marcos Coimbra, no Brasil247

A pandemia devastou o mundo e mudou nossas vidas, em coisas grandes e pequenas. Até as pesquisas de opinião mudaram. Desapareceram as pesquisas face-a-face, nas quais há uma interação direta entre entrevistados e entrevistadores. A expressão é literal: entrevistadores e entrevistadoras aplicam seus questionários olhando nos olhos das pessoas. São conversas que podem ocorrer em vários lugares: nas residências, na rua, na porta da fábrica. No domicílio são mais proveitosas, mas as outras opções também são boas. O importante é o contato pessoal.  

Mundo afora, por motivos óbvios, essas pesquisas deixaram de ser feitas depois do início da pandemia. A regra foi sua substituição por métodos indiretos de contato, o telefone e a internet. 

A pandemia devastou o mundo e mudou nossas vidas, em coisas grandes e pequenas. Até as pesquisas de opinião mudaram.

Desapareceram as pesquisas face-a-face, nas quais há uma interação direta entre entrevistados e entrevistadores. A expressão é literal: entrevistadores e entrevistadoras aplicam seus questionários olhando nos olhos das pessoas. São conversas que podem ocorrer em vários lugares: nas residências, na rua, na porta da fábrica. No domicílio são mais proveitosas, mas as outras opções também são boas. O importante é o contato pessoal.  

Mundo afora, por motivos óbvios, essas pesquisas deixaram de ser feitas depois do início da pandemia. A regra foi sua substituição por métodos indiretos de contato, o telefone e a internet. 

Nos EUA, por exemplo, o voto é facultativo e a maioria dos eleitores que se registra indica o partido com que se identifica (assim se habilitando, na quase totalidade dos estados, a participar das prévias partidárias para escolha de candidatos). Isso significa que os institutos de pesquisa dispõem de listas, por circunscrição eleitoral, com os nomes e contatos dos eleitores, sabendo seu partido ou se são “independentes”. Os eleitores registrados são cidadãos que escolheram participar do processo eleitoral, e que se sentem motivados e em condições de votar. 

Pessoas com esse perfil dispensam o estímulo da presença física do entrevistador para falar a respeito de temas políticos e não é complicado contatá-las por telefone (até porque o acesso à telefonia é quase universal por lá). Mesmo assim, no entanto, os americanos estão vendo uma crescente revalorização das entrevistas pessoais, as que melhor captaram as intenções de voto na eleição presidencial de 2016.  

Vivemos em outro mundo no Brasil. Todos somos obrigados a votar, mesmo quem tem baixo ou nenhum interesse por assuntos políticos, que representam mais de 50% eleitorado e perto de 80% das pessoas de baixa escolaridade. Ainda é grande a parcela da população sem acesso ao telefone, concentrada entre os mais pobres. É vasta a proporção dos que não têm computadores, bons aparelhos celulares ou familiaridade com seu uso, especialmente, de novo, entre os pobres. 

Imaginar que, na nossa realidade, é possível obter, através de pesquisas indiretas, amostras representativas do eleitorado é uma fantasia. Nem usando a  telefonia celular, que é a opção menos ruim: encontrar alguém sem interesse por política que aceita conceder uma entrevista e interrompe seus afazeres para ficar falando ao celular por 20 minutos ou meia hora, sem o estímulo da presença física do entrevistador e sem nada que o encoraje a responder, é procurar agulha em palheiro. As amostras conseguidas precisam ser “consertadas”, através de ponderações estatísticas drásticas em algumas faixas do eleitorado, “inchando” umas e “desinchando” outras.

Temos ampla evidência, baseada em pesquisas com amostras efetivamente representativas, de que questões como a avaliação do governo, da política econômica, a imagem de lideranças e as intenções de voto são correlacionadas com a classe social e as condições de vida das pessoas. Ricos gostam mais de Bolsonaro do que pobres, brancos do que negros, universitários do que pessoas de baixa escolaridade. Lula e o PT são mais bem avaliados pelos mais pobres, os negros e os menos escolarizados.

Por telefone, a pesquisa tende a super-representar os primeiros e sub-representar os segundos. Tende, portanto, a ser mais favorável ao capitão e mais desfavorável ao ex-presidente. Não há estatística que corrija o viés.  

Vamos fazendo o que dá para fazer hoje em dia, mas é preciso não esquecer que o retrato que sai das pesquisas atuais é impreciso e distorcido, sistematicamente, em favor de uns e em detrimento de outros. Quem se esquece disso é quem acha que dá para conhecer a imagem do Corinthians ouvindo palmeirenses.

Com grande atuação de Quadrado, Itupiranga vira jogo e ainda respira

Em jogo de cinco gols, o destaque foi para o atacante Quadrado, do Itupiranga. Incansável nas tentativas ofensivas, marcou um gol e sofreu o pênalti que garantiu a vitória de sua equipe, que foi a 11 pontos, passou a ocupar a 6ª colocação e ainda tem chances matemáticas de classificar.

Japiim vence Tapajós, classifica para semifinal e garante presença na Série D

Depois de um início equilibrado, com chances para os dois lados, o Castanhal começou a se impor no final do primeiro tempo, atacando com até quatro jogadores. Aos 47 minutos, William Fazendinha abriu o placar chutando de longe. A bola desviou no zagueiro Junior e entrou no canto direito do gol do Tapajós.

Aos 27 minutos do segundo tempo, depois de uma certa pressão do Tapajós, o Castanhal conseguiu uma saída rápida pela direita e a bola foi cruzada nos pés de Fazendinha, que finalizou em dois tempos. Aos 42′, Luís Felipe desviou um cruzamento na pequena área do Japiim e diminuiu para o Tapajós.

Muito comemorada pelos jogadores e comissão técnica, a vitória garantiu a vice-liderança ao Castanhal (agora com 17 pontos), a classificação antecipada às semifinais do Parazão e a conquista da vaga à Série D 2021, 17 anos depois de sua última participação em uma competição nacional.

(Fotos: Jivago Lemos/Ascom Castanhal)

Papão reestreia com fome de gols e mete 4 a 0 no Jacaré

Sem grandes embaraços, tocando a bola com tranquilidade o PSC dominou o jogo desde os primeiros movimentos. Depois de desperdiçar duas boas chances no começo, o gol de abertura nasceu de jogada do lateral Tony pela direita. Ele entrou na área e chutou forte em direção à trave, onde Nicolas entrava livre. O artilheiro só tocou para as redes. Deivid Souza ainda perdeu um gol livre de marcação, mas a superioridade bicolor era flagrante.

Na segunda etapa, quase em ritmo de treino, o Papão deslanchou. Aos 25 minutos, Uchoa aproveitou rebote na área e ampliou para 2 a 0. Com várias modificações no time, o estreante Mateus Anderson aproveitou cruzamento na medida de Bruno Colaço para fazer 3 a 0, aos 40′. Dois minutos depois, Vinícius Leite fechou a goleada batendo rasteiro para as redes de Gustavo Henrique.

O triunfo reforçou na retomada do campeonato confirma o favoritismo do Papão e deixa o Paragominas sob risco de perder a quarta colocação.

Criado por Paulo Henrique Amorim, site Conversa Afiada encerra atividades

Após o site Nocaute informar que encerrará suas atividades, o Conversa Afiada, do ex-jornalista Paulo Henrique Amorim, falecido em julho do ano passado, anunciou sua despedida nesta sexta-feira (31). “Dados o profundo respeito e a imensurável consideração por cada um de vocês, amigos navegantes, este texto vai direto ao ponto: o Conversa Afiada encerrou suas atividades em 31/VII/2020. Esse é o fato. Mas, a partir de agora, você está convidado a entender o que isso significa”, informou o site em comunicado nas redes. De acordo com o texto, “em 2019, com a morte de Paulo Henrique Amorim, esta equipe não se permitiu abaixar as bandeiras e abdicar de seu dever perante a democracia”. 

Abaixo, na íntegra, o texto de despedida:

Olá, tudo bem?

Dados o profundo respeito e a imensurável consideração por cada um de vocês, amigos navegantes, este texto vai direto ao ponto: o Conversa Afiada encerrou suas atividades em 31/VII/2020. Esse é o fato. Mas, a partir de agora, você está convidado a entender o que isso significa.

Por mais de uma década, este site idealizado, construído e mantido por Paulo Henrique Amorim e uma pequena – mas aguerrida – equipe serviu de bastião da luta pela formação de uma imprensa independente, progressista e destinada a combater em todas as frentes possíveis o PiG (e seus efeitos deletérios), os golpistas e os traidores da democracia brasileira. PHA foi pioneiro, um revolucionário nas chamadas “novas mídias”. Um colosso!

Não foi fácil empreender essa luta. A aba “Não me calarão”, que você pode acessar ao clicar aqui, conta algumas das centenas de batalhas judiciais que o ansioso blogueiro teve de enfrentar para manter acesa a chama da liberdade de expressão. Como se diz, jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique, e, diante disso, PHA e o Conversa Afiada nunca fugiram à sua responsabilidade.

Em dezembro de 2017, PHA tomou mais uma atitude para defender a nossa liberdade de expressão – não só a dele, ou a do Conversa Afiada, mas a de todos os brasileiros – ao protocolar, na Corte Interamericana de Direitos Humanos, uma petição em que acusava o Estado brasileiro de manter uma distorção sistêmica que cerceia a liberdade de expressão e se torna, na prática, uma forma disseminada de censura e perseguição.

“Essa petição tira a discussão da zona de conforto dos poderosos brasileiros. Ou seja, do Direito apenas. Do ‘juridiquês’, porque é nesse território e com essa linguagem dissimuladora que eles, os poderosos, se beneficiam da estrutura sistemicamente restritiva, censora. O debate passa a se travar no campo da Liberdade!”, escreveu PHA ao anunciar a ida à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Mas, se sempre incomodou os poderosos, o Conversa Afiada recebeu equivalentes demonstrações de apoio ao longo dos anos. Faltariam a este editor palavras para agradecer a cada um dos amigos navegantes por tornar possível empunhar a espada do jornalismo independente e progressista por tantos anos. Obrigado por cada mensagem de apoio nas redes sociais, cada assinatura, cada compartilhamento de posts e vídeos. Nada disso seria possível sem vocês.

Esse carinho é simbolizado pelo tricampeonato conquistado pelo Conversa Afiada no Prêmio Influenciadores Digitais, em 2016, 2017 e 2019, na categoria “Economia, Política e Atualidades”. Prêmios como esse não são um objetivo em si, mas ilustram o alcance popular do Conversa Afiada e nos enchem de orgulho por mostrar que tantos brasileiros estiveram ao nosso lado. Comprovam essa afirmação os números do Conversa Afiada nas redes sociais: até a data de conclusão deste texto, eram 1,13 milhão de seguidores no Facebook, 634,3 mil no Twitter, 690 mil no Instagram e 985 mil no YouTube.

Em 2019, com a morte de Paulo Henrique Amorim, esta equipe não se permitiu abaixar as bandeiras e abdicar de seu dever perante a democracia. Continuou a defender, dia após dia, os princípios que nortearam o Conversa Afiada desde a sua criação. Os últimos meses, entretanto, foram um desafio duplamente extenuante: além das dificuldades inerentes à luta pela construção de uma imprensa independente e progressista, a equipe teve de lidar 24 horas por dia, 7 dias por semana com o peso de uma ausência irreparável – porque, afinal de contas, há sim pessoas insubstituíveis.

O Conversa Afiada, embora tenha interrompido em 31/VII/2020 as atualizações, continuará no ar. Os artigos, as reportagens e os vídeos que tiraram o sono dos inimigos da democracia e dos vendilhões da pátria continuarão à disposição dos amigos navegantes.  

Quanto a esta equipe… Bem, tenha certeza de que ela continuará a se basear nos mesmos princípios que sustentaram o Conversa Afiada ao longo dos anos. Em todas as plataformas possíveis, a luta pela democracia e em defesa da liberdade de expressão continuará. Afinal, é essa a melhor homenagem possível ao ansioso blogueiro; é, também, a mais sincera demonstração de respeito e gratidão ao patrono deste espaço, a quem agradeço – em nome de toda a equipe – pela sabedoria e pela confiança compartilhadas.

Em nome de todos os jornalistas que, ao lado de Paulo Henrique Amorim, fizeram do Conversa Afiada a principal referência na imprensa independente e progressista no Brasil, agradeço a você, amigo navegante.

Como dizia nosso ansioso blogueiro, vamos tocar o barco – hoje e sempre! Boa noite e boa sorte!!!

Leonardo Miazzo, editor do Conversa Afiada e da TV Afiada

Mateus Anderson espera chance no ataque do Papão

Atacante ex-Ponte Preta, Mateus Anderson é novidade no retorno do Papão — Foto: Jorge Luiz/Ascom Paysandu

O Paissandu manteve praticamente todo o elenco durante a paralisação do futebol, perdendo apenas o atacante Bruce, já na fase de preparação em julho. O clube trouxe, porém, dois reforços para o ataque, Mateus Anderson e Erik Bessa. Mateus, ex-Ponte Preta, joga pelas pontas, aumentando a concorrência no setor que tem Vinícius Leite, Elielton, Deivid Souza e Erik Bessa. É um dos cotados para entrar na partida deste sábado à noite, no Mangueirão, contra o Paragominas.

“Venho trabalhando, ele [Hélio dos Anjos] vem conversando comigo. Mudou muito no treinamento, rodou algumas peças também. Estou preparado, estou muito feliz. Voltei a treinar, buscando melhorar tecnicamente e taticamente para, se surgir a oportunidade, ele optar por mim”, disse Mateus.

O jogador destaca o clima alto astral que encontrou na Curuzu e revelou que os treinos mostram que a equipe está focada em alcançar os objetivos do clube na temporada. “O grupo me recebeu muito bem. Essas duas semanas de trabalho para nós foram muito importantes, vi um grupo comprometido e que almeja coisas grandes. Colocando na mão de Deus e trabalhando firme e forte, temos muitas coisas para conquistar ainda este ano”.