O que há por trás dos cortes na ESPN

A demissão da cúpula da ESPN mostra uma mudança de postura da emissora para o futuro. A nova gestão, que ficará alinhada aos interesses do Grupo Disney, terá como prioridade reduzir a quantidade de programas de debates da grade e adquirir o direito de novos torneios e eventos para transmissões. Na visão da cúpula, somente assim será possível reverter a queda de audiência e de interesse na busca por pacotes vendidos ao consumidor.

juca-kfouri-atua-como-jornalista-por-uol-folha-cbn-e-espn-1487271404060_v2_750x421

Ontem (14), a emissora rescindiu o contrato de João Palomino, vice-presidente de jornalismo e produção da sede da ESPN no Brasil. Além de Palomino, a ESPN rescindiu com seis comentaristas participantes dos programas de debate da casa. Deixam o canal Arnaldo Ribeiro, Claudio Arreguy, Eduardo Tironi, Juca Kfouri, Maurício Barros e Rafael Oliveira. O apresentador João Canalha também foi dispensado.

A curto prazo, a prioridade será trocar os programas de debate por noticiários. No futuro, a ESPN pretende equilibrar sua grande entre atrações noticiosas e jogos ao vivo. Atualmente, o canal tem como carro-chefe os direitos de transmissão do Campeonato Inglês. Com um aporte maior do Grupo Disney, que focará as atenções no canal no Brasil, o objetivo será adquirir outros torneios de peso. Com Fox e Sportv dominando a audiência, ficou claro para os novos responsáveis do grupo Disney que o modelo de programa de debate “o dia inteiro” já não se sustentava.

A emissora ainda não descarta novas mudanças. A direção do canal avalia os formatos já existentes na programação e o quadro de funcionários. Inicialmente, no entanto, novas trocas não devem afetar – ainda mais – a redação do canal. A mudança de postura tem relação com a compra de parte da FOX pelo Grupo Disney, empresa gestora da ESPN.

Para aprovar o negócio, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) exigiu que o FOX Sports seja vendido pela Disney de “porteira fechada” para outra empresa. Ou seja, a empresa que comprar o canal levará junto todos os imóveis da emissora, equipamentos, 200 funcionários, contratos com 11 ligas esportivas e o acordo com as operadoras de TV a cabo.

Em um primeiro momento, a fusão dificultará a vida da ESPN na compra de direitos de transmissão. O Cade determinou que o Grupo Disney não poderá participar da próxima rodada de contratações das ligas pertencentes ao FOX Sports. A principal delas é a Libertadores.

A demissão dos profissionais da ESPN repercutiu entre colegas de outras emissoras, que se solidarizaram nas redes sociais.

“Um grande abraço aos companheiros de ESPN. Eles podem ter perdido o emprego, mas quem mais perdeu foi o público da emissora. Gente muito qualificada foi dispensada hoje, o jornalismo esportivo deu uma empobrecida geral”. Sergio Xavier Filho

“Minha solidariedade a todos os companheiros que estão sofrendo hoje e os que ainda não se recuperaram do baque do EI no ano passado. Apesar de ter mantido o meu emprego, eu mesmo ainda não me recuperei daquele dia fatídico. Só quem vive, sabe como é. Uma derrota sem tamanho”. André Henning

“Trabalhei com @OliveiraRafa no EI em 2010! E ficava perplexa com a quantidade de jogo que ele via!! A propriedade que comentava/ comenta. Um dos melhores da profissão. Nesses últimos 9 anos aprendi DEMAIS com o Rafa! Certeza que já já estará no mercado de novo”. Barbara Coelho

(Com informações do UOL)

Um comentário em “O que há por trás dos cortes na ESPN

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s