Procuradores e Moro não querem entregar celulares para perícia da PF

Os procuradores do MPF e o ex-juiz Sérgio Moro, que se afirmam vítimas de um ataque de hackers, não querem entregar seus aparelhos para perícia da Polícia Federal. Segundo informações da coluna de Bela Megale, do jornal O Globo, as maiores dificuldades dos investigadores da PF até o momento têm sido exatamente conseguir acessar os aparelhos daqueles que têm afirmado que sofreram tentativas de invasão.

Para contornar essa resistência, os peritos vão até a vítima e fazem um “espelhamento” dos aparelhos, extraindo grande parte dos dados, mas sem a mesma eficiência de uma análise completa dos telefones.

Os procuradores afirmam que seus celulares foram invadidos por hackers após ligações recebidas do mesmo número. Segundo membros do grupo do Telegram do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), um suposto invasor do telefone do conselheiro Marcelo Weitzel Rabello de Souza teria enviado mensagens suspeitas, na terça-feira (13), e se identificado: “aqui é o hacker”.

Por 8 votos a 3, Supremo aprova uso de leis de racismo para punir a homofobia

homofobia-1560190043933_v2_450x450

Por 8 votos a 3, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou nesta noite utilizar a Lei do Racismo para punir homotransfobia — discriminação contra homossexuais e transexuais. A decisão começa a valer uma semana após a publicação da ata do julgamento, o que só deve ocorrer no fim do mês. Trata-se de uma decisão provisória: o texto aprovado diz que a decisão de hoje vale enquanto o Congresso cria leis específicas para o tema – e não há previsão para que isso aconteça.

Os ministros entenderam que a Lei Nº 7.716/89, que define os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, também deve ser aplicada a quem praticar condutas discriminatórias homofóbicas e transfóbicas.

Votaram por criminalizar a homofobia:

Cármen Lúcia

Celso de Mello

Luis Edson Fachin

Luís Roberto Barroso

Alexandre de Moraes

Rosa Weber

Luiz Fux

Gilmar Mendes

Ao votar pela criminalização da homofobia, os ministros citaram sobretudo a violência de que gays, lésbicas e transgêneros são vítimas no país.

Superintendência Regional da Receita Federal em Belém poderá ser extinta

destaque-555866-asdasdsadsa

Com o argumento de reestruturar a Receita Federal, a 2ª Região Fiscal (RF) da Superintendência, com sede em Belém e que atende também os demais estados da região norte, poderá ser extinta pelo governo federal. A denúncia foi feita pelo deputado Bordalo (PT-PA) durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) nesta quarta-feira (12).

Bordalo, que preside a Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa, disse na tribuna que a “Receita Federal no Pará é a presença amazônica na região norte”, e completa. “Já demitiram até o superintendente. Caso o cidadão que quiser cuidar de algo na Receita Federal, se, consolidado esse processo que foi deslanchado pela Presidência da República, através do comando a Receita, não conseguir atendimento on-line, ele terá que se dirigir até Brasília”, denunciou.

Sérgio Pinto, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco-PA), afirmou que pela proposta do “desaparelhamento” do órgão a 2ª RF e a 1ª, que atende os estados da região centro oeste, terão os atendimentos transferidos para uma Receita Federal com sede em Brasília e explica um dos impactos para a região amazônica.

“Temos fronteiras com sete países na Amazônia e ajudamos no combate ao narcotráfico e tráfico de armas. Agora você imagina uma estrutura centralizada em Brasília a três mil quilômetros de distância [de Belém] como irão coordenar qualquer ação nossa aqui de acompanhamento de proteção das fronteiras?”, questiona.

O presidente do Sindifisco ainda informa que um dos argumentos utilizados internamente por parte da cúpula de Brasília em defesa do projeto é de que o uso da tecnologia já é presente em grande parte das capitais. Sob esse argumento o deputado Bordalo, pontuou que a proposta segue na contramão da realidade do Pará e dos demais estados da região amazônica e faz um apelo.

“Portanto eu venho aqui lamentar e fazer essa denúncia e pedir aos empresários do Pará, trabalhadores, formadores de opinião, classe política para mobilizarmos para evitarmos esse prejuízo sem tamanho para a economia do estado”, declarou.

Charlie Hebdo satiriza Copa do Mundo Feminina e divide internautas

charlie

A revista de humor francesa Charlie Hebdo traz na capa de sua edição desta quarta-feira (12) a Copa do Mundo Feminina de futebol, que é realizada este mês na França. A imagem em página cheia de uma vagina com uma bola de futebol faz alusão ao quadro “A origem do mundo”, de Gustave Courbet, enquanto o texto “vamos comer durante um mês!” despertou reações divididas nos internautas.

Nas últimas 24 horas, foram mais de 3.500 comentários sobre a revista no Twitter, a maioria realizados na França. Muitas pessoas criticaram a publicação, a que chamaram de machista, misógina, escandalosa e nojenta, solicitando que a revista peça desculpas.

“A sátira do #CharlieHebdo é somente grosseira. Não faz rir, nem pensa, é de uma vulgaridade absoluta e miserável: reflete completamente os estereótipos de um mundo no qual colocar problemas, aprofundar ou simplesmente escutar são tabus”, reclamou outra internauta italiana.

A revista francesa Marianne, de linha editorial inclinada à esquerda, defendeu a Charlie Hebdo. “Marianne ainda apoia Charlie”, diz a publicação.

Já outras pessoas, incluindo mulheres, defenderam a liberdade de expressão e de imprensa para que a revista possa publicar qualquer conteúdo. Com eles, o slogan “Je suis Charlie” voltou a ser usado.

A frase se tornou popular no mundo todo depois do atentado sofrido na redação da revista em janeiro de 2015. Na ocasião, 12 pessoas foram mortas e 11 ficaram feridas quando dois irmãos muçulmanos, Saïd e Chérif Kouachi, entraram no escritório e abriram fogo contra os jornalistas e cartunistas com fuzis AK-47. O massacre seria uma reação a uma capa da Charlie Hebdo que satirizava o profeta Maomé.

Na época dos ataques, a revista foi defendida por grupos que ressaltavam seu caráter satírico. Internautas hoje reclamam que as mesmas pessoas que no passado defenderam a liberdade para satirizar religiões, hoje estariam condenando a capa.

Algumas das críticas mais inflamadas contra a revista, no entanto, não vieram da França, mas da vizinha Itália. Em agosto de 2016 um terremoto na região central da Itália causou a morte de quase 300 pessoas, deixou 388 feridos e mais de 4.500 pessoas sem suas casas. Dias depois da tragédia, a revista publicou um cartum relacionando vítimas a pratos típicos italianos.

Um homem ferido e enfaixado seria um penne com molho de tomate; uma mulher com ferimentos e queimaduras no rosto, penne gratinado; já um edifício desabado com várias vítimas dentro é chamado de lasanha. A cidade de Amatrice, uma das mais atingidas pelo tremor, processou a revista na época.

Quem está por trás da #VazaJato?

greenwald-como-a-populacao-brasi-600x338

Por Ricardo Capelli

#VazaJato. Informações não brotam do chão. No jogo do poder, acreditar em informantes desinteressados é como afirmar que papai noel existe.

As conversas divulgadas pelo Intercept são gravíssimas . Expôs as vísceras do projeto de poder da “Aliança do Coliseu”, conluio entre agentes públicos “neopositivistas”, antinacionais e antipovo com as Organizações Globo.

Quem fez estas mensagens chegarem aos jornalistas sabe extamente o terremoto político que as revelações irão causar. Por que fez? Quais serão as consequências?

Vamos começar pelos suspeitos.

Rússia e China – O mundo vive uma crise de transição de hegemonia. O Brasil jogava este jogo ao lado dos BRICS até Bolsonaro ser eleito. Os russos estão na Venezuela bancando Maduro. Os chineses em choque aberto com os EUA. O Brasil não é um país qualquer. Putin e Xi Jinping vão ficar de braços cruzados olhando o país virar um quintal de Trump?

O “Deus” Mercado – Com a guinada ultraliberal de Guedes e o “feirão da estatais” liberado pelo STF, os “negócios” estão em alta. Não faz sentido manter uma Operação tresloucada que, na ânsia de pegar alguém da esquerda, morda seu calcanhar também. Botar os “cachorros” de volta na casinha é a palavra de ordem na Avenida Paulista.

A Disputa de Poder no MPF – O golpe abriu as portas do fascismo e da desintegração social. Os poderes estão trincados. A briga em torno da escolha do próximo PGR é silenciosa, mas fratricida. Que tal tirar Dallagnol da jogada?

Bolsonaro – A desgraça de Moro e Dellagnol pode ser útil para o Jair. Primeiro, se livra de um possível concorrente direto com mais popularidade que ele. De quebra, o Capitão, sob o clima de desmoralização do ministério público, indica quem ele quiser para a sucessão de Dodge. Maquiavélico demais? Muito raciocínio pra ele? Pode ser…

Hackers da Esquerda – hoje em dia é bom não duvidar de nada nem de ninguém. Meia dúzia de nerds fizeram a Grã-Bretanha aprovar o Brexit, derrubaram Theresa May e deixaram o país à deriva. Considerando a surra que a esquerda levou nas redes nas eleições, seria uma virada espetacular, e muito pouco provável.

“Hackers Pela Liberdade da Informação” – existe uma rede internacional de hackers no submundo da internet que defende a liberdade da informação. Segundo esta nova religião, as informações querem ser livres e nenhum tipo de restrição ou privacidade é admitida. As eleições brasileiras e as conspirações que a cercaram aguçam os que querem chutar o sistema, ou não?

O jornalista Glenn Greenwald é senhor absoluto do tempo e do jogo. O Intercept foi criado nos EUA a partir de um fundo que contou com a doação de 250 milhões de dólares do bilionário Pierre Omidyar. Não estamos diante de amadores.

Os primeiros movimentos de Bolsonaro foram os de praxe. Sempre que surgia uma denúncia contra um ministro, Dilma soltava uma nota dizendo que ele possuia a confiança total dela. A imprensa seguia martelando e o coitado acabava faxinado. Quanto tempo vai levar para Moro virar um problema para o governo?

Estadão, Folha de SP, BandNews, OAB e outros já pedem a sua cabeça. A elite rachou. Doria pregou equilíbrio com um sorriso escondido – é outro que adoraria tirar Moro do seu caminho. Mourão deixou sua marca também, perceberam? “O Ministro Moro é da total confiança do presidente”, declarou o vice. Por que não “da minha ou da nossa confiança”?

A Globo fez o esperado. Saiu na defesa da “sua Operação”. Barroso, ministro “neoiluminista” do STF, idem. O general Villas Bôas cometeu outro erro. Colocou o futuro da nação nas mãos da República de Curitiba. Os militares foram seduzidos pelo poder da Esplanada. Pagarão um alto preço por esta nova aventura.

O normal seria Glenn seguir fritando Moro até ele cair, mas os bastidores devem estar fervendo. Há cerca de dois meses, o ex-juiz fez circular que estava perto de anunciar o mandante do assasinato de Marielle. O “vizinho” já está preso. De repente, a notícia sumiu. Queiroz continua “desaparecido” para a PF e para o ministério público.

Brasília adora ameaças e chantagens . Moro, Globo, Dellagnol e seu procuradores vão cair calados?

Se as próximas revelações forem bombásticas ficará insustentável manter Lula preso. E aí o jogo muda completamente. Entramos na fase do imprevisível. Emoção não vai faltar.

Artilheira reclama de recuo excessivo do Brasil após a troca de jogadoras

cristiane-marca-segundo-gol-do-brasil-1560446051404_v2_900x506

A atacante Cristiane não escondeu a insatisfação com a derrota do Brasil, por 3 a 2, para a Austrália hoje (13), pela Copa do Mundo Feminina. Em entrevista à “Globo” após a partida, a jogadora criticou o “apagão” brasileiro, principalmente após as substituições feitas pelo técnico Vadão no intervalo. “Demos uma desligada, nos perdemos nas trocas das meninas. Recuamos demais. Desligamos e simplesmente apagou de novo, coisa que não pode acontecer. Jogo tão importante, 2 a 0, apagar desse jeito. Tinha que manter do jeito que estava e não conseguimos fazer isso”, afirmou.

Cristiane marcou um dos gols do Brasil, que chegou a estar em vantagem por 2 a 0 no primeiro tempo e levou a virada. Também na saída do gramado, Andressa Alves disse não entender a substituição de Formiga, que saiu no intervalo para a entrada de Luana. “A gente sabia que a Marta ia sair. A Formiga eu não sei o que aconteceu. Mas está todo mundo preparado, porque a qualquer momento alguém pode sentir alguma coisa. O que aconteceu foi que tomamos três gols que não podíamos tomar”, afirmou.

Leão faz aposta de risco

 

POR GERSON NOGUEIRA

Que o time do Remo carece de um jogador de referência na grande área, não há dúvida. Que Emerson Carioca não tem o perfil adequado para a função, idem. O mercado brasileiro mostra-se particularmente árido quanto à oferta de jogadores de ataque. O clube tentou por dois meses contratar um camisa 9. Chegou a encaminhar a aquisição de Daniel Magrão, mas o negócio não vingou.

marcao_botafogo__02032017170900

Com a aproximação do fim do prazo para inscrição de atletas no Brasileiro, a saída foi fechar negócio com um nome já conhecido do torcedor paraense com passagem mais do que discreta pelo PSC.

Marcão, que jogou pelo Papão na Série B 2017, já está em Belém e deve ser anunciado hoje pela diretoria azulina. É a alternativa encontrada para solucionar a carência remista de gols na Série C. Apesar da campanha quase impecável, com 15 pontos ganhos em sete rodadas (média superior a 2 pontos por rodada), o Remo sofre com a escassez ofensiva.

Aos 33 anos, o futebol do baiano Marcão é lembrado positivamente pelo período em que foi o goleador do Atlético Goianiense, assinalando 29 gols entre 2008 e 2012. Ainda em 2012, esteve em bom nível com a camisa do Atlético-PR, marcando 12 tentos.

A partir daí, porém, veio a fase descendente, com passagens apagadas pelo América-MG, Bahia, Figueirense, CRB, Goiás, Guarani e Botafogo-SP. Nesta temporada, o centroavante jogou 11 partidas e balançou as redes seis vezes, pelo São Luiz no recente certame gaúcho.

No PSC, foi titular em 28 partidas, marcando apenas quatro gols. Era praticamente um volante, pois recuava o tempo todo para ajudar a marcar dentro d esquema defensivo usado pelo time para tentar fugir da zona mortal.

Sempre elogiado pela disciplina tática, Marcão fracassou ao não cumprir a tarefa para a qual foi contratado. Conhecido pela facilidade para o cabeceio, teve sua contratação aprovada pelo técnico Márcio Fernandes por absoluta falta de outras opções.

Terá a árdua missão de dar ao ataque do Remo a consistência que faltava desde a disputa do Campeonato Paraense. Em termos de equipe, a entrada de Marcão implicará em rearrumação tática, além da mera substituição de Emerson Carioca no centro do ataque.

Apesar de ter características que vão além da presença na área, Marcão precisará de tempo para ganhar entrosamento e se adaptar ao perfil dos jogadores que integram o sistema ofensivo remista.

Mesmo que o encaixe seja tranquilo e imediato, Marcão é uma aposta de risco. Nem tanto pela idade, mas pela evidente queda de rendimento. Lutará, ainda, contra a sina de insucessos recentes de jogadores que trocaram de lado entre os grandes rivais do Estado.

—————————————————————————————-

Artilharia norte-americana impressiona e assusta

A Copa do Mundo feminina tem mostrado ataques avassaladores. A esquadra norte-americana mostrou alto teor de letalidade anteontem, sapecando um histórico 13 a 0 sobre a ingênua Tailândia, em atuação particularmente inspirada da jovem centroavante Alex Morgan – aposta da coluna desde antes do Mundial.

Morgan fez cinco gols, disparou na artilharia e mostrou qualidades excepcionais, como o fabuloso controle de bola, a velocidade e o talento para fintas rápidas dentro da área. Um de seus gols pode ser considerado o mais bonito da competição até agora.

Recebeu lançamento, deu um ligeiro toque na bola, encobrindo uma zagueira e mandou um tiro na gaveta da meta tailandesa. Gol de gente grande.

Houve quem reclamasse das comemorações norte-americanas contra oponente tão desamparado. Ora, vitórias devem ser festejadas sempre. Excesso de suscetibilidades soa hipócrita.

De minha parte, prefiro torcer para que brasileiras e ianques não se cruzem tão cedo na Copa.

—————————————————————————————-

O desafio de corrigir a rota em pleno voo

Dirigentes e torcida do PSC não gostam quando alguém descreve como caótica a situação atual, mesmo com a campanha decepcionante na Série C após perda do Estadual, mesmo com o mau rendimento de boa parte do elenco contratado para a temporada e com a óbvia dificuldade da escolha de técnicos – Hélio dos Anjos é o terceiro técnico em cinco meses.

Detalhe: no dia 1º de abril, o PSC tinha 73% de aproveitamento e era um dos três times invictos do país. O que levou à derrocada? No futebol, como se sabe, nunca há uma causa apenas para a débâcle.

Reinventar a métrica e reconstruir a narrativa, cuidando de corrigir erros pontuais, é o caminho para recolocar a nau alviceleste em condições de brigar novamente pela classificação na Série C.

A contratação de um atacante – Wesley Pacheco – que não faz gols há mais de um ano não parece a melhor decisão possível a esta altura do campeonato. Caberá ao jogador, que atuou bem sob o comando de Hélio dos Anjos, saber conquistar o ressabiado torcedor bicolor.

Não há muito tempo a esperar. Na próxima rodada, contra o Luverdense em Belém, o PSC já terá que mostrar cara nova e ânimo diferente do que foi visto até aqui. Mesmo dirigido pelo auxiliar técnico (o técnico viajará para compromisso particular fora de Belém), o time terá a vitória como obrigação.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 13)