Série C: Juventude assume liderança e fica muito próximo da classificação

183bd29c-e9a0-49b0-b77f-1e1ae6ac4259

Com a vitória por 2 a 0 sobre o Tombense, ontem à noite, em Caxias do Sul, o Juventude chegou aos 27 pontos e assumiu temporariamente a liderança do grupo B da Série C. O resultado deixou a equipe de Marquinhos Santos dependendo de um ponto para garantir classificação à fase de mata-mata. O jogo marcou a abertura da 16ª rodada. O São José é a única equipe que pode ultrapassar o Juventude nesta rodada.

Bolsonaro ameaça jornalistas ao defender que a Polícia tenha licença para matar

O presidente Jair Bolsonaro devolveu com uma rematada grosseria a uma pergunta de um jornalista, em coletiva no portão de entrada do Palácio da Alvorada, sobre quais seriam as sugestões para melhorar a preservação do meio ambiente.

bobs-770x434

“É só você deixar de comer menos um pouquinho”, iniciou o presidente. “Você fala para mim em poluição ambiental. É só você fazer cocô dia sim, dia não, que melhora bastante a nossa vida também”. prosseguiu. “Agora, o mundo, quando eu falei que cresce mais de 70 milhões por ano, precisa de uma política de planejamento familiar. Não é controle não, você vai ler na capa da Folha amanhã que eu ‘tô’ dizendo que tem de ter controle de natalidade”, completou.

A resposta de baixo nível se deu a uma pergunta sobre como presidente acredita ser possível conciliar a preservação ambiental ao crescimento econômico.

Sobre o planejamento familiar, o presidente disse que a quantidade de filhos de uma família é inversamente proporcional ao nível cultural dos pais, mas colocou-se como uma exceção: “Você olha as pessoas que têm mais cultura, têm menos filhos. Eu sou uma exceção à regra, tenho cinco filhos. Mas como regra é isso”.

Ao lado do ministro Sergio Moro, com quem se reuniu na manhã de hoje, no Palácio do Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se excessos na prática do jornalismo resultasse em penas de prisão, “todos vocês estariam presos agora”, apontando para os profissionais de mídia que o ouvia.

Na parte da tarde, Bolsonaro se manifestou pelo Twitter associando sua defesa à morte de bandidos com vários tiros com a questão dos excessos jornalísticos.

– Queremos tirar o “excesso” do Código Penal, afinal atirar num bandido duas ou mais vezes deve ser motivo de comemoração (sinal que o policial está vivo), e não de condenação. Já os excessos dos jornalistas… pic.twitter.com/qzbRajoTRi— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 9 de agosto de 2019

Como as crianças e os índios, Bolsonaro acha que é inimputável

EAlBoZVXUAAPIYT

Por Ricardo Kotscho

“Ser metódico não é sinônimo de estar correto. Especialmente quando se toma a decisão de dar uma banana para o resto do mundo” (Reinaldo Azevedo, na Folha).

***

Não é normal o que está acontecendo no Brasil, embora nossas autoridades façam de conta que é.

O mundo inteiro já se deu conta de que somos governados por um doido de pedra que não tem limites nos seus desatinos.

Desde os anos 30 na Alemanha, não aparece tamanho perigo para o futuro, e não só de um país. Nossa civilização corre risco.

Vocês já devem imaginar de quem estou falando, mas nem sei mais o que dizer.

Recuso-me até a escrever seu nome como presidente da República do Brasil. Tenho vergonha.

Esse cidadão, que saiu dos porões do Exército e da Câmara, pensa que é inimputável, assim como as crianças e os índios, e vai atropelando tudo o que encontra pela frente, as leis, as pessoas, o meio ambiente e as instituições.

Ignorando solenemente a Constituição, em pouco mais de sete meses de governo, o inominável  já deu um verdadeiro passeio pelo Código Penal, praticando crimes que poderiam levá-lo à prisão perpétua, mas nada lhe acontece.

Ou o povo brasileiro reage, e vai às ruas para dar um basta a essa ignomínia, ou iremos todos bovinamente para o matadouro.

O sujeito pensa que as urnas lhe deram um salvo-conduto e ele tem certeza de que pode tudo, sem prestar contas a ninguém, só porque, afinal, foi eleito.

Basta olhar para a cara assustadora dele e ouvir diariamente as barbaridades que fala, cada vez que encontra um microfone pela frente.

Em qualquer hospício, seria isolado dos demais pacientes. Aqui, desfila sua loucura por toda parte sempre cercado de um batalhão de seguranças e puxa-sacos, com os seus generais na retaguarda.

Até nos filmes do velho oeste, havia uma certa ordem no picadeiro. Juiz era juiz, xerife era xerife, bandoleiro era bandoleiro, os papéis não se misturavam.

De onde saiu, meu Deus, tanto ódio do capitão e seus fanáticos seguidores nas redes sociais contra uma população historicamente mansa?

Não contentes em deixar Lula preso, eles agora querem trucidá-lo e varrer do mapa quem ainda o defende, como o capitão prometeu durante a campanha eleitoral.

A cada dia, o grau de insanidade aumenta, a miséria e a violência se espalham e, em Brasília, os pais da pátria se abraçam e se beijam como se estivessem numa festa sem fim.

Já é tarde, mas ainda há tempo de lutarmos para salvar o que resta de soberania nacional e de cidadania.

As manifestações de protesto contra essa loucura, marcadas para a próxima terça-feira, em todo o país, podem ser um divisor de águas entre a civilização e a barbárie.

O capitão e seu desmoralizado xerife já convocaram a Força Nacional para a guerra contra os cidadãos desarmados, que querem apenas defender seus direitos e a democracia.

Ninguém mais pode se omitir diante desta tragédia em que o poder constituído se volta contra seu próprio povo.

Nossos filhos e netos não nos perdoarão se permanecermos em silêncio esperando a morte chegar.

Vamos todos defender a vida.

Vida que segue.

Corintiano que xingou Bolsonaro vai ficar em camarote para evitar retaliação da PM

rogerio-lemes-coelho-camisa-do-corinthians-posa-para-foto-com-andres-sanchez-ao-centro-e-convidados-do-presidente-do-corinthians-em-camarote-da-arena-em-itaquera-1565303196413_v2_450x600

Rogerio Lemes Coelho, o torcedor que foi detido na Arena Corinthians por xingar o presidente Jair Bolsonaro, seguirá assistindo aos jogos do Timão no camarote do estádio. Segundo apurou a De Primeira, ele foi convidado pelo presidente do Alvinegro, Andrés Sanchez, para ver os próximos quatro jogos no local, pois está com medo de retaliação dos policiais.

Mesmo assim, o advogado do torcedor estuda entrar com uma ação pedindo esclarecimentos ao Corinthians sobre o que eles chamam de “sala do terror” na Arena, local em que Rogerio alega ter sofrido agressões. O clube diz que está à disposição para responder. O torcedor ainda pedirá na Justiça afastamento dos policiais e indenização.

A primeira grande decisão

POR GERSON NOGUEIRA

neto-baiano-treino-foto-samara-miranda-ascom-remo-1-590x393
Remo e PSC têm três jornadas decisivas, cada um, nesta reta final da fase de classificação da Série C. A série tripla do Papão começa amanhã contra o Atlético Acreano, no estádio Jornalista Edgar Proença. A do Leão se inicia hoje à noite, no estádio Raulino de Oliveira, contra o Volta Redonda.
O time de Márcio Fernandes enfrenta um adversário que está bem situado na classificação e que tem um dos melhores ataques do grupo B. Joga bem em casa e vem de bons resultados nas cinco últimas rodadas, com exceção da última, quando foi derrotado pelo Ypiranga.
Como o confronto é de seis pontos, pois envolve briga direta pela classificação, o Remo não pode nem admitir a ideia de uma derrota, resultado que reduziria bastante as chances e o entusiasmo da equipe na fase mais aguda da batalha por uma das quatro vagas.
A necessidade de vencer obriga Márcio Fernandes a escalar um ataque forte, com Neto Baiano centralizado e Gustavo Ramos pela direita. Eduardo Ramos flutua de um lado a outro, podendo eventualmente participar dos lances de área.
Para auxiliar o camisa 10, Zotti pode ser uma opção, bem como Emerson Carioca, cujo empenho é desproporcionalmente maior que a eficiência nas tentativas de chute a gol.
Caso Fernandes tivesse apostado em Lailson ou Pingo lá atrás, teria alternativas neste momento de dificuldades para compor o meio-campo.
De maneira geral, porém, os problemas do Remo em Volta Redonda se localizam na incapacidade que o time mostrou lara superar defesas com marcação forte e a pouca participação dos laterais como fontes de apoio ao ataque.
Quando jogou no Mangueirão, o Volta Redonda teve como principal virtude a forte presença dos volantes no apoio às ações ofensivas e a capacidade de chutar perigosamente de qualquer distância.
Caberá ao Leão tomar as devidas cautelas para, se não conseguir chegar ao gol, impedir que o ofensivo time da casa consiga ficar à vontade no jogo.
————————————————————————————-
Tiago Luís pode ter importância na hora decisiva
Não há um bicolor que tenha assimilado a ausência de Tiago Luís nos jogos da Série C sob o comando de Hélio dos Anjos. Sua última atuação de relevo foi no Re-Pa. Foi produtivo e colaborou muito para a vitória.
Anteontem, em Manaus, o meia voltou a campo e foi bastante acionado no embate com o Nacional, válido pela Copa Verde.
Hábil e com boa visão de jogo, Tiago será um reforço exponencial na parte decisiva da Série C se colocar a serviço do time seu excelente aproveitamento em tiros de média e longa distância.
Talvez por saber que o jogador não tem mostrado a mesma volúpia de outros tempos, acomodando-se com a reserva, Hélio optou por proporcionar um retorno ao time num jogo em que o PSC precisou utilizar um time mesclado.
Além da oportunidade, Tiago recebeu um recado óbvio. Chegou a hora de justificar o caro investimento que o clube fez em seu retorno.
Se depender da atuação no estádio da Colina, a estratégia de Hélio pode ser bem sucedida. Tiago atuou com desenvoltura, sem mostrar sinais de cansaço. Com isso, o Papão pode estar resgatando um jogador importante.
A conferir.
—————————————————————————————
O Brasil dos técnicos que vão e vêm 
Mano Menezes foi à entrevista coletiva pós-jogo, anteontem, no Mineirão, para comunicar sua demissão do comando técnico do Cruzeiro, após quase 3 anos de trabalho.
A fase negativa do time estrelado, com nenhum gol marcado em oito partidas, foi a razão da dispensa. Normal. O futebol depende basicamente de resultados. A vida é assim no Brasil e no mundo.
Considero Mano um dos mais arrogantes técnicos do país, mas simpatizei com sua quase humilde declaração de despedida. Afinal, todos nós, trabalhadores, sabemos que um dia – hoje ou amanhã – chega o momento de bater em retirada.
É assim que a lusitana roda gira.
(Coluna publicada no Bola desta sexta-feira, 09)