Porta dos Fundos tira onda do Papão em vídeo na internet

O Paissandu foi citado no mais recente vídeo do Porta dos Fundos, produtora de vídeos de comédia veiculados na internet. No episódio intitulado “Irmã”, o ator Rafael Portugal se veste de mulher e tenta paquerar o outro ator, João Vicente de Castro.

Na cena, com ar de surpresa, João Vicente diz ao amigo: “Não é porque você botou uma peruca e um vestido que você perdeu a sua cara de zagueiro do Paissandu”.

O vídeo foi publicado nesta segunda-feira (16) no Twitter e no Youtube. Aliás, no twitter é que o nome do Paysandu é citado e fez muitos torcedores comentarem.

Abel é o novo técnico do Vasco

Abel Braga é o novo técnico do Vasco. A diretoria cruzmaltina e o treinador chegaram a um acordo na tarde de hoje (16), após longa reunião, e ele comandará a equipe de São Januário na próxima temporada. Este é o primeiro reforço do clube no Mercado da Bola para 2020. Abel chega para substituir Vanderlei Luxemburgo, que não renovou com o Vasco e foi para o Palmeiras.

Em comunicado oficial, o Vasco ressaltou a história que Abel Braga tem no clube. Quando jogador, ele defendeu o cruzmaltino e conquistou o Campeonato Carioca de 1977: “Ex-zagueiro da seleção brasileira, Abel Braga formou com Lelé, Orlando e Marco Antônio uma das zagas mais famosas do Cruzmaltino, conhecida como “Barreira do Inferno”.

Pelo Vasco, Abel conquistou o título carioca de 1977. Depois, graças à ótima fase com a camisa vascaína, disputou a Copa do Mundo de 1978, na Argentina, e seguiu carreira no exterior, mais precisamente no Paris Saint-Germain, da França”, diz trecho do comunicado.

Incrível: militar dos ’80 tiros’ põe culpa na vítima pelo fuzilamento

O comandante da patrulha de militares a qual é atribuída a morte do músico Evaldo Rosa dos Santos e do catador Luciano Macedo, o tenente Ítalo Nunes, afirmou em depoimento à Justiça Militar realizado hoje que Macedo estava armado no momento em que foram realizados mais de 80 disparos em direção ao carro no qual estava a família. “O vi ao lado do Ford Ka [dirigido por Evaldo] atirando em nossa direção”, disse, em justificativa aos tiros. Nenhuma arma foi, no entanto, encontrada com o catador durante a perícia criminal realizada na região.

O tenente foi o primeiro dos 12 militares a serem ouvidos pela Justiça Militar hoje. Em seu relato – que durou mais de três horas – Nunes incriminou o catador de materiais recicláveis. De acordo com ele, Luciano foi visto pelos militares, momentos antes das mortes, assaltando um veículo.

Porém, quando questionado em relação à inexistência de armamento encontrado no local do crime, o militar afirmou acreditar que uma pistola tenha sido levada de volta para o interior da favela do Muquiço por uma das pessoas que estavam no veículo.

“Nas imagens feitas posteriormente de cima, é possível ver uma das ocupantes do carro olhando para o chão, procurando algo. As imagens não mostram arma no chão, mas esta postura é suspeita. Se ela estava olhando para baixo, certamente sabia que encontraria algo. Possivelmente um armamento”, afirmou.

Os destruidores

Por Moisés Mendes

Preparem-se para o revide, depois da declaração de Dias Toffoli ao Estadão de que a Lava-Jato destruiu empresas.

“A Lava Jato foi muito importante, desvendou casos de corrupção, colocou pessoas na cadeia, colocou o Brasil numa outra dimensão do ponto de vista do combate à corrupção, não há dúvida. Mas destruiu empresas. Isso jamais aconteceria nos Estados Unidos. Jamais aconteceu na Alemanha. Nos Estados Unidos tem empresário com prisão perpétua, porque lá é possível, mas a empresa dele sobreviveu”.

Toffoli não diz nenhuma novidade. Economistas, empresários, juristas e até o Tiririca já disseram mil vezes o que só agora o presidente do Supremo decidiu dizer.

Mas sua declaração pode aumentar os atritos entre a Lava-Jato e o Supremo, o que talvez seja bom para todos, menos para Sergio Moro e Deltan Dallagnol.

Sempre lembrando que a Folha divulgou no domingo um grampo contra Alexandre de Moraes, que a Polícia Federal fez em 2015 ao investigar um desembargador de Minas acusado de corrupção.

Neymar rompe namoro com Barcelona e cobra quase R$ 16 milhões

O jornal espanhol El Mundo publicou hoje que Neymar acusa o presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, de agir com “absoluta má fé” e entende que teve “represálias” da diretoria do Barça após fechar com o PSG. Ainda segundo a publicação, o atacante também está cobrando 3,5 milhões de euros (cerca de R$ 16 milhões) nos tribunais pelo não pagamento de uma parte de seu salário quando ainda era jogador do clube espanhol.

A assessoria de imprensa de Neymar procurou a reportagem do UOL e negou a presença dos termos “má fé” e “represálias” nos autos do processo e a existência de uma nova ação. Segundo eles, a única ação que existe é uma antiga, questionando pagamentos de “meses trabalhados e não pagos”.

O jornal escreveu também que Neymar, durante a negociação para voltar ao Barça, estaria disposto a abrir mão de um bônus de mais de 43 milhões de euros (cerca de R$ 199 milhões) que diz ter direito por sua última renovação com os catalães antes de fechar com o PSG. Porém, como o negócio não deu certo, ele voltou atrás e agora passou a cobrar também os 3,5 milhões de euros.

Neymar chegou a ficar perto de retornar ao Barcelona na última janela de transferências, mas os catalães não chegaram a um acordo com o PSG, o que manteve o jogador brasileiro na equipe francesa.

Blatter e Platini terão que devolver 2 milhões de euros à Fifa

O Comitê de Governança da Fifa entrou hoje com uma ação na Justiça da Suíça para recuperar 2 milhões de euros (equivalente a R$ 9 milhões) que foram pagos de forma indevida pelo ex-presidente da entidade Joseph Blatter ao ex-comandante da Uefa Michel Platini. O cartola suíço fez o pagamento para o ex-atleta da Juventus em 2011, mas o caso veio à tona em 2015 e obrigou Blatter a renunciar do comando da entidade máxima do futebol.

A intenção de iniciar o processo de recuperação da quantia foi confirmada em uma carta enviada pelo presidente do Comitê de Governança, Mukul Mudgal, ao secretário-geral da Fifa, Alasdair Bell. Esse episódio frustrou Platini, pois o francês tinha intenção de suceder Blatter à frente da Fifa. O ex-jogador, que liderou a Uefa entre 2007 e 2015, teve seu nome envolvido em casos de corrupção e o impediu de ser candidato à presidência da federação.

“Até mesmo a Suprema Corte Federal da Suíça confirmou que esses 2 milhões de euros são vistos como ‘um pagamento indevido’. Se e quando recuperados com sucesso, esses fundos (juntamente com os juros) serão totalmente canalizados de volta para o desenvolvimento do futebol, que é onde o dinheiro deveria ter sido investido no primeiro momento”, disse a entidade em comunicado divulgado hoje.

Em junho deste ano, Platini foi detido na França sob suspeita de corrupção na escolha do Catar como sede da Copa do Mundo de 2022, mas foi solto poucos dias depois. O francês alega que foi “vítima de uma conspiração” e “de um violento processo de mediação” pela sua saída da Uefa e por não conseguir se candidatar para a presidência da Fifa.

Depois de cumprir quatro anos de suspensão de qualquer atividade no futebol, o ex-jogador e ex-presidente da UEFA, Michel Platini desabafou na rádio francesa sobre a forma como foi tratado nos últimos anos. “Fizeram de mim um Al Capone”, disse ele em entrevista à Franceinfo.

“Fui chamado de falsificador de contas, corrupto, lavador de dinheiro. Isso dói. Foi complicado para mim e para a minha família. Fizeram de mim um Al Capone”, declarou o ex-jogador. Ainda na entrevista, ele diz que foi alvo de uma conspiração e culpa Blatter, ex-presidente da Fifa. (Do UOL)

Novo caso de faixa antifascista proibida, agora no tênis de mesa

O fim de semana teve mais um caso de bandeira antifascista retirada das arquibancadas de um evento esportivo. Desta vez, no Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa, que aconteceu no Centro Paraolímpico de São Paulo. De acordo com a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), a arbitragem do evento determinou que os seguranças exigissem que a bandeira com os dizeres “Raquetadas contra o Fascismo”, pendurada na grade superior da arquibancada, fosse retirada – ela acabou guardada.

A confederação alega que teve a postura pensando na segurança dos torcedores presentes ao torneio, uma vez que havia pessoas “incomodadas” com a faixa antifascista. “A ação de solicitar a retirada da bandeira não foi realizada de forma violenta ou truculenta. A atitude atendia ao pedido de outros torcedores, incomodados com a manifestação. Havia uma discussão áspera na arquibancada, colocando em risco a segurança de todos os demais”, explicou a CBTM.

No Twitter, o dono da faixa negou o relato. “Uma única pessoa, identificada por presentes como ‘Didi’, demonstrou incômodo pela bandeira e queria confiscá-la. E, diferentemente da bandeira, apartidária, esse senhor afirmou: ‘sou bolsonarista e quero essa merda retirada’. Felizmente, o segurança presente no local agiu de forma pacífica e humana – e acatamos a retirada da bandeira, mesmo ela não ferindo o estatuto do torcedor de nenhuma forma”, postou Ken Fujioka. Ele e um amigo, Mateus Amaral, continuaram no torneio com camisetas com a mesma imagem da bandeira. A torcida ainda conta com Luis Yassuda.

Eleita a confederação com melhor práticas de governança do país no Prêmio Sou do Esporte, há duas semanas, a CBTM não explicou por que não determinou a retirada das pessoas (ou da pessoa) que iniciaram a discussão e que colocavam em risco a segurança. A entidade alega também que a bandeira seria proibida pelo Estatuto do Torcedor, onde um inciso diz ser uma das condições de acesso e permanência do torcedor no recinto esportivo “não utilizar bandeiras, inclusive com mastro de bambu ou similares, para outros fins que não o da manifestação festiva e amigável”.

“Entendemos, por fim, que a ação tinha o objetivo de evitar um conflito maior, colocando em risco a segurança de todos os mesa-tenistas, em ambiente que transcorreu em clima de total harmonia durantes os cinco dias de evento”, completou a confederação, que alega não ter “nenhum tipo de direcionamento político-partidário, seja ele de direita ou esquerda”.

Na semana passada, uma faixa com os dizeres “Botafogo Antifascismo” foi retirada pela Polícia Militar das arquibancadas do Estádio Nilton Santos, no Rio. Na ocasião, a PM fluminense também alegou que a faixa era proibida pelo Estatuto do Torcedor. (Do blog Olhar Olímpico)