Juventude conquista acesso com goleada sobre o Imperatriz

Náutico x Juventude e Sampaio Corrêa x Confiança irão disputar as semifinais da Série C. Os quatro clubes já estão garantidos na Série B 2020. Três times do grupo A (Confiança, Sampaio e Náutico se classificaram) e apenas o Juventude passou entre os clubes do grupo B. Um dado curioso é que três ex-técnicos do Paissandu comandam times que conquistaram o acesso: João Brigatti (Sampaio), Gilmar Dal Pozzo (Náutico) e Marquinhos Santos (Juventude).

Dal Pozzo repudia ataques e aponta desequilíbrio de Hélio dos Anjos

whatsapp_image_2019-09-08_at_18.29.59

O técnico Hélio dos Anjos, do Paissandu, foi duro nas críticas ao trio de arbitragem do jogo contra o Náutico – comandado por Leandro Pedro Vuaden (RS) – por pênalti marcado para o Timbu nos minutos finais da partida do domingo, valendo acesso à Série B. Hélio ainda insinuou que o suposto erro do árbitro teria ligação com o fato de a comissão  técnica do Náutico ser integrada por gaúchos. Ontem, o treinador alvirrubro Gilmar Dal Pozzo respondeu em nota oficial, repudiando as palavras de Hélio dos Anjos.

“Repudio toda e qualquer ato que mexa com meu caráter, minha índole e minha ética nestes 50 anos de vida e mais de 30 anos de futebol. Querer induzir benefício da arbitragem por sermos ‘todos gaúchos’, demonstra total desequilíbrio por parte do treinador do Paysandu Sport Club e ainda um desconhecimento.”

O desconhecimento a que Dal Pozzo se refere é sobre seu Estado Natal. “Sou nascido em Quilombo, oeste de Santa Catarina, e resido em Florianópolis, assim como o próprio colega que também tem endereço na capital catarinense. Construí uma carreira sólida no Rio Grande do Sul e me orgulho disso, como ele também lá trabalhou em mais de um clube. Jamais admitiria, admito ou admitirei correlação de auxílio de alguém por este motivo. Minha indignação está em associar meu nome e da comissão técnica com um prejuízo que ele entende ter sofrido e querer denegrir todo um trabalho realizado no Náutico, onde temos a melhor campanha da Série C 2019 e, com méritos, chegamos ao acesso”.

whatsapp_image_2019-09-08_at_18.29.58

Dal Pozzo também explicou por que decidiu se manifestar e responder às insinuações do colega. “A imagem que construí ao longo da carreira não permite me calar diante de tal atitude. Ao longo dos dias que antecederam o confronto mantive sempre o respeito e a cordialidade com o rival, inclusive o qual dirigi em certo momento e tive números positivos, sem jamais deixar o tom subir ou agir com emoção. Meu equilíbrio me mantém, porém, onde envolve família e dignidade, o tom sobe”. 

Trivial variado da perseguição a Lula como razão de existir da Lava Jato

EDzflJ9WsAAQwf8

“É urgente uma CPI da Lava Jato. Não se pode aceitar que uma quadrilha continue operando a partir do Estado. O combate à corrupção é fundamental, mas não pode ser feito por criminosos”. Renato Rovai

“O PT, maior partido do Brasil, defende há 40 anos os direitos democráticos inscritos na Constituição: civis, sociais, ambientais e trabalhistas. Durante 13 anos, à frente do poder, deu direitos jamais concedidos ao povo brasileiro. Parabéns PT!”. Sonia Meneghetti

“O ministro da Educação é um imbecil. Depois de KafTa, da paraliZação e da suspenÇão, o deSCente! Fosse Weintraub só um apóstolo da estupidez, eu nem me preocuparia tanto. Mas o indivíduo é perigoso, obscurantista, um gafanhoto no trigal já precário da educação. Vai faltar pão!”. Marcelo Backes

“Está na hora dos analistas políticos começarem a olhar para o Rio com mais preocupação. O que ocorre no Rio não é uma política de segurança atrapalhada feita por um político inexperiente. O que ocorre no Rio é um laboratório de controle social com genocídio da população pobre”. Biazita Gomes

“Vocês,milicianos bolsonaristas, não ficavam o tempo todo pedindo a minha demissão? Pois agora que eu mesmo resolvi atendê-los, tenho 24 horas por dia para encher o saco de vcs. Hehe! Engula, gado!”. Fabio Pannunzio

“A parada é a seguinte: se o povo não arrancar Lula da prisão, a ORCRIM da Lava Jato sempre vai indicia-lo por alguma coisa e o STF deixará ele lá até morrer!”. Jean Senna

“Após 90 dias de vaza jato, tudo parece seguir como dantes no quartel d’Abrantes. O que mais precisa para mudar?”. Marcio Pochmann

Desmatamento na Amazônia cresce 222% no mês de agosto em relação a 2018

desmatamento-600x389

Do DW

A Amazônia perdeu em agosto deste ano 1.698 quilômetros quadrados de cobertura vegetal, área 222% maior do que a desmatada no mesmo mês de 2018, que foi de 526 quilômetros quadrados, segundo dados divulgados neste domingo pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os números indicam que, apesar da devastação, houve redução na comparação com julho deste ano, em que houve destruição de 2.254 quilômetros quadrados.

Em comparação aos mesmos períodos de 2018, os meses de junho e julho apresentaram, respectivamente, crescimento de 90% e 278% no desmate.

Com os saltos, a área desflorestada da Amazônia nos oito primeiros meses de 2019 chegou a 6.404 quilômetros quadrados, número 92% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior (3.337 quilômetros quadrados).

Papão reclama da arbitragem e vai pedir a paralisação do campeonato

Informações de bastidores indicam que a diretoria do Paissandu avalia a ideia de apresentar protesto formal ao STJD solicitando a paralisação do Campeonato Brasileiro da Série C, sob a alegação de que o clube foi prejudicado pela arbitragem com pênalti considerado inexistente aos 49 minutos do 2º tempo da partida contra o Náutico, no Recife.

Com a penalidade, o Náutico empatou o jogo (2 a 2) e forçou a série decisiva de tiros livres da marca do pênalti, levando a melhor na dista (5 a 3). O alvo da indignação alviceleste é o árbitro Leandro Vuaden (RS).

Uma reunião realizada ontem à noite entre diretores e conselheiros decidiu que o clube tem o direito de apelar ao tapetão, apontando erro na aplicação da regra no lance do pênalti. Vai citar também um suposto penal sobre Hygor que não foi marcado por Anderson Daronco no jogo em Belém. Outro item da reclamação seria a admissão de erro de Vuaden por parte de Leonardo Gaciba, diretor de arbitragem da CBF.

O Papão também vai argumentar que Leandro Vuaden foi o único árbitro não integrante do quadro da Fifa nos jogos da quartas de final da Série C – embora não haja qualquer obrigatoriedade nesse sentido.

whatsapp_image_2019-09-08_at_20.43.15

Por fim, o clube protesta da súmula do jogo, que não fez referência à invasão do gramado dos Aflitos pela torcida do Náutico para comemorar o acesso. O PSC alega que a comissão técnica teria sido vítima de agressões e que seus jogadores teriam sido hostilizados.

O presidente do PSC, Ricardo Gluck Paul, viaja ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira e promete providências judiciais. Em nota oficial, o clube destaca ter sido “prejudicado por um gravíssimo e escandaloso erro de arbitragem, com ampla repercussão na mídia nacional e nas redes sociais”, se referindo ao lance no último minuto dos acréscimos.

O gaúcho Leandro Pedro Vuaden marcou um pênalti a favor do Náutico. Ricardo Gluck Paul, ainda de acordo com o comunicado divulgado pelo Paissandu, terá o auxílio de um grupo de advogados especialistas em direito esportivo. O clube bicolor alega que a penalidade não existiu: 

“Caíque Oliveira cortou de cabeça em direção contrário ao gol e a bola bateu em Uchôa, que estava com o braço totalmente colado ao corpo, sem tornar seu corpo maior de maneira antinatural. Além disso, a bola foi tocada por Caíque Oliveira na direção de Uchôa, ou seja, um próprio jogador bicolor, dentro da regra”, diz o texto.

Observa ainda que “não há infração se a bola tocar a mão ou o braço de um jogador diretamente da cabeça ou do corpo do próprio jogador, incluindo o pé; diretamente da cabeça ou do corpo, incluindo o pé, de outro jogador que esteja próximo; se mão ou o braço estiver perto do corpo e não faça o corpo artificialmente maior; quando um jogador cai e a mão ou o braço está entre o corpo e o solo para apoiar o corpo, mas não estendido lateralmente ou verticalmente para longe do corpo”.

O pecado (fatal) do desperdício

mco_6552

POR GERSON NOGUEIRA

Muito se discutirá ainda sobre a eliminação do PSC, ontem à noite, no estádio dos Aflitos, após série de penalidades. É normal que explicações sejam buscadas sempre que um time fracassa. Surgem alegações de todo tipo, incluindo até teses conspiratórias a respeito da escalação de árbitros gaúchos nos dois confrontos. Na verdade, o Papão cometeu o pecado do desperdício e foi duramente castigado.

Abriu 2 a 0 no placar, perdeu três chances claras para ampliar e acabou deixando o Náutico empatar. O jogo foi para a série extra de penalidades e o time pernambucano levou a melhor, marcando 5 a 3.

Até mesmo as queixas em relação ao penal marcado aos 49 minutos do 2º tempo são discutíveis. Lance capital da noite, a marcação de Leandro Vuaden desperta discussões sem fim, mas fica a impressão de que as reclamações têm mais a ver com o momento em que ocorreu a polêmica falta.

O mundo do futebol costuma reagir com estranheza a penalidades assinaladas nos segundos finais do período de acréscimos, ainda mais em favor do time da casa. Apesar de a imagem não mostrar com clareza, a bola parece tocar no braço do jogador do PSC. Avaliação que deve ter sido a mesma do árbitro, que estava bem posicionado.

Como a decisão é de caráter interpretativo, o debate tende a ser eterno e inconclusivo. Prefiro me ater às razões concretas do insucesso do PSC na partida. Impossível não observar o excesso de erros nas finalizações.

O gol de Vinícius Leite caiu do céu aos 24 minutos. Um disparo forte, que desviou na zaga e entrou no canto esquerdo, fez com que o Papão tomasse as rédeas do confronto e encaminhasse a classificação.

O começo da partida havia se desenrolado de maneira satisfatória para o PSC – nem tanto por seus méritos, mas pela visível intranquilidade do Náutico. O time de Gilmar Dal Pozzo errava passes, não encaixava a pressão desejada e cercava a área sem oferecer perigos claros.

O melhor momento do Náutico foi ofertado por Mota, que tentou sair com a bola dominada e acabou entregando nos pés de Jean Carlos. O meia fez um giro e bateu rasteiro, mas Micael evitou o gol.

Tiago, Álvaro e o próprio Jean Carlos, melhores jogadores do Timbu, pareciam se esconder e deixavam-se marcar com facilidade e pouco arriscavam nas jogadas de fora da área. A tensão se acentuava a partir das cobranças da torcida e se agravou depois que o Papão abriu o placar.

Tomas Bastos, lesionado, foi substituído por Tiago Primão. O PSC não protegia-se bem e priorizava a recuperação da bola para partir em contra-ataque. Com essa estratégia, era mais agudo e objetivo.

Foi assim que Nicolas, aos 41’, recebeu de Uchoa e entrou na área. Livrou-se do goleiro e bateu com o gol escancarado. O chute saiu rasteiro e permitiu que o zagueiro Camutanga desviasse quase em cima da linha. Um desperdício que iria ser muito lamentado depois. Logo em seguida, Nicolas ainda perdeu outra chance.

whatsapp_image_2019-09-08_at_20.06.16

No 2º tempo, como era natural, o Náutico voltou com mais ímpeto na luta para igualar o marcador, mas incorria nos erros de cobertura quando os laterais se lançavam à frente. Ocorre que logo aos 9 minutos o PSC chegou ao segundo gol. Cruzamento de Tony para um golaço de Nicolas, que bateu de letra. A bola ainda tocou no travessão antes de morrer nas redes.

O que já estava bom, ficou ótimo. O jogo ficou inteiramente controlado pelo Papão. Desesperado, o Náutico não acertava nada. Nicolas teve logo em seguida outra oportunidade preciosa após arrancada de Hygor pela direita. O meia-atacante estava livre, mas bateu mal, por cima do gol.

mco_7090

Álvaro diminuiu aos 19’ e reabriu as esperanças do Náutico. A torcida voltou a acreditar no impossível. O Papão se encolheu, Reis e Primão já não saíam do campo de defesa e a pressão foi crescendo. Aos 36’, Uchoa ainda perdeu outro gol, batendo em cima do goleiro Jefferson.

Aos 49’ veio o lance fatídico. Última tentativa do Náutico. Bola lançada na área por Wallace Pernambucano. Caíque desviou de cabeça e a bola toca no braço de Uchoa. Jean Carlos bateu e empatou.

O jogo se encaminhou para a série de penais e Wellington Reis errou sua cobrança. O Náutico acertou todas. Classificação pernambucana.

————————————————————————————–

Arma para o contra-ataque não foi utilizada

Hélio dos Anjos sai invicto da competição. Merecia melhor sorte pelo grande trabalho de recuperação do Papão a partir da sétima rodada. O Papão não perde há 17 jogos, mas deixou escapar o acesso após um jogo que chegou a vencer com tranquilidade até os 20 minutos da etapa final.

O objetivo não foi alcançado por um detalhe apenas, mas o PSC podia ter sido mais efetivo, ameaçando a zaga do Náutico. Quando estabeleceu a vantagem de 2 a 0, Hélio poderia ter optado por Elielton para explorar os contra-ataques. Havia espaço de sobra a explorar.

Cauteloso, Hélio preferiu seguir com Hygor, visivelmente extenuado a partir dos 30 minutos. Nas substituições da reta final de partida, tirou Primão e Vinícius para botar Caíque e Diego Rosa. A intenção era povoar a zaga e aumentar altura para resistir aos cruzamentos do Náutico. Com isso, abriu mão de dar consistência e velocidade ao ataque.

Há sempre muito a lamentar quando o acesso esteve ali ao alcance da mão, mas os méritos de Hélio não podem ser esquecidos ou diminuídos. Além da Copa Verde, as virtudes mostradas na campanha da Série C devem ser o ponto de partida para o projeto de 2020.

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 09)