O pífio domingo dos bolsominions

Por Juca Kfouri

As manifestações em apoio ao governo federal foram um enorme fiasco.

Perderam de goleada para os protestos do último dia 15.

Limitaram-se a 12 Estados e ao Distrito Federal, contra 26 Estados e o DF no dia 15.

Hoje, em regra, gente branca e gorda vestida de verde e amarelo, pouco concentrada até mesmo na frente do MASP, na avenida Paulista, em São Paulo, e em Copacabana, no Rio.

img_2336

Em Curitiba também há pouca gente e no DF o que mais chamou a atenção foi um enorme boneco que buscou resgatar a imagem enfraquecida de Sérgio Moro, o super-herói dos adeptos dos milicianos que querem fazer justiça com as próprias mãos.

Como medida de cautela, não se viram jornalistas nas ruas, apenas em cima de prédios e com imagens aéreas, porque os bolsominions odeiam a imprensa.

Mesmo aquela que até ontem era tratada como aliada.

A frase do dia

“Você não viu o presidente parabenizar Chico Buarque por ter sido laureado com o Camões, maior prêmio da língua portuguesa, você não verá ele parabenizar nenhum dos responsáveis pelos filmes brasileiros premiados em Cannes. O clã só parabeniza milicianos e militares assassinos.”

Toni Bulhões, no Twitter

Polícia prende ex-jogador e presidente da Federação do DF por estelionato e sonegação

61287637_10219313001676818_4648990193099997184_n

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu neste sábado, durante o jogo Botafogo x Palmeiras, no estádio Mané Garrincha, o empresário e ex-jogador Roni (foto) e o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal. Eles foram acusados de fraudar a arrecadação na bilheteria do estádio, comunicando um número menor de pagantes em relação ao público real da partida. Maquiavam os valores usando a rubrica “gratuidade” e “credenciados”, entre outros truques.
Foram presos sob acusação de crimes de estelionato majorado, associação criminosa, falsidade ideológica e sonegação fiscal. A Polícia Civil nomeou a operação de “Episkiros”, em referência à origem do futebol na Grécia Antiga. Episkiros também significa jogo enganoso. (Com informações de O Estadão) 

Que sirva de lição, inclusive para os dirigentes de clubes de Belém e FPF.

Bolsominions insistem na pauta golpista

golpistas-1-450x600

Estimulados pelo discurso insano do próprio Bolsonaro, manifestantes foram às ruas neste domingo exigir o fechamento do Congresso Nacional, a dissolução do Supremo Tribunal Federal e a prisão de Rodrigo Maia. Muito longe do público esperado, os protestos trouxeram de volta o “grito contra a corrupção”, sem citar os filhos do Capitão e o próprio Bolsonaro, envolvidos em pagamentos de propina, negócios com milícias e contratação de funcionários fantasmas.

congrecista-571x600

Sem direito a novos erros

remo0x0ypiranga-rs-2

POR GERSON NOGUEIRA

A dupla Re-Pa tem sérios desafios pela frente neste domingo. A essa altura da fase de classificação, a Série C começa a definir os times que irão mesmo disputar a classificação à próxima fase. É quando os mais capazes começam a mostrar que têm força e musculatura para chegar longe na competição. Leão e Papão estão no G4 do grupo B, separados por um ponto, mas precisam pontuar para não permitir que Volta Redonda e Juventude, nas duas primeiras colocações, se distanciem.

O Remo, que jogará no estádio Jornalista Edgar Proença, tem como adversário o Atlético-AC, que não repete a surpreendente campanha do ano passado, mas é um time bem montado, que gosta de trocar passes e controlar a posse de bola.

Pelo que se viu nos treinos da semana, Márcio Fernandes só deverá fazer mudanças na defesa, forçado pelas circunstâncias. Deverá ter improvisações na defesa, mas no meio-campo e no ataque vai repetir o time que tropeçou no Ypiranga-RS na segunda-feira.

O Remo tem 8 pontos, dividindo a ponta com Volta Redonda e Juventude, mas inferiorizado pelos critérios de empate. Não pode nem sonhar em perder pontos em casa. Tinha dois jogos a cumprir em Belém, com possibilidade de marcar seis pontos, mas o empate com o Ypiranga reduziu a possibilidade de lucro.

A equipe tem se comportado bem defensivamente, mas enfrenta dificuldades para marcar gols. Fez três até agora, um deles marcado por um zagueiro (Fredson), e sofre com o desperdício de chances. O meio-campo, mesmo sem atuações portentosas, tem criado condições para que os atacantes marquem, mas os gols são raros.

Gustavo Ramos, titular pelo lado esquerdo, comporta-se mais como um quinto meio-campista, destacando-se como aplicado marcador e pouquíssimas vezes aparecendo em condições de definir jogadas.

Emerson Carioca, que foi utilíssimo na campanha do bicampeonato estadual, tem limitações que não permitem que aproveite as manobras com bola no chão. Pelo alto, não consegue disputar com as altas defesas que o Remo tem enfrentado.

Fernandes não tem muitas alternativas para tornar a equipe mais eficiente no ataque, mas poderia optar por uma aproximação mais qualificada, que permitisse arremates de média distância. Alex Sandro, Douglas Packer, Garré, Ramires e Carlos Alberto são opções que não devem ser subestimadas.

Contra o Boa Esporte, em Varginha (MG), o Papão tem a oportunidade de fechar o giro fora de casa com um resultado satisfatório. Empatou com o Volta Redonda no domingo passado, jogando com excessiva cautela e pragmatismo.

Na partida desta noite, terá que sair mais de seu campo e utilizar os jogadores de lado. Léo Condé tem Pimentinha e Vinícius Leite para executar ações de contra-ataque. Pode corrigir o erro cometido contra o Internacional, pela Copa do Brasil, quando preferiu Paulo Henrique a Pimentinha no ataque.

Com Nicolas centralizado e dois jogadores rápidos pelas extremas, o PSC passa a ter chances de envolver a marcação do Boa Esporte, cuja defesa é talhada para o jogo aéreo, mas mostra embaraços para enfrentar trocas de passe e tabelinhas.

O fato é que os dois gigantes não podem correr o risco de ficar para trás na classificação e precisam fazer valer o maior investimento em relação aos adversários de hoje. É de conhecimento até do reino mineral que Atlético e Boa Esporte têm elencos bem mais modestos e ambições menores que os dois representantes paraenses.

——————————————————————————————

Bola na Torre

Giuseppe Tommaso comanda a atração, a partir da 22h, na RBATV. O programa terá a participação de Paula Marrocos e deste escriba de Baião.

—————————————————————————————–

Direto do blog campeão

“Gerson, você é bondoso ao dizer que o Paysandú não jogou na retranca. Foi uma reprise do jogo contra o Volta Redonda; ataque contra defesa. Se já não bastassem no elenco os inúteis Tiago Primão, Paulo Rangel e Paulo Henrique, agora mais dois – Anderson Uchoa e Diego Rosa – são candidatíssimos aos postos de pescadas brancas. Com esse ataque cardíaco, gastar dinheiro para ir ao Mangueirão, na próxima semana, nem pensar!”.

George Carvalho, um bicolor descrente de milagres.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 26)

Vitória do pernambucano “Bacurau” em Cannes é bofetada no bolsonarismo

61351554_10156488075648892_3546638612688797696_n-600x399

Por Larissa Bernardes

A vitória do filme pernambucano Bacurau, em Cannes, é a bofetada da cultura no governo Bolsonaro e um antídoto à peste obscurantista instalada no Brasil.

O governo refratário a artistas e professores, capaz de mutilar a educação com cortes ideológicos e extinguir o ministério da Cultura, precisa engolir a reverência do mundo aos talentos nacionais.

À consagração literária de Chico Buarque no Camões, o presidente ficou indiferente. À façanha dos pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Juliano Dorneles, deve torcer o nariz.

Não é só esnobismo. É inveja, ressentimento e burrice em estado bruto.

O prestígio desfrutado pelos artistas brasileiros contrasta com o total desprezo internacional conferido ao pária Bolsonaro, ser medíocre intelectualmente, limítrofe e alçado ao cargo pela combinação abjeta de ódio, fake news e torpor coletivo.

A glória conquistada no principal festival de cinema no mundo só realça a distância entre o Brasil bem-sucedido e o presidente fracassado e o consolida como a treva diante da luz, a antítese da criatividade, dos ventos civilizatórios.

A arte desconstrói, assim, a perseguição deflagrada pelo conceito oco de marxismo cultural e outros penduricalhos caça-otários para mostrar a todos como é necessário respirar resistência em meio à asfixia de uma atmosfera imbecilizante.

Outra narrativa é sempre possível.