Calendário do ‘novo normal’

POR GERSON NOGUEIRA

Remo vence o Águia e assume a liderança do Parazão em jogo morno ...

A ideia, manifestada pela CBF, de iniciar o Campeonato Brasileiro das Séries A e B no dia 9 de agosto, pode criar o cenário que a coluna já abordou desde o mês de abril: a competição nacional poderá ser disputada simultaneamente com os estaduais. A confirmação do calendário deve ocorrer na próxima semana. Isso vale para o futebol do Pará, caso a entidade confirme o início da Série C também para agosto.

O Parazão pode ser retomado no início de agosto, o que faria com que suas rodadas sejam intercaladas com as da Terceira Divisão. A fase de preparação de sete semanas, prevista no protocolo de segurança elaborado pela FPF, deve ser suficiente para que os elencos sejam condicionados a duas competições, pois o Estadual utilizará somente seis datas.

Vários clubes se posicionam contra isso. O PSC, através do presidente Ricardo Gluck Paul, já deixou claro que não concorda em montar a tabela do Parazão com a da Série C. Entende que a sobrecarga física prejudicará tecnicamente os times após uma quarentena de três meses sem atividades.

As comissões técnicas avaliam como temerária a volta imediata aos jogos e reivindicou cinco semanas de treinamentos antes do reinício dos jogos. O protocolo da FPF contemplou isso, e foi além, estabelecendo uma pré-temporada de sete semanas para que os elencos possam se preparar.

Clubes de vários Estados já se pronunciaram contra a abertura da Série A em agosto, entendendo que vai atrapalhar o planejamento e a realização dos certames estaduais. A maior grita vem de São Paulo, onde o campeonato deveria ser retomado em agosto, 30 dias após o início dos treinos.

Devido à pandemia, cada Estado vai estabelecer suas próprias regras de liberação de atividades, dependendo dos órgãos públicos. Como o governo do Estado já aprovou o protocolo de segurança, a FPF e os clubes paraenses definem, nos próximos dias, a data da reabertura.  

O posicionamento da CBF pelo menos desfaz dúvidas quanto ao reinício do Brasileiro. Alinhada com a Globo, patrocinadora e detentora dos direitos de transmissão, a entidade defende a manutenção do formato atual (pontos corridos e 38 rodadas), com jogos entre agosto e fevereiro de 2021.

Esticar a competição até a temporada seguinte abre a possibilidade de retardar o início, como querem os paulistas. Quanto à Série C, que tem formato diferente e duração menor, o ajuste é perfeitamente possível para permitir que o Estadual seja finalizado antes do Brasileiro.

Tudo isso vai depender, obviamente, da posição de das autoridades de saúde. Apesar disso, 19 dos 20 clubes da Série A se dispõem a jogar excepcionalmente fora de suas cidades, caso seus municípios não estejam liberados pelas autoridades para a realização de jogos.

Mangueirão vai ficar mais bonito e confortável

De novembro de 2020 a julho de 2022, o estádio Jornalista Edgar Proença entrará em obras. Por iniciativa do governo do Estado, receberá finalmente a atenção merecida, após anos de semi-abandono na era tucana. Castigado pela deterioração da estrutura, o Mangueirão será inteiramente reformado. Ficará como novo. Um presente luxuoso para o torcedor mais apaixonado do Brasil.

O Mangueirão terá a capacidade aumentada para 53.645 lugares, graças ao fechamento do anel das cadeiras. O gramado será recomposto e as dependências internas do estádio devem ser bastante modificadas, visando prioritariamente garantir mais conforto aos espectadores.

Detalhe importante: o nome oficial do estádio, votado e aprovado pela Assembleia Legislativa, continuará a ser Jornalista Edgar Proença, em homenagem ao desportista, pioneiro da comunicação radiofônica e fundador da Rádio Clube do Pará.

Bola na Torre

O programa começa às 21h deste domingo, na RBATV, com apresentação de Lino Machado, ao lado de Mariana Malato e Saulo Zaire. Em home office, Guerreiro, Tommaso e este escriba de Baião participam das discussões.

Uma voz lúcida em meio a um mar de insensatez

“Eu pedi pra sair. Ontem é que decidi que não ia mais, porque me convenceram que poderia prejudicar o Botafogo. Meu objetivo era não dar continuidade. Dizer: não quero participar disso. É uma bandalheira. Esse campeonato é carta marcada”.

Paulo Autuori abriu o verbo em entrevista ao Globo e o troco veio rápido e rasteiro: a Ferj escancarou suas preferências e puniu o treinador do Botafogo pelas críticas ao retorno do futebol. Retaliação desnecessária e flagrante censura ao direito de opinião.

Ainda sobre a passagem de Luxemburgo pelo Bernabéu

Um deslize foi cometido no texto sobre a passagem de Vanderlei Luxemburgo pelo Real Madrid. Apesar dos sonhos de grandeza do técnico, que faziam crer em longa estadia no Santiago Bernabéu, ele ficou por 340 dias no cargo – e não um mês, como dito aqui na sexta-feira, 26.

Luxa foi demitido após vitória magra sobre o Getafe pelo Campeonato Espanhol. Ronaldo Fenômeno marcou o gol da vitória e sua substituição atiçou a ira da torcida, que vaiou demoradamente o treinador. Enquanto esteve lá, venceu 28 vezes, empatou sete e sofreu 10 derrotas. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 28)

Abel reage a críticas de vice-presidente do Flamengo

Após Luiz Eduardo Baptista, vice-presidente do Flamengo, dizer que a diretoria debatia durante a passagem de Abel Braga pelo clube e afirmar que achava que o profissional “estava de sacanagem”, “bêbado” ou “drogado”, o técnico se posicionou neste domingo, por meio de uma nota, rebatendo o dirigente, a quem classificou como arrogante e à sombra de Marcos, atual VP de futebol.

Abel Braga em coletiva

Abel ainda afirmou que os ataques pessoais a ele podem ter sido motivados por isso, mas que o VP de Relações Externas terá que “repetir tudo na Justiça”. Após Luiz Eduardo Baptista, vice-presidente do Flamengo, dizer que a diretoria debatia durante a passagem de Abel Braga pelo clube e afirmar que achava que o profissional “estava de sacanagem”, “bêbado” ou “drogado”, o técnico se posicionou neste domingo, por meio de uma nota, rebatendo o dirigente, a quem classificou como arrogante e à sombra de Marcos, atual VP de futebol.

Abel ainda afirmou que os ataques pessoais a ele podem ter sido motivados por isso, mas que o VP de Relações Externas terá que “repetir tudo na Justiça”.

“As críticas em relação ao trabalho fazem parte da profissão. Temos que saber assimilar, tirar proveito disso tudo e nos tornar profissionais melhores. Mas partir para o lado pessoal, destilando palavras graves e sem qualquer sentido, é muito sério. Pessoas arrogantes assim não mereciam estar à frente de um clube como o Flamengo”, posicionou-se o treinador Abel Braga, de 67 anos. 

PT decide apoiar candidato do PSOL à Prefeitura de Belém

O Partido dos Trabalhadores não vai lançar candidatura própria para prefeito de Belém nas eleições deste ano. O partido decidiu se coligar com o PSOL e apoiar a candidatura do deputado federal Edmilson Rodrigues. O PT Belém também decidiu indicar o nome da ex-vereadora Ivanise Coelho para compor a coligação PT- PSOL como candidata a vice-prefeita e referendou os nomes de 43 pré-candidatos e pré-candidatas a vereadores. A decisão foi tomada em um encontro virtual do Diretório Municipal de Belém, realizado na noite deste sábado (27/06), com a participação de 61 filiados, incluindo 45 integrantes do Diretório, de convidados e de pré-candidatos e pré-candidatas.

A decisão do partido foi tomada em votação, com 35 votos a favor da coligação com o PSOL e 10 com o Podemos. O encontro foi presidido pelo presidente do PT Belém, Bira Rodrigues, e teve ainda a participação do secretário de Relações Internacionais do PT, Romênio Pereira, representante da Direção Nacional do partido, do presidente Estadual do PT, deputado federal Beto Faro e do vereador Amaury Sousa Filho.

Romênio Pereira informou que o partido terá 1.700 candidaturas a prefeito em todo o país, incluindo candidatos em 21 das 26 capitais de estado. Ele disse que espera “bons resultados” em Belém e em todo o Pará e elogiou “a forma democrática e politicamente correta com que conduziram o processo”.

Beto Faro disse que as decisões sobre candidaturas estão sendo tomadas livremente pelos diretórios municipais, conforme a decisão do Diretório Nacional, e que não houve intervenção em nenhum município. Ele afirmou que “precisamos ficar unidos. O PT precisa de uma Bancada forte em Belém”. Beto Faro informou que o partido tem mais de 40 candidatos a prefeito e disse que espera “mais que dobrar” os atuais cinco prefeitos e 101 vereadores petistas no Estado.

O presidente do PT Belém, Bira Rodrigues, informou que, em preparação para o encontro do Diretório Municipal, foram realizados seis congressos distritais e os seminários da Juventude e das Mulheres, reunindo em todos esses encontros em torno de 700 filiados do partido, sendo que cerca de 160 se manifestaram durante os debates em torno do programa de governo e tática e estratégia eleitoral. “É prática histórica de todo militante que tem compromisso com o futuro do partido tomar pra si a decisão da instância partidária e que todos tenham respeito pelo PT e pelo povo Belém. O PT sai unido para o enfrentamento dos inimigos reais e para resgatar Belém para as mãos do povo”, afirmou.

Já como pré-candidata, Ivanize disse que o momento é de baixar as armas e se unir em torno da PT para mudar a cara de Belém. “Acredito na sensibilidade petista, na força da mulher, vamos nos unir e marchar juntos para que possamos voltar um dia a governar Belém”, afirmou. (Com informações do jornalista Raimundo Sena)

Sob protesto, Botafogo reestreia no Carioca e goleia Cabofriense

Pedro Raul, Bruno Nazário e Luis Henrique em Botafogo x Cabofriense — Foto: André Durão

O Botafogo venceu a primeira partida oficial que fez em pouco mais de três meses depois da paralisação por conta da pandemia de coronavírus. O Alvinegro goleou a Cabofriense na manhã de hoje, no Nilton Santos, pela Taça Rio, por 6 a 2. Pedro Raul (duas vezes), Cícero, Bruno Nazário, Luis Henrique e Caio Alexandre marcaram para o Bota, enquanto Emerson Carioca e Diego Sales, de pênalti, descontaram. Contrário à retomada do futebol neste momento, o clube protestou antes e durante os 90 minutos.

Os jogadores entraram em campo com faixa que pedia respeito às vidas, ajoelharam-se já com a bola rolando em menção à luta contra o racismo e foram comandados pelo auxiliar Renê Weber. O técnico Paulo Autuori acompanhou o jogo da tribuna em protesto à punição que recebeu.

Com a vitória, o Botafogo vai a sete pontos no Grupo A da Taça Rio, na segunda colocação. Empatado em pontos com o Boavista, o Alvinegro leva vantagem nos gols pró (9 a 5). A Cabofriense segue sem pontuar no segundo turno do Campeonato Carioca.

O melhor: Pedro Raul Além dos dois gols no jogo de hoje, o atacante Pedro Raul teve um desempenho muito bom no Nilton Santos. Com muita movimentação, deu opções para os companheiros e confundiu a zaga rival.

Jogadores do Botafogo exibem faixa de protesto antes de jogo contra a Cabofriense - Thiago Ribeiro/AGIF

Os jogadores do Botafogo exibiram uma faixa aparentemente em alusão ao “Jogo Seguro”, protocolo elaborado pela Ferj para a volta da disputa do Campeonato Carioca. Depois, já com a bola rolando, o time se ajoelhou no gramado. A faixa, que acompanhou a equipe na entrada à partida, tinha os dizeres “protocolo bom é o que respeita vidas”. O Botafogo, vale destacar, foi um dos principais clubes contrários à volta dos jogos estaduais.

Punido por declarações contrárias ao retorno do Campeonato Carioca e à Federação de Futebol do Estado do Rio, o técnico Paulo Autuori não dirigiu o time do Botafogo. A missão ficou a cargo do auxiliar Renê Weber, já que Autuori quis marcar sua posição, ainda que o Bota tenha conseguido reverter a suspensão no STJD e ele estivesse liberado para dirigir a equipe.

O Alvinegro oscilou como um time que estava parado, mas controlou a maior parte do jogo. Sem o ritmo ideal, a equipe saiu em vantagem logo no começo e isso facilitou. Aos poucos o meio-campo criava jogadas e acionava o pessoal da frente. Foi assim que se destacou Pedro Raul e que a goleada foi construída. Ainda que tenha vencido, o time demonstrou cansaço, natural da ocasião. Houve cãibras, passes simples errados e algumas substituições.

Covid chega ao 6º mês e Brasil é visto como “ameaça global”

11/06/2020 - Manifestação da ONG Rio da Paz na praia de Copacabana; organização faz protesto contra a postura do governo federal no combate à covid-19 com a abertura de covas simbólicas nas areias da famosa praia carioca. 39.797 pessoas morreram no Brasil com a doença. - ERBS JR./FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Na próxima semana, o mundo completa seis meses de uma crise sanitária inédita, que abalou sociedades em todo o planeta e, como citou a ONU, virou o mundo de “cabeça para baixo”. A pandemia, porém, não dá sinais de perder força e, na próxima semana, o número de 10 milhões de casos será atingido. Se foram necessários dois meses para que os cem mil primeiros casos fossem registrados, hoje essa marca é atingida diariamente. Por semana, quase um milhão de novos contaminados são somados.

Mas meio ano depois do primeiro alerta oficial da China, em 31 de dezembro de 2019, e meses depois da emergência global declarada pela OMS no final de janeiro, é a situação no Brasil que ocupa em grande parte o centro das atenções nos debates a portas fechadas em Genebra. Com 200 milhões de habitantes e sem controle, o país é avaliado por parte dos especialistas como uma “ameaça global” na luta contra a pandemia, ao lado dos EUA. (Com informações de Jamil Chade)

Imagem

A frase do dia

“A cloroquina não serve para nada ‘no tocante’ ao coronavírus. Só tem efeitos colaterais. E o exército, sob a batuta de Bolsonaro, fez estoque para 18 anos. Esta é mais uma metáfora do descalabro bolsonarista. E, uma vez que o dinheiro é público, precisa ser investigada”.

Marcelo Backes, tradutor e jornalista