Abbey Road recoloca Beatles nas paradas inglesas

Da AFP

O clássico álbum “Abbey Road”, dos Beatles, voltou ao topo da lista dos mais vendidos no Reino Unido meio século depois de liderar as paradas pela primeira vez, em mais um recorde obtido pelo quarteto de Liverpool.

“Abbey Road” foi esta semana o disco de vinil mais vendido no Reino Unido, com cerca de 9 mil cópias.

O último disco dos Beatles, reconhecido pela clássica foto dos quatro cruzando uma rua sobre a faixa de pedestres, foi lançado em setembro de 1969, seis dias após John Lennon comunicar aos companheiros que abandonaria o grupo.

Naquele momento, o disco liderou as paradas durante 17 semanas, e nesta sexta-feira uma edição especial pelo 50º aniversário, que inclui gravações inéditas, voltou ao topo dos mais vendidos.

“É difícil acreditar que ‘Abbey Road’ ainda cai bem após todos estes anos. A verdade é que é um disco excelente”, comentou no Twitter Paul McCartney.

Com 49 anos e 252 dias após chegar ao topo, o álbum tem agora o recorde de tempo transcorrido, superando outro sucesso dos Beatles: “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”.

Sgt. Pepper’s, que a revista Rolling Stone qualifica como o melhor álbum de todos os tempos, voltou ao topo após 49 anos e 125 dias.

A imagem de Lennon seguido por Ringo Starr, McCartney e George Harrison atravessando a rua conquistou o mundo imediatamente.

Quem pode desequilibrar o clássico

POR GERSON NOGUEIRA

Será o último enfrentamento do ano entre os velhos rivais. Há muito em jogo, além da questão histórica. Questões do dia a dia dos clubes aumentam a importância e a dramaticidade do duelo desta tarde, no estádio Jornalista Edgar Proença. A principal delas é de ordem financeira. Quem avançar à decisão da Copa Verde garante, de cara, uma arrecadação em torno de R$ 800 mil (ou mais) no jogo em Belém.

Dinheiro bem-vindo e mais do que suficiente para sanar despesas de fim de ano com a folha de pagamento, que será turbinada pela prorrogação de contratos de atletas que seriam liberados em outubro, mas que terão que ser mantidos para a decisão em novembro. A conta inclui, ainda, o 13º salário.

Óbvio que tudo isso vai se tornar choro e ranger de dentes do lado derrotado neste domingo, pois as contas não cessarão e os encargos terão que ser custeados de outra forma, fato que leva a rompantes mais extremados, como a ideia de renunciar à Copa Verde em 2020, manifestada pelo presidente do PSC, Ricardo Gluck Paul.

Diante do valor real e agregado do clássico de hoje, a coluna elenca os jogadores dos dois times que podem fazer a diferença no duelo decisivo. São poucos, mas têm qualidade e potencial para mudar a cara do jogo, desde que estejam em tarde inspirada e sejam bem acionados.

O Papão, que é o mandante deste segundo clássico da semifinal, tem em Nicolas sua principal peça ofensiva. Em todos os momentos de decisão ele estava lá, conferindo ou participando das jogadas de gol. Foi assim no fatídico jogo nos Aflitos, quando marcou um golaço e esteve perto de fazer mais dois, circunstância que também gerou algumas críticas.

Mas, como se sabe, boleiro de verdade é aquele que está lá na zona fatal brigando o tempo todo. Se, como no caso da partida com o Náutico, deixa de marcar é porque lá, em condições de finalização, e arriscando. Afinal, só perde quem tenta. Definitivamente, não se pode acusar Nicolas de omissão. Foi dele (contra o Bragantino) o gol que botou o Papão na semifinal.

Outro nome que pode desequilibrar, caso jogue em bom nível, é Tiago Luís. Em fase de recuperação e resgate de confiança, entrou no último Re-Pa, sem participar muito das ações ofensivas. Especialista em bola parada, o camisa 10 pode ser uma opção para o último terço do clássico.

Especialista em Vinícius Leite, autor do gol contra o Remo que classificou o PSC ao mata-mata da Série C, o atacante ganhou a titularidade graças à movimentação e à capacidade de finalizar de fora da área – mandou um chute no travessão no primeiro Re-Pa.

Entre os azulinos, o jogador mais importante não vem atuando bem desde as partidas finais da Série C. Eduardo Ramos, camisa 10 e organizador, apresenta queda de rendimento e mostra desgaste físico. Por conta disso, chegou a ser ventilada sua substituição por Zotti, situação na qual ele seria poupado para os 30 minutos finais. Nesse caso, poderia se tornar arma respeitável para aproveitar o cansaço do setor defensivo adversário.

Outro nome de relevância é o centroavante Neto Baiano, que vem prometendo muito, mas ainda não fez gol contra o PSC. Tem experiência em confrontos decisivos e facilidade para o jogo aéreo.

Por fim, o Remo tem Gustavo Ramos, o mais polivalente dos jogadores à disposição de Eudes Pedro. Teve boa atuação domingo passado, mesmo forçado a voltar para contribuir com a marcação. Tem velocidade, sabe driblar e só precisa caprichar mais na pontaria.

Caso esses atletas consigam jogar em bom nível, o clássico ganhará muito em qualidade e emoção, ao contrário do morno jogo passado.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda o programa, a partir das 21h, na RBATV. Participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba baionense. Em destaque, o Re-Pa de definição do finalista da Copa Verde.

Fifa passa pano para o esdrúxulo calendário da CBF

O repórter Jamil Chade relata, em seu blog, que o presidente da Fifa, Gianni Infantino, reagiu com ar de perplexidade ao tomar conhecimento de detalhes do e enrolado calendário do futebol brasileiro para 2020, anunciado pela cúpula da CBF na quinta-feira (3).

Mesmo para alguém conhecido por disfarçar bem as reações, evitando incorrer em gafes públicas, Infantino demonstrou espanto ao saber que nove rodadas do Brasileirão foram programadas para o período da Copa América, torneio de seleções do continente e terceira maior competição do futebol internacional depois da Copa do Mundo e da Euro.

No caso da Série A, quase 25% das rodadas ocorrerão durante o torneio oficial da Conmebol. Apesar da aparente surpresa, Infantino, que substituiu Blatter na Fifa montado num discurso reformista, tratou de amenizar as coisas. Disse que é necessário rever critérios, mas sempre evitando ser mais duro em relação à CBF.

Até pela inexistência de regras que ordenem o encaixe de competições no calendário de datas da temporada, o chefão da Fifa limitou-se a emitir lamentos pela situação brasileira. Disse que é uma pena que isso ocorra, com claro prejuízo a clubes e jogadores.

De concreto, não disse rigorosamente nada. A questão é que a Fifa, globalizada e com o conhecido apetite voraz em relação às receitas que os torneios continentais podem gerar, prefere fingir-se de morta a fim de não ferir suscetibilidades. Enquanto isso, toca o barco normalmente, como se não houvesse nada a ser feito.

Mais ou menos como agem CBF e federações, incluindo a daqui. Palavras ocas, zero em atitudes que solucionem problemas e a eterna parcimônia de quem não mexe em time que está ganhando – no caso, muito dinheiro.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 06)

A história de um Guerreiro da comunicação

O documentário é de 2016, produzido pela Academia Amazônia, mas vale pela abordagem e registro de uma magnífica história profissional dedicada à comunicação e ao jornalismo radiofônico. O oriximinaense Guilherme Guerreiro é orgulho e exemplo para todos os profissionais da área.

Galeria do rock

Há 49 anos, o Led Zeppelin lançava “III”, seu terceiro disco de estúdio. O álbum é o primeiro a apresentar influências mais marcantes do folk britânico no estilo hard rock da banda fundada por Jimmy Page. O single “Immigrant Song” é a música mais famosa do álbum, tendo sido recentemente incluída na trilha do filme “Thor”.

Cresce expectativa pelo anúncio do Prêmio Nobel da Paz

Após a prefeitura de Paris conceder o título de Cidadão Honorário a Lula, internautas começaram nova campanha nas redes sociais para pedir a indicação do ex-presidente ao Prêmio Nobel da Paz, que será divulgado no dia 11 de outubro.

“Lula tem quase 30 títulos de Doutor Honoris Causa concedidos por algumas das mais importantes universidades do Brasil e do mundo. Isso não veio à toa. O reconhecimento do seu papel é global. E isso tem legitimidade para lhe conferir um Nobel da Paz”, escreveu o líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta.

“Lula é símbolo de resistência mundial”, escreveu o deputado federal Paulo Teixeira (PT), também fazendo campanha com a hashtag. “Alguém que teve como missão maior de sua vida erradicar a fome e como projeto político retirar milhões de brasileiros e brasileiras da miséria merece, sim, o Prêmio Nobel da Paz!”, comentou a deputada Erica Kokay, presidenta do PT no Distrito Federal.

O Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, visitou o ex-presidente no dia 12 de setembro e também participou da torcida para que Lula seja indicado. “Não sabemos o que pode ocorrer, mas seria muito importante que fosse outorgado a Lula. Seria o primeiro prêmio Nobel do Brasil”, disse.

A temporada do Nobel começará com os prêmios científicos. O vencedor da categoria de Literatura será conhecido na quinta (10), e na sexta (11) será a vez do Nobel da Paz. Além de Lula, nomes como Greta Thunberg e o cacique Raoni Metuktire também estão quentes na disputa.

ELEIÇÕES – “Não importa quem Lula poderia enfrentar na disputa. E se Lula vencesse a eleição? Neste caso, estaria com a razão quando insiste em que uma série de abusos o impediu de concorrer à Presidência em 2018, por medo de que ele as vencesse. E se perdesse? Então, isto significaria que sua força política, na qual continua acreditando e apostando, se desgastou depois das peripécias judiciais e o período de prisão”, escreve o colunista e escritor Juan Arias, no El País.

Mestre Scorsese não curte filmes da Marvel

Martin Scorsese, diretor ganhador do Oscar por Os Infiltrados e autor de clássicos como Os Bons Companheiros e Taxi Driver, criticou filmes de super-heróis da Marvel.

Ele falou em uma entrevista à Empire. Disse o seguinte sobre filmes da Marvel: “Eu não assisto. Eu tentei, sabe? Mas isso não é cinema. Sinceramente, o mais próximo que eu posso pensar que eles chegam, por mais bem feitos que sejam, com atores fazendo o melhor que podem nessas circunstâncias, é parque de diversões. Não é o cinema de seres humanos tentando passar experiências emocionais, psicológicas, para outro ser humano”.

Escritores afirmam que o Brasil de hoje lembra a África pré-guerra civil

Os escritores Mia Couto (foto), moçambicano, e José Eduardo Agualusa, angolano, falaram em uma entrevista nesta terça (1º), que “o clima que vemos no Brasil hoje é assustadoramente semelhante à situação que existia nos nossos países no início da guerra civil. A primeira coisa que uma guerra civil faz é dividir as famílias e acabar com o diálogo. Sei que a tentação é pegar em armas e dizer que estamos em guerra. O mais difícil é restabelecer a conversa entre os que discordam, mas é urgente que o Brasil faça isso”. A informação foi dada por Agualusa.

Eles são dois dos principais escritores da África de língua portuguesa e viajaram a São Paulo para participar de um evento no Instituto Tomie Ohtake. O encontro era sobre a obra que publicaram a quatro mãos no primeiro semestre deste ano, “O Terrorista Elegante e Outras Histórias”. E aproveitaram a visita para olhar com preocupação o Brasil de 2019, sob Bolsonaro.

Informação é de Bruno Molinero na Folha de S.Paulo.