Roberto Avallone morre aos 72 anos

O jornalista Roberto Avallone, de 72 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (25), informou o Hospital Santa Catarina, em São Paulo. Ele foi vítima de parada cardiorrespiratória. Avallone passou mal em casa e foi levado pelos bombeiros ao centro médico na Avenida Paulista. A morte foi constatada por volta das 9h.

363200.jff

Avallone nasceu em 1947, e formado em Ciências Sociais, começou a sua carreira em 1966, no jornal Última Hora. Dentre outros veículos, o jornalista passou por Jornal da Tarde, RedeTV!, Bandeirantes e SporTV, e venceu dois prêmios Esso de jornalismo e um “Troféu Bola de Ouro” como melhor apresentador esportivo. Atualmente, Avallone mantinha um blog no portal UOL.

Participou de coberturas marcantes, como as Copas do Mundo de 1978, na Argentina, e de 1986, no México. Em rádio, trabalhou nas principais emissoras – Eldorado, Jovem Pan, Rádio Globo, Rádio Bandeirantes e Rádio Capital. Na TV Gazeta de São Paulo, foi diretor de esportes da emissora e destacou-se no programa Mesa Redonda.

avallone

A maneira como usava a pontuação nas frases virou sua marca registrada. Quando era indagado sobre algum assunto costumava sublinhar com o bordão “é um imenso ponto de interrogação!”. Gostava também de abrir comentários dizendo “Parem as máquinas!”.

Márcio Fernandes é anunciado como novo técnico do Remo

Treino_24_07_2017_ABCFC-28

Com experiência maior que os demais técnicos buscados pela diretoria do Remo, Márcio Fernandes foi anunciado na manhã desta segunda-feira como o substituto de João Neto no comando técnico do time remista. Fernandes trabalhou por muito tempo com as divisões de base do Santos. Depois, no futebol profissional, foi técnico de Santos, Comercial-SP, Guarani, Vila Nova-GO, Botafogo-SP, Brasiliense, Fortaleza, ABC, Linense, Red Bull Brasil, Joinville e Aparecidense, onde ficou por apenas quatro jogos (2 empates, 2 derrotas).

Em conversa com o blog, o presidente Fábio Bentes explicou a escolha: “Márcio Fernandes tem um perfil que nos agrada. Ajudou a revelar grandes jogadores, como Neymar e Robinho. Gosta de times táticos, com bom toque de bola, nossa deficiência até aqui”.

Fernandes tem 56 anos, natural de Santos-SP, e como jogador defendeu o Paissandu, em 1981, sagrando-se campeão paraense daquela temporada. Sua chegada está prevista para hoje, para ser apresentado oficialmente amanhã.

d2841a97-0465-4df0-92e2-87b21d4cbfdc

Um show de puro rock abre a festa do cinema

O Queen fez história neste domingo, abrindo oficialmente a cerimônia do Oscar executando ao vivo dois clássicos de seu repertório. A banda inglesa cantou acompanhada de Adam Lambert, com quem o grupo já havia saído em turnês. A banda inglesa tocou “We will rock you”, seguida por “We are the champions”. Mas foram apresentados apenas trechos das canções, em vez do tradicional monólogo de abertura.

ramimalek-oscar

A edição deste ano do Oscar foi a primeira sem apresentador desde 1989. “Bohemian Rhapsody”, filme sobre a história do grupo que era liderado por Freddie Mercury, foi um dos oito filmes indicados ao Oscar. Rami Malek, que interpreta Mercury (1946-1991), ganhou a estatueta de Melhor Ator.

adam-lambert-e-brian-may

Oscar bate recorde de premiações para profissionais negros

spike-lee-jordan

A cerimônia do Oscar consagrou “Green Book: O Guia”, “Roma” e “Bohemian Rhapsody” neste domingo (24), em Los Angeles. A noite também foi importante pelo recorde de maior número de prêmios para profissionais negros (7 estatuetas) e para mulheres (15)em toda história da premiação.

“Green Book: O Guia”, sobre a amizade entre um motorista racista e um músico negro, venceu como Melhor Filme, além de Roteiro Adaptado e Ator Coadjuvante (Mahershala Ali). A cinebiografia do Queen e de Freddie Mercury levou quatro estatuetas, incluindo melhor ator para Rami Malek.

alfonso-cuaron-melhor-estrangeiro

“Roma” deu três prêmios a Alfonso Cuarón (acima), incluindo sua segunda estatueta como diretor e o primeiro Oscar de Filme Estrangeiro para o México. Alguns dos grandes momentos da festa:

  • “A Favorita” bateu a favorita: Olivia Colman foi Melhor Atriz pelo filme “A Favorita”. No discurso, ela pediu desculpas a Glenn Close, que era apontada como favorita ao prêmio, na 7ª indicação sem vitória.
  • Lady Gaga levou por Melhor Canção com “Shallow”, a única estatueta de “Nasce uma estrela”, cantando ao lado de Bradley Cooper.
  • Spike Lee ganhou seu primeiro Oscar “oficial”, após prêmio honorário em 2006. Foi pelo roteiro original de “Infiltrado na Klan”.
  • “Pantera Negra” levou 3 prêmios técnicos: trilha sonora, figurino (o 1º para profissional negro) e direção de arte (1º para uma mulher negra)
  • A Netflix foi premiada quatro vezes: além de “Roma”, levou documentário em curta-metragem com “Absorvendo o tabu”
  • Rami Malek foi o melhor ator e celebrou a chance de contar a história de Freddie.
  • Show do Queen abriu a cerimônia, a primeira sem apresentador em 30 anos.

Despedida em grande estilo

remo3x0saoraimundo-1

POR GERSON NOGUEIRA

João Neto foi o grande personagem da rodada. Na berlinda desde sexta-feira, com o anúncio da provável saída e especulações sobre o substituto, teve a postura tranquila de sempre à beira do gramado contra o S. Raimundo, ontem à tarde. Depois do jogo, vencido por 3 a 0, a diretoria confirmou sua saída do cargo, mas ele sai por cima – e para cima: passa a ocupar a coordenação técnica.

O já ex-técnico viu o Remo fazer um gol logo aos 2 minutos, com Etcheverría cobrando pênalti duvidoso sobre Gustavo Ramos. Sem criatividade e com a confusão tática de sempre, teve dificuldades durante todo o 1º tempo, errando muitos passes e perdendo bolas fáceis.

Quase sofreu o empate em tentativas isoladas de ataque do São Raimundo. No geral, foram 45 minutos horrorosos, disputados sob chuva forte e dominados pela imperícia dos jogadores. Ao invés de lances trabalhados, prevaleceu a tática do chutão.

Mesmo diante do lanterna do campeonato, o Remo demonstrava a insegurança gerada pelos maus resultados recentes. Cauteloso, Netão usou pela primeira vez quatro homens no meio (Djalma, Diogo Sodré, Laílson e Etcheverría), com Gustavo e Emerson Carioca na frente, mas o time não mostrou evolução em relação aos últimos jogos.

Foi a sexta apresentação remista no Parazão com a sexta escalação diferente, o que dá bem a medida das incertezas do técnico, que deixa o cargo sem deixar claro qual é a sua linha atacante titular.

O Remo voltou melhor do intervalo, com avanços de Djalma e Geovane pela direita, o que ocasionou situações de perigo na área do S. Raimundo. Com toques rápidos, passou a pressionar em busca do segundo gol. Aos 7’, Emerson Carioca quase conseguiu finalizar na pequena área, mas o goleiro Jhones foi mais ágil e agarrou.

Etcheverría cansou e foi substituído por Alex Sandro, aos 23’. Depois, Emerson Carioca cedeu lugar para Mário Sérgio. Com isso, o Remo ganhou fôlego para atacar, embora os passes errados atrapalhassem as tentativas de construção de jogadas.

Os gols que definiram a partida só aconteceram no final, quando o S. Raimundo apenas se defendia em seu próprio campo. Aos 44’, Mário Sérgio desviou para as redes um chute que veio cruzado. No minuto seguinte, Alex Sandro complementou grande jogada de Gustavo Ramos, que tocou de calcanhar dentro da área.

O escore de 3 a 0 é enganoso, pois faz crer em ampla vantagem azulina. Na realidade, o jogo foi muito travado, com certo equilíbrio na primeira etapa e sem muitas emoções, a não ser nos instantes finais.

remo3x0saoraimundo-4

Conduzido pelos jogadores até a torcida, Netão recebeu aplausos pela vitória que amplia a vantagem do Remo para 5 pontos sobre o 2º colocado (Águia) no grupo A1 do Estadual. Depois, comentou sua situação, lamentando que o torcedor seja muito exigente e queira que o time faça “10 jogos excelentes”.

Não é bem assim. A torcida cobra muito realmente, mas a queda teve a ver com as atuações pífias nos jogos mais importantes da temporada: contra o Serra, pela Copa do Brasil, e o primeiro clássico Re-Pa do campeonato.

——————————————————————————————-

Luizinho (ainda) é o nome mais cotado

A saída de Netão, comunicada depois da partida, abriu de imediato a temporada de espera pelo novo comandante. Até ontem, o nome de Luizinho Lopes era o mais cotado entre os dirigentes. Técnico jovem, com pouca experiência de comando (Globo, Confiança e América-RN), Lopes já passou pelo Remo, em 2014, como auxiliar de Roberto Fernandes.

A reação da torcida, que não se mostrou empolgada com a menção a Luizinho (divulgada, com exclusividade, no blog campeão), pode ter influência sobre a escolha da diretoria. O anúncio do substituto de Netão deve acontecer hoje.

——————————————————————————————

papaoaaa

Tubarão se impõe diante do Papão

Como já havia ocorrido na partida de ida, quando deu um sufoco no Papão dentro da Curuzu, o Bragantino jogou de igual para igual e teve boas chances para vencer, no sábado à tarde, em Bragança. A bola do jogo sorriu para o time da casa, aos 48 minutos do 2º tempo: lançamento longo em contra-ataque chegou a Mauro Praia entre os lentos zagueiros bicolores e o atacante só não balançou as redes porque Mota saiu bem de sua meta e fez grande defesa.

A primeira chegada foi bicolor, com Victor Oliveira cabeceando com perigo. Elielton e Bruno Oliveira tentavam impor velocidade e Nicolas se movimentava pelo meio, mas o time esbarrava sempre na forte marcação exercida por Ricardo Capanema e Paulo de Tárcio na intermediária do Braga.

O Bragantino se resguardava, mas saía com perigo quando havia espaço para as arrancadas Will e Arian Taperaçú. Aos 32 minutos, Bruno Limão cobrou falta e a bola bateu na trave, assustando a defensiva do PSC.

Para a segunda etapa, o panorama não mudou. O PSC seguiu com dificuldades de coordenação no meio, pois Nicolas não repetia as boas atuações diante do Remo e do Águia. Aos 7 minutos, Will teve excelente chance para o Braga, após falha do zagueiro Victor Oliveira, mas errou na finalização.

Só dava Bragantino. Aos 20’, em arremate de Paulo de Tárcio, e aos 24’, em disparo forte de Marco Goiano. Esquerdinha ainda chutou de fora da área e a bola tocou no braço de Micael, mas o árbitro Joelson Silva dos Santos mandou o lance seguir.

A novidade foi a estreia – por 16 minutos apenas – de Fábio Alemão, que veio para a Série B 2018 e nunca havia sido escalado. O zagueiro participou de três lances, errou dois passes e levou um cartão amarelo por entrada violenta.

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 26)