Futebol de pires na mão

Árbitro do "Re-Pa do século" apita clássico do próximo domingo ...

POR GERSON NOGUEIRA

O movimento é até surpreendente, se comparado ao fosso existente entre a direção de clubes e representante de atletas das séries A e B, os capitães de 16 times que disputam a Série C se engajam na mobilização para reivindicar recursos junto à CBF para que os clubes da Terceira Divisão consigam pagar os salários dos elencos.

Vinícius, goleiro e capitão do Remo, e Micael, zagueiro e capitão do PSC, representam a dupla paraense. O texto do documento encaminhado à confederação é direto: “Nos apresentamos diante da CBF com a intenção de solicitar a doação de recursos para os clubes da Série C, com destinação exclusiva de manter em dia o pagamento dos salários e imagens dos seus atletas”.

Além da assinatura de Vinícius e Micael, o apelo à CBF é subscrito por representantes de Volta Redonda, Imperatriz, S. José, Vila Nova, Ferroviário, Remo, Manaus, Ypiranga, Brusque, Jacuipense, Treze, Botafogo, Ituano, Santa Cruz e S. Bento. O documento não foi assinado por Boa Esporte, Londrina, Criciúma e Tombense.

A situação dos clubes é aflitiva em função da paralisação de atividades em todo o país. No Pará, a situação torna-se mais preocupante em função da realidade financeira da dupla Re-Pa. Já faz tempo que os dois gigantes do nosso futebol dependem da receita mensal para sobreviver. A

Ambos não conseguem manter um fundo de reserva para situações emergenciais. Nesse cenário, a pandemia da Covid-19 pegou todos desprevenidos. O Remo receia uma situação de pré-insolvência, caso as competições não sejam retomadas a partir de maio. No PSC, o quadro não é tão diferente, visto que o clube já enfrentava dificuldades para manter salários e encargos desde 2018, ano do rebaixamento à Série C.

O reinício do campeonato estadual – aliado à possível ajuda financeira da CBF – representará uma espécie de maná dos céus para os velhos rivais. Ao mesmo tempo, os dirigentes dos demais clubes do Parazão desenham cenários possíveis para o caso de a quarentena continuar.

Florescem teses sem sustentação prática – como a de encerramento do Parazão com declaração de campeão, vice e rebaixados – e outras mais racionais, como a que prega a anulação pura e simples, sem campeão e sem rebaixamento, com repetição de classificados de 2019 à Copa do Brasil e Copa Verde de 2021.

A proposta defendida pela FPF é de esperar pelas deliberações da CBF e pelo estágio da doença no Estado. Serve de alento a possibilidade de o Parazão ser encaixado em datas alternativas à tabela da Série C. Em favor da tese, há o fato de que o campeonato precisa de apenas seis datas – duas da fase de classificação, duas para as semifinais e duas para a decisão.

Os debates, ainda sem chancela oficial, vêm se desenvolvendo nos bastidores. Terceiro colocado, o Castanhal defende que se valorize o posicionamento dos quatro primeiros, propondo que nenhum time seja rebaixado e que o campeonato de 2021 tenha 12 participantes. Papão e Leão não defendem oficialmente nenhum plano, por enquanto.

Mata-mata na Série A volta à mesa de discussões

Com os temores e dúvidas sobre o calendário do futebol pós-pandemia , ressurge a tese de adoção do mata-mata ao invés do sistema de pontos corridos, em vigor desde 2003. Caso isso aconteça, a primeira divisão nacional pode mergulhar na mais séria crise financeira de sua história, agravando a penúria da maioria dos clubes.

O problema é que as empresas (Globo e Turner) que adquiriram os direitos de transmissão não irão aceitar a redução no número de jogos. Ambas pagam cerca de R$ 1.2 bilhão aos clubes disputantes da Série A. O combinado é entregar 380 partidas por temporada.

Caso a competição abrace o velho formato de mata-mata, apenas 19 partidas ficariam no sistema de pontos corridos. Ficariam 204 partidas neste modelo. A TV perderia um terço do campeonato, o que pode acarretar um prejuízo de R$ 600 milhões.

A parte leonina do dinheiro vem do serviço de pay-per-view da Globo, que já sofreu perdas substancial no ano passado em função da crise econômica. A emissora pagou cerca de R$ 550 milhões pelos direitos de transmissão.

Para 2020, a previsão era de alcançar R$ 700 milhões, mas a pandemia já alterou todas as planilhas. Clubes como Flamengo, Palmeiras, Grêmio e Corinthians constituem exceção em meio ao aperreio geral. O quarteto conta com um valor mínimo garantido.

O grande nó da questão é que, segundo o regulamento do Brasileiro, a TV terá direito de renegociar o mínimo garantido aos clubes “mais rentáveis” a um valor proporcional ao número de jogos. É, portanto, desinteressante para todos os clubes a ideia de ressuscitar o mata-mata.

Daniel Alves e o desafio de chegar inteiro à Copa 2022

Boleiros costumam ser condescendentes e corporativos. Roberto Carlos, lateral esquerdo campeão mundial em 2002, esbanjou boa vontade ao defender ontem que o veterano Daniel Alves seja convocado para todos os jogos da Seleção Brasileira, independentemente de sua condição técnica atual e da posição que ocupa no time do São Paulo.

Para Roberto, Dani Alves é um “fenômeno” em campo e uma liderança entre os jogadores, capaz de atuar tanto no meio-campo como pelo lado. Só não falou sobre o rigoroso desafio físico que a próxima Copa do Mundo vai exigir de atletas quarentões como o são-paulino.

Bola na Torre

Lino Machado apresenta o programa, a partir das 19h30, na RBATV, com a presença de Saulo Zaire e Mariana Malato no estúdio. Participações de Guilherme Guerreiro, Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião em ritmo de home office. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 29)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s